Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

O que aconteceu foi crime!

Por Denise Assis

26 de janeiro de 2019 : 18h03

 

*Denise Assis

O senhor Fabio Schvartsman despiu-se dos ternos bem cortados que costuma usar em sua sala de presidente da segunda mineradora do mundo, a Vale, deixou a barba por fazer e tirou do armário uma camiseta básica, preta, bem condizente com o momento que iria enfrentar. Em seguida, rumou para Brumadinho, município palco da tragédia que engoliu, numa golfada, cerca de 300 dos seus funcionários, todos, claro, ligados a alguma família, ou dali, da região, ou de algum canto desse país.

Em seguida, posou para fotos durante uma entrevista a um jornal de grande circulação. O fotógrafo caprichou no close, em que Fabio aparece com o rosto vincado e os pelos da barba, já embranquecida, brotando da pele. Desleixo? Não. Tudo milimetricamente calculado para combinar com o texto que diria: “Como vou dizer que a gente aprendeu, (após o acidente de Mariana) se acaba de acontecer um acidente desses?” O texto, evidentemente, carrega quilos de “humildade” e o faz um homem contrito, carregado de emoção.

E prossegue: “O fato é que não sabemos o que aconteceu e o que ocasionou, mas certamente vamos descobrir.” (…) “Peço desculpas a todos os atingidos, a toda a sociedade brasileira, e dizer que não mediremos esforços para enfrentar essa questão da forma que deve ser enfrentada”.

Muito bem, senhor Fábio. Pode ser que o senhor, do alto dos seus almoços caros e do cargo que ocupa, – embora seja a sua obrigação, e para isto recebe uma polpuda remuneração – não saiba, mas nós sabemos. O que aconteceu foi crime. De negligência de responsabilidade por um episódio que não pode ser classificado de outra maneira. Apenas desta. Crime.

Ao dizer que não medirá esforços para enfrentar essa questão da forma como deve ser enfrentada, conta com a sua influência e a certeza da impunidade que sempre cercou pessoas do seu porte econômico, para simplesmente postergar na Justiça as acusações que por ventura vierem a lhe ser imputadas. Às vezes elas nem têm como alvo o CEO da empresa. Ficam por ali, diluídas num palavrório jurídico que acabam, tal como aconteceu em Mariana, interrompidas nos escaninhos. Ao contrário da lama, que correu veloz nos dois casos, sobre as vidas, plantações, animais, propriedades, e tudo que encontrou pelo caminho.

Existem no país, de acordo com a Agência Nacional de Águas (ANA), 24.092 barragens cadastradas. Dessas, segundo levantamento feito há dois anos, 42% tem estruturas que funcionam sem ato de autorização, ou seja, de forma irregular, para dizer o mínimo. E, sabe-se, que pelo menos 143 delas estão sob a sua responsabilidade, senhor Fabio. Pertencem à Vale.

Mas sabe o que aconteceu? Certamente o seu tempo andava escasso em tentativas de negociações para afrouxar a legislação ambiental, que conforme andamos lendo ultimamente, “multa demais”. Sua preocupação estava em elevar de 5,1%, em 2017, o crescimento do seu produto, para 10,3% no terceiro trimestre de 2018. Foram geradas 104,945 milhões de toneladas, sendo 26 milhões em Paraopeba. Um salto. E sabe em quanto foi ampliada a capacidade do depósito de rejeitos da barragem de Brumadinho? Zero.

E aí, senhor Fabio, candidamente o senhor nos diz que não sabe o que aconteceu? Pois eu lhe digo: lucro em excesso. Ganância exacerbada. Preocupação de menos com o seu país, com a região onde o senhor desenvolve o seu negócio, com os funcionários que propiciavam o crescimento da Vale. Com as vidas dos que ali trabalham.

O senhor pede que o desculpemos. Eu lhe dou de troco um sonoro “NÃO”. Chega de achar que a nossa memória, a nossa indignação, descem rio abaixo, junto com a lama que o senhor joga na cara da sociedade. Não vamos soterrá-las nas suas desculpas. Pague a sua fatura, senhor Fabio. * Jornalista

Denise Assis

Denise Assis é jornalista e autora dos livros: "Propaganda e cinema a Serviço do Golpe" e "Imaculada". É colunista do blog O Cafezinho desde 2015.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

20 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alan Cepile

27 de janeiro de 2019 às 15h32

Só um detalhezinho, olha lá quem está em primeiro lugar no recebimento de verba PÚBLICA do BNDES, não foi Cuba, não foi Venezuela.

Vejam a relação de quanto a primeira colocada recebeu e por quanto foi “privatizada”.

“FORA DILMA”

https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2092

Responder

Zé Maconha

27 de janeiro de 2019 às 14h33

Eu to é dando risada desses pobres de direita que votaram no Bolsonaro que morreram afogados
O capitalismo e as privatizações são uma maravilha hahaha
E todos cristãos , cadê o deus deles?
Serve pra que?
Sou ateu e estou vivo hahaha

Responder

Zé Maconha

27 de janeiro de 2019 às 14h30

Privatização é uma maravilha né hahaha
Se houver uma pessoa digna entre os mortos peço desculpas mas a maioria ali votou no Bolsonaro que já defendeu várias vezes afrouxar a fiscalização ambiental.
Bem feito pra eles , votaram num homem que despreza a natureza e apóia as privatizações .
E a maioria são de evangélicos provavelmente.
Aonde está o deus deles agora?

Responder

ari

27 de janeiro de 2019 às 11h04

Neste momento, e considerando a reincidência, o presidente e o diretor da área da Vale deveriam estar presos, embora no judiciário ninguém, ou quase ninguém, tem aquilo roxo para tomar tal atitude

Responder

    Alan Cepile

    27 de janeiro de 2019 às 11h11

    Ainda mais num governo fraco.

    Responder

      Justiceiro

      27 de janeiro de 2019 às 11h52

      É mesmo? Governo fraco?

      E por que, no governo forte da dentuça, quando aconteceu o rompimento da barragem de Fundão, ninguém foi preso?

      Por que Fernandinho Pimentel rebaixou o grau de risco da barragem que rompeu, de 6 para 4, no apagar das luzes? Quanto rendeu isso de propina?

      Responder

        Alan Cepile

        27 de janeiro de 2019 às 12h10

        Pq foi outro governo fraco, mais alguma pergunta?

        Responder

        Sebastião

        27 de janeiro de 2019 às 13h13

        Não é porque o governo de Bolsonaro é novo, que não deva ser responsável. Será que no período de transição, os técnicos não informaram isso
        a Bolsonaro e sua equipe? Claro que informaram que houve essa mudança. Tá todo mundo no mesmo balaio de responsabilidade: Temer, Bolsonaro(esse é o pior, que é contra a fiscalização, e demandas pra ele, nem precisa de rigor), Pimentel(fracasso de pessoa, incompetente um grande incompetente esse ex governador do PT) e Zema que manteve o secretário que permitiu essa flexibilidade de risco, e que de novo não tem nada.

        Responder

          Alan Cepile

          27 de janeiro de 2019 às 13h37

          De Dilma a bozo, passando por Temer (pra mim o pior “presidente” da história) o Brasil vai – literalmente – se afundando na lama.

          Aí vemos a petezada e os bozominions relativizando tudo, vão pro inferno! Dois despreparados, incompetentes.

Sebastião

27 de janeiro de 2019 às 10h42

Tanto o governo de Pimentel e o Federal com Temer, devem ser responsabilizados. Lembro muito bem, que a galera petista, caiu matando em cima de Aécio, quando ocorreu o acidente em Mariana. Agora, tentam – assim como os bolsominions, passar panos quentes e dizendo que isso é a forma de pensar de Bolsonaro, sem fiscalização. Por isso não compartilho as eloquencias dessa galera, que por paixão partidária, negam-se a enxergar o óbvio. Gosto do PT, mas não sou fanático a ponto de não enxergar os erros do partido e ter atitudes tresloucada, pra poder culpa somente o adversário em situações como essa de Brumadinho. Pra resumir, esse Pimentel foi um fracasso e ainda ouvir comentário que isso poderia vir pra Bahia. Vá de retro. É o que não canso de falar: SE ESSES CARAS QUEREM SER UM BOM EXECUTIVO, DEVEM PARAR DE FAZER POLITICAGEM. O cara como executivo, não tem que ficar fazendo campanha o ano todo, viajando pra Curitiba COM LULA LIVRE E FORA TEMER. Pois, abandonam seus estados, pra fazer algo que poderia ser do legislativo e da militância. Pra piorar tudo, Zema – O NOVO, manteve o mesmo secretário de Pimentel. Também deve ser responsabilizado.

Responder

Paulo Aguiar

27 de janeiro de 2019 às 08h55

EU sinto falta é da PÁÁÁÁÁTRIA EDUCADORA!
Me engana, que eu compro.”

Esse tal de “Lula Livre®”, isso é marketing. Clichê comercial. Frase publicitária, pra você comprar o “produto” lula®.
É tal qual a frase: “Coca-Cola® dá Mais Vida”, pra vender o produto Coca-Cola©. Fazer tua cabeça com frases de impacto.

Eis o jeitão VAZIO publicitário do PT® e do Petismo. Veja:

PT vive de clichês publicitários elaborados por marqueteiros. Nada espontâneo. Mas apenas um frio slogan (tal qual “Danoninho© Vale por Um Bifinho”/Ou o: “Fiat Touro®: Brutalmente Lindo”).
Não tem nada a ver com um Projeto de Nação. Eis:

0.
“Coração Valente©” [breguice].

1.
Pátria Educadora© [Huá, huá, huá].

2
“A Copa das Copas®”

3.
“Fica Querida®”

4.
“Impeachment Sem Crime é Golpe ©”

5.
“Foi Golpe®”

6.
“Fora Temer ®”

7.
“Ocupa Tudo©”

8.
“Lula Livre®”

9.
“eleição sem Lula é fraude®” [kuá!, kuá!, kuá!].

10.
“O Brasil Feliz de Novo ©”

11.
“Lula é Haddad Haddad é Lula®”

12.
“Ele não®”.

13.
“Haddad agora é verde-amarelo©” [rsrsrs].

14.
“Luz para todos®” (kkkkk).

——
Mais um recente clichezaço publicitário do PETISMO (Religião) e, também, do PT, — estilo “SKOL© a Cerveja que desce RedondO”.
Ei-lo:
15.
“Ninguém Larga a Mão de Ninguém®”.
16.
“Skol®: A Cerveja que desce RedondO”.

______
É o tal de “me engana que eu compro”.
O Petismo vive de ótimos e CALCULADOS mitos publicitários.
PT© é vigarista.
É exatamente igualzinho a “SKOL®: A Cerveja que desce RedondO”.

Responder

Luiz Carlos P. Oliveira

26 de janeiro de 2019 às 23h18

Criar leis contra esses casos? Pelo contrário, o governo (sic) olha para o Ibama e diz que a multa é um modo xiita de penalizar as empresas. Resta perguntar para o mentecapto o que ele entende por “xiita”. O modo xiita deveria impedir que mais de 300 brasileiros morressem mergulhados em lama, fruto do lucro sem escrúpulos. É contra esse “xiita” que o presidente quer lutar? Quantos mais terão que morrer?

Responder

Paulo

26 de janeiro de 2019 às 21h51

Só há uma solução para evitar a impunidade, em casos como esse: criar um tipo penal específico, em que se considera a responsabilidade objetiva (i.é., independentemente de culpa, embora, no caso, eu tenha a impressão de que houve, também, culpa, em sentido estrito) por danos ao meio-ambiente e mortes de pessoas e animais, com penas pesadíssimas, além dos danos materiais (estes devem ser tratados na esfera cível, com penalização exacerbada ao máximo, como, por exemplo, exigir parcela dos lucros da empresa por 10 ou 20 anos, algo como 10 ou 15%, drenando os cofres públicos da União, do Estado e do Município, conforme o alcance do dano). Paralelamente, deve-se estabelecer um rito processual sumaríssimo para a tramitação das ações, tanto cíveis quanto criminais. Fora daí, é esperar o próximo. Parabéns à articulista pela matéria! Eu também senti repulsa vendo esse senhor na televisão, ontem, e compartilho do mesmo entendimento. Tudo montado…

Responder

    Paulo

    26 de janeiro de 2019 às 21h55

    Só pra complementar, o IBAMA multou a empresa em R$ 250 milhões (Alô, sr Bolsonaro!) e um juiz bloqueou R$ 1 milhão da Vale. Parece muito? Sim, mas é dinheiro de pinga para uma empresa desse porte…

    Responder

      Paulo

      26 de janeiro de 2019 às 22h01

      “Bloqueou “R$ 1 BILHÃO da Vale”…

      Responder

        Carlos Eduardo

        27 de janeiro de 2019 às 14h49

        Verba bloqueada continua sendo da Vale…

        Responder

    Paulo

    26 de janeiro de 2019 às 22h00

    “Drenando AOS cofres públicos esses valores”…

    Responder

Antonio

26 de janeiro de 2019 às 19h05

VALE DA MORTE. #Brumadinho

Responder

Justiceiro

26 de janeiro de 2019 às 18h15

Até agora, ninguém foi preso no caso Mariana e esse caso de Brumadinho irá pelo mesmo caminho.

Muita gente deveria já estar presa, a começar pelo governador Pimentel que, no apagar das luzes de seu governo, rebaixou o grau de risco de 6 para 4, da barragem que desabou ontem. E olhe que ele viu a quantidade de vítimas de Mariana, mas parece que não aprendeu nada.

A Lava jato é mesmo uma operação fora da curva com início meio e fim, com a condenação de corruptos.

Três anos já se foram desde o desastre de Mariana e o processo continua quase parado.

Responder

    Zé Maconha

    27 de janeiro de 2019 às 14h44

    Esses eleitores do escritório do crime hahaha
    Tudo no universo é culpa do PT.
    Vamos falar sobre privatizações e o discurso de Bolsonaro pregando diminuição da fiscalização ambiental?
    E não finja que se importa com os outros , você votou numa quadrilha de assassinos.
    Você é a favor da TORTURA.
    Até seu apelido é de bandido hahaha
    Para de finjir que é gente , seu animal.

    Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina