Lançamento do livro “Lawfare: uma introdução”, com Lula

O mundo sob os EUA

Por Pedro Breier

13 de abril de 2019 : 12h50

O motivo pelo qual Julian Assange é tão ferozmente perseguido é que ele, por meio do WikiLeaks, divulgou documentos classificados como sigilosos pelo governo dos EUA.

Dentre as revelações estão atrocidades como o assassinato de civis pelo exército americano no Iraque e no Afeganistão e a espionagem de líderes políticos de diversos países, dentre eles Dilma Rousseff, quando era presidente do Brasil.

O responsável por tão graves revelações sobre o país mais poderoso do planeta seria considerado um herói pelo mundo democrático, caso democrático não fosse apenas uma palavra usada para esconder a submissão da absoluta maioria dos Estados nacionais ao Grande Irmão do Norte.

O demo de democracia não signfica povo, mas sim Estados Unidos da América – o que em português até faz algum sentido.

Intimidados pelo poderio bélico e econômico americano, os países, com algumas exceções, costumam subjugar seus interesses aos do Tio Sam – oi, Bolsonaro – ou, no máximo, esboçar tímidos enfrentamentos.

É como se o moleque mais forte e rico do colégio submetesse a classe inteira aos seus desígnios por meio de pesado bullying.

O mundo caminha resolutamente para o colapso muito por conta da sanha por lucro dos EUA, que provoca insustentáveis desigualdades econômicas e sociais entre os países e destrói o meio ambiente.

O resto das crianças, em vez de unir-se para desbancar o bullie, apenas luta por sua própria sobrevivência. E olhe lá.

Pedro Breier

Pedro Breier é graduado em direito pela UFRGS e colunista do blog O Cafezinho.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

19 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Carlos Eduardo

14 de abril de 2019 às 09h54

Se esta matéria fosse escrita pelo Moro o título seria “O mundo sobre os EUA”

rs

Responder

Paulo

13 de abril de 2019 às 23h03

A história da humanidade é a historia do impérios. Sempre foi assim, e, provavelmente, sempre será. A questão, então, deveria ser: qual meu império “favorito”? Qual aquele que me dá um espaço mínimo de subalternidade negociada, e que me permite sonhar com a reversão desse quadro, ou que, ao menos, me permite manobrar para uma reversão futura, sabendo disso ou não, o tal império?

Responder

    Paulo

    13 de abril de 2019 às 23h05

    Colocando em termos mais simples, alegoricamente argumentando: a quem os cientistas alemães, com a derrota do nazismo, preferiram se entregar, aos soviéticos ou aos americanos?

    Responder

    lucio

    14 de abril de 2019 às 06h00

    paulo,
    o mundo melhor nao é aquele com um imperio so`e sim aquele com varios mini-imperios, com uma concorrencia entre centros de poder.
    por isto torço pela china, russia e todos os emergentes.
    os EUA foram quase bonzinhos com vocé, mas vai falar com as populaçoes onde eles fizeram 150 guerras nos ultimos 200 anos. só desde 2001 causaram 4 milhoes de mortos (se pode falar a mesma cosa de china e russia? NAO).
    se o 90% do mundo os odeia deve ter um motivo, nao acha? e o 90% do mundo pouco está se lixando do seu gosto.

    Responder

      Paulo

      14 de abril de 2019 às 10h57

      90% os odeiam mas querem ir pra lá, se puderem. Já pra Cuba ninguém quer ir, nem você (a não ser como turista e hospedando-se em hotéis de 1ª classe)…

      Responder

        Sergio Araujo

        14 de abril de 2019 às 11h47

        Esse è um palhaço conclamado…ele gosta do Brasil pois paga 12% de juros e quer obrigar os empresarios a triplicar os salarios minimos.

        Cortar os juros do tesouro direto que os brasileiros pagam pra ele para 4% ele nào quer.

        Responder

        lucio

        14 de abril de 2019 às 11h57

        paulo,
        qurem ir pra lá só por nao morrer de fome (que os proprios eua causam) nos paises deles.
        e sem conhecer direito como funciona, alucinados pela propaganda. por exemplo nao sabem dos 60.000 americanos mortos de overdose por ano, da taxa de suicidio 5 vezes a do brasil (coisas que mim fazem pensar em um pais nao tao feliz), dos milhoes de moradores de rua.
        nunca eu moraria nos eua.
        se non anos 90 o governo cubano teria mim permitido morar lá, teria ido CORRENDO.
        e na europa iria para russia (custo de vida baixissimo, serviços publicos de qualidade, buceta de qualidade) se nai fosse tao frio.

        Responder

          Paulo

          14 de abril de 2019 às 12h09

          Já eu iria pra Portugal…

    Gilmar Antunes

    14 de abril de 2019 às 11h10

    A História da Humanidade tem sido mesmo a História dos Impérios.
    Mas a Humanidade muda e haverá de perceber esta realidade, e haverá de mudá-la.

    Responder

      Paulo

      14 de abril de 2019 às 12h12

      Que ela seja mais redistributiva já me contentaria. Já a hierarquização vai prosseguir, é da natureza humana, mas que seja contida, consciente, ao menos!

      Responder

Admar

13 de abril de 2019 às 22h29

Eleitores do Aebrio Never que viraram Bolsominions adoram ver o JegueNalro colocando o Brasil de 4 diante dos gringos!!!

Responder

Sérgio Araújo

13 de abril de 2019 às 21h22

Sua mãe ficou em coma 40 anos depois que viu o que deu a luz.

Responder

ari couto

13 de abril de 2019 às 17h31

Muito pouca gente conhece os estragos causados pelo imperialismo americano (sem contar os de outros países) no mundo desde o fim da segunda guerra. O boicote à Venezuela é apenas um deles, no caso, com ampla cobertura da mídia local e internacional que leva milhões de idiotas a chamarem Maduro de ditador sangrento coisa que o valha e pedir sua saída, inclusive por parte de uma parte da esquerda que ingenuamente ou não está colaborando para o avanço americano no mundo

Responder

Alan C

13 de abril de 2019 às 15h06

E o bozo ridículo não é capaz nem de pegar as migalhas… pqp!

Responder

Sérgio Araújo

13 de abril de 2019 às 13h33

Após a extinção do nazismo e do fascismo apareceram os pseudo anti-americanos.

Os Estados Unidos se tornaram os inimigos imaginarios da esquerda (sem o qual cairia em extinção como está acontecendo faz tempo em vários países).

Se passar por heróis sem inimigos é fácil demais.

Responder

    lucio

    13 de abril de 2019 às 19h15

    vc ficou em coma 40 anos? na europa é a direita que é anti-americana e a (falsa) esquerda que os adora

    Responder

Admar

13 de abril de 2019 às 13h14

Logo vão aparecer por aqui os cachorros vira latas que adoram lamber o saco dos gringos e dizer que os gringos estão certos!!!

Responder

    Brasileiro da Silva

    13 de abril de 2019 às 14h40

    Já apareceu o Admar, lambendo o saco do gringo Assange e falando que ele esta certo.

    Responder

      Alan C

      14 de abril de 2019 às 13h12

      #AdmarNeles!!! kkkkk

      Responder

Deixe uma resposta