Haddad no Ceará, ao vivo

Foto: Leo Correa / AP / Reuters

O Estado Policial de Bolsonaro

Por Rogerio Dultra

05 de fevereiro de 2019 : 18h21

A substituição do Estado de bem-estar social pelo controle penal da população é relativamente recente nas democracias ocidentais. O sociólogo francês Löic Wacqüant denominou o fenômeno de Estado Penal. Suas características foram primeiramente observadas nos EUA, após o boom do sistema carcerário na passagem dos anos 1980. Após a liberação das privatizações, a população carcerária saltou de algo em torno a 300 mil para mais de 2 milhões em menos de duas décadas. A população negra e pobre, antes monitorada por serviços de assistência social e beneficiadas por programas e direitos, passou a ser criminalizada e controlada majoritariamente por mecanismos repressivos.

Esse fenômeno de larga implicação social – hoje 65 milhões de norte-americanos têm ficha criminal – deu origem a um sem número de estudos analíticos, bases de dados e pesquisas empíricas. Eles fazem ver um movimento coordenado de controle social, econômico e político da população estadunidense a partir do sistema penal, com largo apoio dos meios de comunicação de massa.

Essa união nefasta entre repressão e propaganda não passou despercebida. David Garland, um dos maiores estudiosos do fenômeno, afirma que a união entre mídia e sistema penal possibilita o extermínio em massa da população pobre. Isto se dá pela naturalização de uma cultura do controle expressa, inclusive, em campanhas eleitorais de candidatos populistas.

Convivemos há décadas com um sistema repressivo que funciona sob a lógica do Estado de exceção, violando direitos, executando cidadãos sem processo, criminalizando preferencialmente a população pobre e negra. Ainda assim, o arbítrio repressivo herdeiro de nossas raízes escravocratas e ditatoriais sempre operou à margem da lei. Ele conviveu harmoniosamente com a espada de Dâmocles a punir não as políticas públicas criminosas, mas os agentes de ponta, bodes expiatórios da violência de Estado perpetrada por eles próprios.

A implantação “oficial” de um Estado Penal e de uma cultura do controle passa, portanto, pela legalização, pela incorporação ao sistema jurídico da violência de Estado que sempre operou às claras no país, mas sempre encontrou o inconveniente de ter que fazê-lo ao arrepio da Constituição e da lei. Mesmo sob a Ditadura Empresarial-Militar de 1964, o sistema jurídico teve que operar dentro de determinados critérios. Ele foi forçado a respeitar procedimentos, como os da defesa jurídica, realizada por advogados imbuídos de suas prerrogativas, mesmo em casos mais extremos.

A introdução de um novo paradigma penal e processual penal, capaz de eliminar direitos e legalizar a violência de Estado, não se deu de uma hora para outra. Desde os anos 1990 o país tem, aqui e ali, aprovado um tipo específico de legislação extravagante. Aquela que restringe direitos, afronta cláusulas pétreas, retira o processo penal da esfera do controle público e o canaliza para decisões privadas, como a famigerada negociação da culpa.

Este longo processo de reformas legislativas nos legou uma ampliação sensível do sistema carcerário, sem que isto significasse a diminuição da criminalidade. Entre 1995 e 2014, enquanto a população brasileira cresceu de 155 milhões para 203 milhões (21,74%), a população carcerária aumentou de 148 mil para 622 mil (418,25%). Hoje se percebe que com o aumento exponencial de pessoas presas no Brasil, amplificaram-se as organizações criminosas e os dados da violência urbana. Criminalização e violência crescem juntas, apesar do discurso oposto: quanto maior a repressão, mais aumenta a criminalidade no país. A alternativa óbvia, alargar a rede de proteção cidadã, não emplacou nas últimas eleições.

O papel da Lava-Jato

Mas o verdadeiro ponto de virada, o momento em que se passou a entender possível que um modelo de controle exclusivamente penal da população fosse implantado, legalizando o que a nossa Constituição considera violações de cláusulas pétreas, foi o acontecimento da “Operação Lava-Jato”, a partir de 2014.

O protagonismo político e judicial da “Operação Lava-Jato” foi um balão de ensaio absolutamente bem sucedido no sentido de estabelecer um novo padrão de comportamento das agências encarregadas do controle social via criminalização, como o judiciário, o Ministério Público e as polícias. Estes órgãos passaram a operar inconstitucionalmente em uníssono, num modelo corretamente classificado pelo falecido Ministro do STF Teori Zavascki como “medievalesco”.

Isto porque ao invés da prevalência de um sistema acusatório (onde há a distinção entre investigação, acusação, julgamento e defesa), a operação funcionou de forma inquisitorial: investigação, acusação e juízo procedendo em conjunto e praticamente impedindo o funcionamento regular e produtivo da defesa. O resultado já se sabe: investigações sem critério, acusações sem fundamento, condenações sem prova.

Nesse sentido, é um truísmo classificar o pacote de alterações penais e processuais penais proposto pelo Ministro Sérgio Moro de fascista. E talvez isto seja até mesmo antipático, indicando um enviesamento inconveniente diante de tão grave situação. É fascista, sim, de acordo com quaisquer parâmetros históricos, em especial se comparado o projeto Moro com elementos do Código Penal Fascista italiano ou com a codificação penal e processual penal nazista.

Mas o mais correto seria tentar classificar esse pacote legislativo tecnicamente, segundo os elementos de um Estado Democrático Constitucional de Direito. Aliás, a nossa Constituição se presta exatamente a isto, a permitir verificar as inconstitucionalidades dos Projetos de Lei oferecidos ao Parlamento, como é o caso deste “projeto de lei anticrime” apresentado nesta segunda-feira.

Nesses termos, o “projeto” oferecido pelo Ministro da Justiça contém uma quantidade inédita de inconstitucionalidades, equívocos de técnica legislativa, falta de exposição de motivos, falta de fundamentação em estudos estatísticos (aparenta desconhecer as estatísticas de segurança pública e do sistema de justiça criminal) além de não dar uma resposta sistêmica adequada à questão da violência e deter-se em alterações pontuais do sistema.

Ao violar um sem número de direitos fundamentais, ao ignorar um universo significativo de pesquisas na área da segurança pública, colabora para o aprofundamento da violência, para a hiperpopulação carcerária e, paradoxalmente, para a impunidade. Destaca-se no projeto a carta branca para que os agentes de segurança executem indivíduos e não sejam devidamente responsabilizados.

O pacote criminalizador

O pacote legislativo do Ministério da Justiça fragiliza o papel da justiça criminal, ao ampliar os poderes do Ministério público e restringir direitos de defesa. No projeto, MP e PF se transformam em órgãos quase que politicamente independentes de controle externo ou subordinação Constitucional, tantas são as “prerrogativas” criadas, bem nos moldes de violações já conhecidas da “Operação Lava-Jato”. A título exemplificativo e não exaustivo, seguem algumas aberrações que saltam aos olhos numa leitura inicial:

  1. A execução provisória da pena por condenação em segunda instância viola o art. 5º, inc. LVII da CF, que garante o direito à presunção de inocência até o trânsito em julgado da sentença condenatória.
  2. A criação da “legítima defesa da honra”, quando o agente comete excesso de legítima defesa por “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”. Isto autoriza o feminicídio e demais crimes contra a vida, porque prescinde do elemento objetivo da “injusta agressão, atual ou iminente”. A excludente de ilicitude é ampliada através desses critérios absolutamente subjetivos.
  3. Os agentes policiais passam a estar em situação de legítima defesa em ambiente de “risco de conflito armado”, ou seja: mesmo não havendo conflito armado, é possível que policiais “abatam” “suspeitos” e permaneçam em situação de legítima defesa. É o que se está chamando de “lei do abate”, ou autorização para execuções sem processo.
  4. A ampliação de situações: a) que o regime inicial de cumprimento da pena passa a ser fechado, b) que a progressão do regime (de fechado para semi-aberto ou aberto) é dificultada, ou mesmo c) que a progressão é proibida, violando frontalmente o art. 5º, inc, XLVI, que garante a individualização da pena. Tais medidas, além de inconstitucionais, ampliam a superlotação e incham artificialmente o sistema carcerário com indivíduos, por exemplo, que não cometeram crimes violentos.
  5. É risível a citação expressa de organizações criminosas como “Comando Vermelho” e “Primeiro Comando da Capital” no corpo do texto legal. Uma lei geral, como é o caso da lei penal, deve ser impessoal e não pode se referir a pessoas ou grupos. A primariedade do texto e a falta de técnica legislativa saltam aos olhos também nesse aspecto, para além de palavras genéricas e vagas que pululam em todo o projeto.
  6. É criada a bizarra autorização para as forças de segurança utilizarem-se diretamente de produtos apreendidos, como armas, carros, etc. As polícias serão estimuladas a se comportar como milícias, realizando ações para se equiparem com instrumentos de serviço não padronizados. Uma porta escancarada para a corrupção.
  7. A introdução da negociação da culpa e da pena – o plea barganing norte-americano, hoje amplamente criticado –, transfere o poder de gerir ao processo à vontade privada do órgão do Ministério Público. O direito ao devido processo (Art. 5º, inc. LIV) é claramente violado e uma quantidade expressiva de cidadãos inocentes vai preferir assumir culpa a enfrentar um processo cuja condenação pode exceder largamente a pena “oferecida” na barganha.
  8. A violação expressa do direito constitucional de ampla defesa (Art. 5º, inc. LV) e do sigilo profissional (Art. 5º, incs. XIII e XIV), ao permitir gravações de conversas de réus presos e de réus com advogados (!!!!). Uma excrescência de caráter claramente nazi-fascista (aqui não deu para evitar a adjetivação). Medida ilegal e largamente repetida durante a “Operação Lava-Jato” diga-se de passagem.
  9. A violação da integridade física e da presunção da inocência de cidadãos sem condenação transitada em julgado, quando se permite coleta de DNA de condenados em primeira instância para criação de banco de dados.
  10. A criação de forças-tarefas de caráter internacional sem o controle do Ministério da Justiça, e diretamente controladas pelo MP e pela PF, estimulando uma verdadeira autonomia política de órgãos de Estado. Estes devem estar subalternizados ao controle institucional e constitucional, conforme reza o art. 128, parágrafos e e art. 144, parágrafo primeiro.
  11. Mais grave do que esses fatores, que por si atingem o projeto “anticrime” de morte, se é que ainda prezamos por garantias democráticas, é o estímulo a uma cultura da delação, do denuncismo, do medo, com a legalização do alcagüete secreto.

Este projeto é, em resumo, a generalização legislativa do medievalismo da “Operação Lava-Jato”. É a carta branca para que o Estado brasileiro controle repressivamente a população, inclusive através de seu extermínio, sem sequer estar violando a lei.

Hoje, mais do que nunca, é preciso uma grande mobilização para evitar que este projeto grotesco e autoritário chegue à luz do dia. A comunidade de cidadãos, associações, partidos e juristas deve se manifestar em todos os foros possíveis. O Legislativo deve ser sensibilizado para o desastre social, político e institucional que este projeto representa.

A sua aprovação significará a instalação de um Estado policial, de uma “ditadura constitucional” nos moldes dos mais reacionários projetos políticos jamais pensados. Nada que não tenha sido dito a torto e a direito na campanha presidencial, a despeito dos céticos de plantão que insistiam em classificar como bravatas as violências repetidas ad nauseam pelo então candidato a Presidente. Com este Projeto de Lei, Bolsonaro começa a entregar o que prometeu: um país em que o guarda da esquina tem poder soberano de vida e morte sobre qualquer cidadão.

Rogerio Dultra

Professor do Departamento de Direito Público da Universidade Federal Fluminense (UFF), do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Justiça Administrativa (PPGJA-UFF), pesquisador Vinculado ao INCT/INEAC da UFF e Avaliador ad hoc da CAPES na Área do Direito.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Eu Avisei

06 de fevereiro de 2019 às 14h53

Steve Bannon lider reacionário neofascita – o movimento – diz que general Mourão pisa fora da linha.

Responder

ari couto

06 de fevereiro de 2019 às 12h39

“Nesse sentido, é um truísmo classificar o pacote de alterações penais e processuais penais proposto pelo Ministro Sérgio Moro de fascista”
Na verdade, todo o projeto Bolsonaro é um projeto fascista, particularmente no que diz espeito à destruição dos instrumentos de luta e defesa do trabalhador – sindicatos, associações, partidos, etc – conforme definição clássica de Trotsky. Não custa lembrar que Hitler toou posse como Chanceler da Alemanha em 30/1/33 e, seis meses depois, uma ditadura estava instalada no país, com um parlamento decorativo e uma legislação repressiva draconiana que permitiu acabar com todo tipo de oposição.Quem conhece o livro “Os Juristas do Horror” sabe da semelhança entre o que ocorre entre nós e a Alemanha nazista.
Parabéns pela matéria

Responder

Belmiro/RS

06 de fevereiro de 2019 às 07h50

Essa foto no topo do artigo não é da ação na Rocinha durante o governo Lula ou Dilma?

Responder

    CARPOA

    06 de fevereiro de 2019 às 12h50

    TROLL

    Responder

Francisco

06 de fevereiro de 2019 às 05h09

Esse blog parece ser a favor dos 60 mil assassinatos de negros, homossexuais, brancos e mulheres que temos no brasil. A lógica é óbivia: se nao há pelo menos um mínimo de senso de justica para o povo vítima da violencia, elas se juntam o crime e buscam reposta com as próprias maos. Dar “assistencia social” ao criminoso é pedir que todo brasileiro honesto se torne um criminoso. 14 anos de “Estado Social” com o PT e os assassinatos de negros e brancos subiu de 40 mil para 60 mil ao ano (50%)

Responder

    CARPOA

    06 de fevereiro de 2019 às 12h56

    vC É UM OTÁRIO,É SÓ VER AS ESTATÍSTICAS SOBRE QUE POPULAÇÃO É A QUE A POLÍICA MAIS MATA.
    DISSO É QUE SE TRATA SEU IGNORANTE,DE DAR PODER AOS ASSASSINOS DE FARDA.
    A PROBLEMÁTICA DO COMBATE A VIOLÊNCIA É MUITO MAIS COMPLEXA E AMPLA DAQUELA QUE PODE SAIR DA CABEÇA DE UM SER LIMITADO COMO O CRIMINOSO MORO.
    ALÉM DISSO ,ESTÁ CLARO QUE ESSA RECEITA VEIO DE FORA,É A MESMA APLICADA EM OUTROS PAÍSES,REPRESSÃO PELA REPRESSÃO.
    NADA QUE APONTE A RESOLVER A _________ORIGEM__________ DA VIOLÊNCIA.

    Responder

      Jorge

      07 de fevereiro de 2019 às 09h41

      Otária é achar que a mesma fórmula que aumentou os assassisnatos de negros, brancos, heteros e homos em 50% em apenas 10 anos vai funcionar agora.
      Tem que mudar a fórmula. Melhor mudar e errar do que persistir na burrice do erro

      Responder

Justiceiro

05 de fevereiro de 2019 às 21h49

Quem reclama do projeto de Sérgio Moro para a segurança não apresenta outra opção. Também não falam nada de o país não ter um endurecimento das regras até hoje e a criminalidade só aumentar.

Ora, se estivesse tudo bem, não haveria necessidade de projeto nenhum, mas não está, cada dia piora mais.

Quem é contra bandido preso não pode bater à port de uma Delegacia se for assaltado na esquina, ou na frente de sua casa.

Melhor ter Estado policial do que ter o Estado sequestrado pela bandidagem.

Responder

    CARPOA

    06 de fevereiro de 2019 às 10h09

    1° existe opção ao projeto do CRIMINOSO moro,a legislação atual.
    2° só os imbecis acham que a solução da violência passa por mais repressão , exemplos sobram .Um deles é o país do teus donos eeuu,seu eterno combate as drogas.
    3 ° quando vc trabalha achando que + repressão gerará resultados ,vc desconhece um básico conceito de lógica.SE VC QUER SOLUCIONAR UM PROBLEMA TRABALHE NAS CAUSAS E NÃO PERCA TEMPO EM TAMPAR OS BURACOS DAS CONSEQUÊNCIAS.
    QUAL A PROPOSTA DO CRIMINOSO SERGIO MORO EM RELAÇÃO AS CAUSAS ???…tic tac,tic tac
    PERCEBE COMO VC É UM PERFEITO IMBECIL????? .

    Responder

    CARPOA

    06 de fevereiro de 2019 às 10h12

    VOU TE DAR UM OUTRO EXEMPLO,ESTE MAIS CERCANO, A “INTERVENÇÃO MILITAR” NO RIO ACABOU COM A BANDIDAGEM?????
    OTÁRIO

    Responder

      degas

      06 de fevereiro de 2019 às 13h16

      Rapaz, a bandidagem nunca acaba, em qualquer lugar do mundo tem polícia. O que se procura é diminuí-la. E falando em suas causas, nenhuma é maior que a impunidade, tão estimulada pelos petistas. O moleque rouba, mata e fica livre. No dia seguinte vai fazer isso de novo. O garoto vizinho, que ganha pouco em algum, lugar vê o cara numa boa, se sente um otário e decide entrar no esquema também.

      Deixa ele chegar em casa e ver a mãe do primeiro chorando porque o filho foi preso e vai ficar 30 anos na cadeia. A vontade de ser bandido passa rapidinho.

      Responder

Paulo

05 de fevereiro de 2019 às 19h18

Pode haver redação da má técnica legislativa e até inconstitucionalidade (nada que não possa ser corrigido), mas era indispensável e inadiável um endurecimento geral da lei penal e da lei processual penal. Precisaríamos encarcerar de 4 a 5 milhões de brasileiros, na verdade (o que, entretanto, não vai ocorrer, por falta de recursos), reduzir a maioridade penal para 16 anos e criar a prisão perpétua, reformando a CF, onde necessário. A polícia também precisa de maior liberdade de ação, pois vivemos num estado de conflagração geral, no Brasil, que não será corrigido, meramente, pela melhoria das condições sociais do país, que, óbvia e paralelamente, também deve ser buscada…

Responder

    CARPOA

    06 de fevereiro de 2019 às 12h59

    Deveríamos proibir que os imbecis como vc votem,assim as receitas fáceis dos asnos como bolsonaro não seduziríam ninguém.

    Responder

CAR-POA

05 de fevereiro de 2019 às 18h44

Parabéns! é assim com este nível de posts que se gera consciência política.
Resulta óbvio visualizar que o fenómeno é mundial e em particular parece ser mais profundo no caso dos países periféricos.Na Argentina existe o mesmo projeto de Estado Penal.
Mas ,não é casualidade,é um projeto que grupos mundiais de poder procuram instalar para controle das populações.Diversos filmes futuristas abordaram a temática do governo das corporações ,incluso por cima dos Estados .
Estas decisões não são geradas pela mente de um incompetente como O CRIMINOSO sergio moro, ou seus parceiros de crime da farsa-jato,isto vem de fora.
Em alguns países a despeito da queda geral em todo o mundo do poder de movilização dos sindicatos ou outras organizações classistas , ainda existem movilizações contrárias a este projeto .
Mas,no nosso Brasil ,já era.
Onde começará a reação ?,quando? ou nunca?? estamos a caminho do matadouro de toda liberdade.

Responder

Deixe uma resposta