Manuel Castells na FGV

Site Maryjuana: https://maryjuana.com.br/2015/08/mulheres-comandam-plantacao-de-maconha-na-california/

ONU: maconha já tem 188 milhões de usuários no mundo

Por Redação

26 de junho de 2019 : 13h58

Hoje foi publicado o relatório da ONU sobre consumo e produção de entorpecentes. Eu separei um texto do DW e uns gráficos.

No DW

Produção global de cocaína alcança novo recorde, diz ONU

Segundo relatório, produção de cocaína aumentou 50% em uma década, sendo 70% provenientes da Colômbia. Opioides são as drogas que mais causam mortes mundo afora, e maconha é a mais popular.

Segundo a ONU, em 2017, a quantidade de cocaína apreendida aumentou 13% em relação ao ano anterior

A produção global de cocaína foi recorde em 2017, chegando a 1.976 toneladas, o que significa um aumento de 25% em relação ao ano anterior e de 50% em uma década, aponta o Relatório Mundial da ONU sobre Drogas, divulgado nesta terça-feira (26/06).

O aumento ocorreu apesar dos esforços na Colômbia – país responsável por 70% da produção da droga – para afastar as comunidades rurais do plantio de coca através da substituição por outras culturas.

De 2007 para 2017, a quantidade da droga apreendida no mundo todo aumentou 74%. Somente em 2017, 1.275 toneladas de cocaína foram apreendidas pelas autoridades, 13% a mais que ano anterior.

“Isso sugere que os esforços dos agentes de segurança se tornaram mais eficientes e que o reforço da cooperação internacional pode estar contribuindo para o aumento nos índices de interceptação”, diz o documento. Quase 90% das apreensões ocorreram no continente americano, sendo que 38% apenas na Colômbia.

A produção da droga chegou a diminuir em algumas regiões colombianas após o acordo de paz entre o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em 2016, quando os produtores receberam incentivos para substituírem o cultivo de coca. Mas, segundo o relatório, desde então, surgiram novas plantações administradas por grupos criminosos que ocuparam áreas anteriormente dominadas pelos rebeldes.

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) avalia que o aumento das apreensões é uma indicação de que “a quantidade de cocaína disponível para o consumo aumentou mais lentamente do que a produção”. “Enquanto as apreensões de cocaína aumentaram 74% na última década, a produção cresceu 50%”, ressalta o relatório.

Segundo o UNODC, as mortes vinculadas ao consumo de drogas em todo o mundo subiram para 585 mil em 2017, superando as 450 mil registradas em 2015. O aumento, porém, se deve também a uma melhora na avaliação global, após países como Índia e Nigéria também passarem a contribuir com o fornecimento de dados para pesquisa.

Em 2017, 271 milhões de pessoas com idade entre 15 e 64 anos – ou seja, 5,5% da população mundial nessa faixa etária – consumiram drogas. O número é parecido com o do ano anterior, mas é 30% maior se comparado aos dados de 2009.

Com a inclusão dos dados da Nigéria e da Índia, o número de pessoas com dependência química grave passou de 30,5 para 35 milhões de pessoas.

Com 188 milhões de usuários, a maconha é a droga mais popular em todo o mundo. As mais letais são os opiodes, responsáveis por dois terços das mortes associadas ao uso de drogas.

A “epidemia” dos opioides

A crise de opioides nos Estados Unidos e no Canadá foi destaque no relatório. Estimativas indicam que, em 2017, 4% de todos os americanos adultos consumiram ao menos uma vez alguma tipo de opioide, como, por exemplo, analgésicos sintéticos como o fentanil, que chegam a ser 50 vezes mais fortes do que a heroína.

Das 70.237 mortes por overdose registradas nos EUA em 2017, 47,6 mil foram por causa dos opioides, ou seja, números 13% superiores aos do ano anterior.

Angela Me, chefe do Departamento de Estatísticas e Pesquisas do UNODC e autora do relatório, afirma que a overdose de droga na América do Norte já alcançou “dimensões de epidemia”, e alertou que existem indícios de um aumento do consumo do fentanil na Europa.

A produção de ópio também alcançou novos recordes, sendo que o maior produtor da droga do mundo é o Afeganistão, com 568 toneladas em 2017, seguido do México e de Myanmar.

O UNODC afirma ser difícil fazer estimativas sobre as drogas sintéticas, as mais consumidas na Ásia, mas avalia que o aumento das apreensões e a diminuição dos preços indicam que há um mercado em contínua expansão.

O relatório alerta para uma nova epidemia invisível de opioides na África, causada por um analgésico chamado tramadol, que, apesar de pouco conhecido, requer ações urgentes. O mercado dessas drogas aumenta rapidamente, não apenas na África Ocidental e Central, mas também no Oriente Médio.

A ONU alerta para o fracasso dos métodos de prevenção e tratamento em muitas partes do mundo. Apenas uma em cada sete pessoas com dependência química grave está atualmente em tratamento, afirma a instituição.

RC/efe/dpa/afp

Acesse o relatório na íntegra em: https://wdr.unodc.org/wdr2019/

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marcos

26 de junho de 2019 às 18h02

“agora até os militares estão fazendo comercio internacional “. Agora ? O sujeito trafica desde que trabalhava para Dilma, mas o militonto só descobriu isso agora.

Responder

Paulo

26 de junho de 2019 às 17h50

Eu, sinceramente, não sei por que a maconha é tão popular. Experimentei somente uma vez, no embalo, aos 17/18 anos, e aquilo me inchou a cabeça de uma tal maneira que nunca mais fiz uso. Bendito seja o cara que vendeu aquela maconha estercada, rsrs!

Responder

Paulo Lima

26 de junho de 2019 às 14h38

Esses números estão certamente subestimados..
Também se referem ao uso contínuo , acredito que cerca de 30% da humanidade já fumou maconha em algum momento da vida.
Quanto aos números sobre produção , eles também não podem ser confirmados , acredito que são muito maiores.
As mortes continuam insignificantes comparadas ás mortes causadas pelo álcool , tabaco e medicamentos controlados.

Responder

chichano goncalvez

26 de junho de 2019 às 14h13

Temos que cuidar é nas escolas, pra que nenhum tipo de droga e nem armamento( como quer o bolso merda), entre , quanto ao resto é só liberar, que melhora e faz concorrencia com o trafego, agora até os militares estão fazendo comercio internacional com drogas, exemplo agora na España.

Responder

Deixe uma resposta

x