Ato público pela valorização do serviço público

Crédito: Divulgação

Eduardo Moreira: reforma da previdência só atinge mais pobres

Por Redação

04 de junho de 2019 : 12h39

Na página Que reforma é essa

Eduardo Moreira: reforma deveria atacar privilégios, mas só atinge os mais pobres
04/06/2019

O economista Eduardo Moreira fez uma análise da reforma da Previdência, que foi proposta por Jair Bolsonaro (PSL). A principal característica da PEC, segundo o especialista, é a retirada de direitos e renda dos brasileiros mais pobres, aprofundando as desigualdades no país.

“Uma reforma da Previdência deveria atacar privilégios e privilegiados, mas ela vai atacar o povo brasileiro e os mais pobres. Mais de 90% da economia que a reforma irá gerar vem dessas pessoas e isso está nos documentos do governo”, explicou Moreira. Ainda segundo o economista, a PEC só fará os brasileiros trabalhar mais e receber menos. “Para quem é servidor público e para a chamada classe média tradicional essa reforma é incrivelmente perversa”, destacou.

A perversidade a que Eduardo Moreira se refere está, inclusive, no sistema de capitalização, que na prática é a entrega das aposentadorias dos trabalhadores para os bancos. Como se não bastasse o ataque ao direito dos brasileiros, Bolsonaro quer gastar recurso público para implementar a capitalização. Serão R$ 954 bilhões em 20 anos.

O número foi divulgado somente três meses após a PEC da reforma chegar ao Congresso Nacional, pelo secretário de Previdência do Ministério da Economia, Leonardo Rolim, durante audiência na Câmara dos Deputados. A divulgação na agradou o secretário especial de Previdência e trabalho, Rogério Marinho, que foi flagrado pela imprensa dando um puxão de orelha em Rolim.

Para Moreira, as intenções do atual governo são claras em favorecer os mais ricos, em detrimento dos trabalhadores. O especialista defende que a tributação das grandes fortunas. “O Brasil precisa na verdade tributar é os mais ricos, cobrar os grande devedores da Previdência, parar de dar isenções e benefícios fiscais para quem não precisa e voltar a investir para gerar empregos. É isso que torna a Previdência sustentável. O resto é história para continuar tirando dos mais pobres e dar para os mais ricos. E isso o país não aguenta mais”.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

maria do carmo

05 de junho de 2019 às 08h52

Vale, Gerdau, Bradesco, Itau e outros grandes devedores devem mais de ( 1 ) um trilhao de reais a previdencia, devem e tem que ser cobrados, e bom os desinformados se informarem e nao aceitarem reformas com sigilos, procurem se ler os especialistas como Eduardo Moreira, Maria Lucia Factorelli e tantos outros conhecedores da previdencia a fundo e nao tenham preguica de ler e o futuro de seus descendentes, o bolsonaro bronco desvairado ja disse que nao entende de economia ja esta tirando de sua responsabilidade, Guedes que esta envolvido em fundos de pensoes fraudulentos banqueiro esta pouco se incomodando com trabalhadores, muda do Brasil e os banqueiros que ficarao de acordo com a nova presidencia com 62% serao eternamentes gratos a Guedes! Os brasileiros deveriam ter saido as ruas assim que fecharam o Ministerio do Trabalho! SOS BRASIL!

Responder

Paulo

04 de junho de 2019 às 18h36

Pois é! Mais dinheiro dos desafortunados pros banqueiros e o Estado brasileiro querendo dar calote em seus contratos. Essa é a segurança jurídica que pregam os neo-liberais?

Responder

Marcio

04 de junho de 2019 às 13h06

Vai trabalhar retardado.

Responder

    Eduardo

    04 de junho de 2019 às 16h38

    Excelente um economista sério falar sobre a reforma e seus prejuízos. O verdadeiro caráter da reformar é prejudicar quem trabalha e favorecer patrões, usurários e financistas.
    É Márcio, vá estudar, pois senão vai ficar tão burro quanto o nosso presidente.

    Responder

      Celso

      04 de junho de 2019 às 18h31

      Concordo

      Responder

      Marcio

      04 de junho de 2019 às 19h11

      Vai trabalhar.

      Responder

      maria do carmo

      05 de junho de 2019 às 08h21

      Prezado Eduardo concordo parabens, infelizmente a ignorancia grassa tem preguica de ler nao fazem comparacoes esquecem que politica e presente e futuro, e nao futebol gosta do time e torce, a eleicao do bolsonaro bronco, desvairado e genocida fratecida e a prova era so apertar o dedinho no computador para saber que na decada de oitenta o irresponssavel ameacou jogar bombas nos quarteis do Rio de Janeiro ( terrorismo ) que em 28 anos na camara so teve dois projetos aprovados irrelevantes sendo que um nao foi regulamentado ( mamata ), tendo levado para politica irmao, duas ex-mulheres e tres filhos para nada fazerem tambem e tudo que estamos vendo convivencia com milicianos Marcio quem gosta de dar tiro nos pes adora alfafa!

      Responder

    Getulio

    04 de junho de 2019 às 18h33

    Marcio, a reforma da previdência proposta pode até não lhe interessar, mas vai penalizar quem já trabalha muito no trabalho pesado e não mexe com quem tem trabalho leve e abonadas aposentadorias.

    Responder

      Marcio

      04 de junho de 2019 às 19h10

      Sei.

      Responder

Deixe uma resposta