Fórum Reforma Tributária BandNews

65% das famílias brasileiras estão endividadas

Por Redação

04 de outubro de 2019 : 16h21

No CNC

Endividamento das famílias cresce pelo nono mês consecutivo

Peic: 65,1% das famílias relataram ter dívidas, contra 64,8% em agosto e 60,7% em setembro do ano passado

03/10/2019

O número de endividados aumentou em setembro, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) apontou a nona alta seguida do indicador que mede o endividamento dos brasileiros: 65,1% das famílias relataram ter dívidas, contra 64,8% em agosto e 60,7% em setembro do ano passado. Foi o maior resultado dede julho de 2013 e o terceiro maior patamar da série histórica.

Os indicadores de inadimplência acompanharam a alta do endividamento. O percentual de famílias com contas ou dívidas em atraso passou a 24,5% em setembro contra 24,3% em agosto. Também houve aumento em relação a setembro de 2018 (23,8%). Na faixa de menor renda, o percentual cresceu de 27,4% em agosto para 27,6% em setembro. Em contrapartida, no grupo com renda superior a dez salários mínimos, o número de inadimplentes caiu em setembro (10,8%) em relação a agosto (10,9%).

O percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso, por isso permaneceriam inadimplentes, aumentou na comparação mensal (9,6% em setembro contra 9,5% em agosto), mas recuou na comparação com setembro do ano anterior (9,9%).

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, destaca que, apesar do aumento nos atrasos, as famílias brasileiras se mostraram, na comparação anual, mais otimistas em relação à capacidade de pagamento: “A perspectiva de renda extra com os recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) ajuda a explicar esse resultado”.

O percentual de famílias que se declarou muito endividadas ficou estável, assim como a parcela média da renda comprometida com dívidas. Entre os que disseram ter dívidas, o grupo que mais apresentou aumento foi aquele que se considera pouco endividado, passando de 23,5% para 28% do total, na comparação com o mesmo período de 2018.

Cartão de crédito

Entre as modalidades de dívidas das famílias brasileiras estão itens como: cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestações de carro e cartão de crédito. Este último, inclusive, ficou em primeiro lugar como um dos principais tipos de dívida, sendo apontado por 79,5% das famílias endividadas, seguido por carnês (15,5%) e financiamento de carro (9,7%).

“Entre as famílias com faixa salarial mais baixa (até dez salários mínimos), o cartão de crédito chega a 80% dos apontamentos”, ressalta a economista da CNC Marianne Hanson.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Abbey

05 de outubro de 2019 às 22h56

Hey there,

Interested in hiring influencers to promote your company?

You are welcomed to sign up with the leading global influencer agency that connects companies with Instagram influencers proven to attract paying traffic, increased brand exposure and loyal customers.

This agency offers exclusive access to dozens of influencers in different niches that you can collaborate with for shoutouts to market your business and watch them turn your brand into a talking point.

You will gain full access to a directory of authorized influencers and advanced analytic tools to inspect influencer engagement & performance. Membership to our unique influencer platform costs only $49 per month. You can leave at any time!

Would you like to sign up?

Find out more: https://t7k7.convertmail.xyz/o/yq2FqV8e

Sincerely yours,

Dick

Unsubscribe here: https://t7k7.convertmail.xyz/link/u/yq2FqV8e

Responder

marcos

05 de outubro de 2019 às 19h53

muitas familias estao endividadas mas por quantias ridiculas. a quantidade de dividas como % do pib é uma das menores do mundo.
estudem economia!
essa historia das divida é demagogia otaria de direita. e se os bancos concedem credito é problema deles, mas nao me parece que os bancos estao chorando.

Responder

Paulo

04 de outubro de 2019 às 19h53

Nos EUA, aparentemente, é a mesma coisa – ou quase, lá são 40% de endividados, principalmente estudantes, que já começam a vida profissional enrascados. Diz-se que muitas pessoas com mais de 50 anos ainda têm dívidas contraídas para custear os estudos. A economia americana parece ser eminentemente especulativa e parte da prosperidade talvez se deva a isso. Como isso possa funcionar ao longo do tempo é algo que eu não compreendo bem…assim como se costuma dizer que as crises, no capitalismo, são cíclicas, acho que a economia americana pode passar por uma nova crise do tipo que ocorreu em 2008 – embora, naquela ocasião, o problema principal tenha sido o crédito imobiliário…

Responder

    Andressa

    04 de outubro de 2019 às 20h35

    Os EUA sào o paìs mais endividado do mundo.

    Responder

Evandro Garcia

04 de outubro de 2019 às 18h15

Quero ver como a economia pode ir para frente com uma catástrofe dessa.

Viva la Revolucion !! Kkkk

Responder

Andressa

04 de outubro de 2019 às 16h39

Quem dizia que pobre deve ter acesso ao crédito…?

Quem dizia que tirou 5 trilhões de pobres da miséria com um cartão de crédito…?

Quem diz que tem a fórmula mágica para tirar todo mundo do SPC…?

Kkkkkk…Asnos !!

Responder

    marcos

    05 de outubro de 2019 às 19h49

    formaçao de capital fixo quintuplicada, salario real dobrado. isto tirou milhoes da pobreza na era PT, sua asna. estude economia, otaria de direita.

    Responder

Deixe uma resposta