A audiência pública sobre a reforma tributária

Congresso dos EUA cria banco público de investimento inspirado no BNDES

Por Redação

06 de fevereiro de 2019 : 11h39

No site do BNDES

NOS MOLDES DO BNDES, EUA CRIAM BANCO PARA APOIAR EXPORTAÇÃO DE SUAS EMPRESAS

O congresso dos EUA aprovou no final do ano passado a criação da U.S. International Development Finance Corporation (USIDFC), instituição que visa promover o desenvolvimento em países emergentes a partir do fomento a empresas americanas. O projeto, que aguarda a sanção presidencial, propõe a transformação da já existente Overseas Private Investment Corporation (OPIC), pequena agência governamental criada em 1971, em um banco com mais poder de atuação, capaz de financiar investimentos privados americanos em mercados internacionais, especialmente em aliados estratégicos dos EUA.

A proposta de criação da nova instituição financeira, elaborada pelo Center for Global Development (CGD) ainda em 2011, destaca que, ao unificar diversos instrumentos e agências já existentes no país em uma nova empresa, o governo americano ganhará em eficiência, sem necessidades adicionais de orçamento.

Ainda segundo o documento, o novo banco poderia atuar em países de renda-média, como Índia, Tailândia, Turquia, Nigéria e México, ampliando mercados e oportunidades para classes empreendedoras e, assim, garantindo prosperidade e estabilidade para essas economias. Já em países com problemas mais sérios de segurança e governabilidade, a exemplo de Afeganistão, Somália e Iêmen, a instituição complementaria o apoio humanitário prestado pelos EUA, estimulando investimentos capazes de gerar empregos e criar oportunidades de negócios.

O novo banco de desenvolvimento deve oferecer um pacote completo de produtos e serviços, que incluem: empréstimos, garantias, capital semente para fundos de investimento, participações em empresas, além de serviços de consultoria e estudos de viabilidade para projetos. A iniciativa toma como exemplo as instituições financeiras de países emergentes que atuam como agência de financiamento à exportação, tais como o BNDES, no Brasil; o Exim-Bank Malaysia, na Malásia; e o Turk Exim Bank, na Turquia, além de entidades multilaterais, como o New Development Bank, também conhecido como Banco dos BRICS.

Leia a íntegra da proposta de criação da USIDFC (em inglês)

Atualização: A matéria esqueceu de informar que praticamente todos os países desenvolvidos já tiveram ou ainda tem bancos públicos de investimento. Isso para não falar da China, que tem vários bancos aos moldes do BNDES. Aqui no Brasil, desde o governo Temer, o BNDES tem sido dilapidado, com suas operações paralisadas e seus recursos drenados para pagamento de dívida pública. A perseguição de instituições jurídicas (TCU, MP, PF) ao BNDES, com base puramente em preconceito político e estupidez ideológica, também tem afetado gravemente o funcionamento do banco.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Dimitrius

07 de fevereiro de 2019 às 18h04

Era só acertar os juros do BNDES e impedir emprestimos subsidiados a empresas privadas.
Nao, mas aqui destroem o banco, afundam o credito e depois como o pais nao vai crescer assim, inventam a carteira verde e amarela.
E o pior, ficam emprestando dinheiro com juros baixinhos para tubaroes que pegam o dinheiro e vao passear para os EUA ou europa e nao investem na produção e nem na planta da empresa, ou seja, nem aumentam a produção, nem aumentam a fabrica e muito menos contratam mais empregados. É um dinheiro jogado fora pelo BNDES. Deveriam emprestar mais para o micro e pequeno empresario, esses tem interesse em se tornar grande e emprega mais gente.
Mas nao, emprestam para megaempresas, as vezes, ate multinacionais que em qualquer crisizinha quer demitir milhares.

Responder

Deixe uma resposta