Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Taxa de sindicalização no Brasil cai para 12%, menor da história

Por Redação

18 de dezembro de 2019 : 15h43

Taxa de sindicalização cai para 12,5% em 2018 e atinge menor nível em sete anos

Editoria: Estatísticas Sociais | Umberlândia Cabral | Arte: Brisa Gil

18/12/2019 10h00 | Última Atualização: 18/12/2019 10h36

Agência IBGE — A quantidade de trabalhadores sindicalizados atingiu o menor patamar dos últimos sete anos. Dos 92,3 milhões de pessoas ocupadas em 2018 no país, 11,5 milhões estavam associadas a sindicatos. A taxa de sindicalização ficou em 12,5%, a menor desde 2012, quando atingiu 16,1%, de acordo com a Pesquisa Nacional de Domicílios (PNAD Contínua), divulgada hoje (18) pelo IBGE.

O estudo mostrou que a recuperação da população ocupada, com crescimento de 1,4% em 2018, não foi acompanhada do crescimento no número de sindicalizados. O movimento foi oposto, com redução de 11,9% dos sindicalizados de 2017 para 2018, representando 1,5 milhão de pessoas a menos e a queda mais intensa desde o início da série.

A pesquisa também analisou o número de pessoas sindicalizadas em relação ao grupamento por atividades. Nove das dez categorias apresentaram a menor taxa de sindicalização desde 2012.

O setor de Transporte, armazenagem e correio teve a maior perda, indo de 17,5%, em 2017, para 13,5%, em 2018. Outra atividade que apresentou queda de sindicalização foi o de Alojamento e Alimentação, de 6,8% para 5,7% em um ano.

“São as duas atividades que mais geraram ocupação: a de transporte por causa dos aplicativos e a de alimentação pelo fenômeno dos ambulantes de comida, como o pessoal que vende quentinha. As duas atividades cresceram com trabalhadores mais precarizados, normalmente sem carteira de trabalho ou por conta própria, que são trabalhadores que de fato não têm mobilização sindical”, explicou a pesquisadora do IBGE Adriana Beringuy.

“Então a queda de sindicalização nessas duas atividades, principalmente no caso dos transportes, pode estar associada a um processo de precarização dos trabalhadores nessas atividades”, completou.

Outro grupamento de atividades em que o número de trabalhadores associados a sindicatos diminuiu foi o de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, passando de 21,1%, em 2017, para 19,1%, em 2018. “A agricultura está empregando cada vez menos em função da mecanização e das pessoas que estão saindo da zona rural e isso tem refletido na taxa de sindicalização dessa atividade”, comentou Beringuy.

Já a indústria geral, grupamento de atividades tradicionalmente sindicalizado, diminuiu de 17,1% para 15,2% em um ano. “A gente não sabe até que ponto a precarização também está atingindo a Indústria, que sempre gerou trabalhos com carteira assinada. Então a diminuição da taxa de sindicalização pode ser por causa da perda de ocupação em si”, afirma a pesquisadora.

Sindicalização ainda é maior no setor público

A associação a sindicato também variou de acordo com a posição na ocupação e categoria do emprego. Apesar de 12% da população ocupada em 2018 ser de empregados no setor privado sem carteira assinada, essa categoria apresentou uma das menores estimativas de sindicalização (4,5%). Já os empregados no setor público registraram a maior (25,7%), embora também representem 12% da população ocupada. A taxa de sindicalização no setor público também diminuiu, de 27,3%, em 2017, para 25,7%, em 2018.

“No setor público temos trabalhadores mais escolarizados, e a sindicalização tende a crescer com o aumento da escolaridade. Outra questão é que esse setor tem os segmentos da saúde e da educação. Então são somados aqui os sindicatos de professores e médicos, que são categorias que têm bastante mobilização sindical”, explicou Beringuy.

Documentos

Para efeito de comparação, pesquisei no banco de dados da OCDE a taxa de sindicalização de alguns países membros da organização:

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Andressa

19 de dezembro de 2019 às 14h23

Eu pago qualquer valor para ver um esquerdista que fala de direitos dos trabalhadores a cada 2 minutos abrir uma empresa e entupir os proprios funcionarios de direitos (que direitos…?) e pagar o dobro que ganhariam em outras empresas fazendo a mesma funçao.

Alguem se ofereçe…bora ?

Responder

Andressa

18 de dezembro de 2019 às 16h05

Acabaram de sugar dinheiro dos trabalhadores.

Responder

    Andrea

    19 de dezembro de 2019 às 00h06

    Quem realmente suga bilhões dos trabalhadores, vai poder sugar cada vez mais e com maior liberdade, já que a força de trabalho está cada vez mais desorganizada e desmobilizada. Temos cada vez menos direitos e mais deveres, com trabalho mais precarizados.. Basta ver a renda cada vez mais concentrada em todos os lugares do planeta.

    Responder

      Bruno

      19 de dezembro de 2019 às 02h22

      Andrea, faltou citar os diretores dos sindicatos ruins que só querem arrecadar. Tem casos que é melhor o sindicalizado sair e voltar para votar na próxima gestão.

      Responder

        Alan C

        19 de dezembro de 2019 às 12h13

        Que a grande maioria dos sindicatos era apenas uma máquina de fazer dinheiro com pouco ou nenhum benefício para os trabalhadores, isso é certo. Eu e minha esposa mesmo fomos vítimas desse tipo de sindicato que são 100% pró-patrão.

        Por outro lado, sem sindicatos decentes e honestos (há poucos, mas há) o caminho está ainda mais aberto para a exploração do trabalhador. O governo ajudou nessa parte com a tal reforma trabalhista anti-trabalhador que culminou com o caminho livre para os mega empresários reduzirem salários, colocarem jornadas de trabalho escravizantes, piores condições de trabalho e pouquíssimos direitos.

        E o bolsominion heim, o que dizer?? rsrsrs…. Um ser com a ideologia política mais tosca do planeta. Se uma estatal está sendo roubada, vende-se a estatal para evitar que seja roubada novamente kkkk, só o bolsominion cérebro de esterco mesmo! rsrsrs

        Então se a casa do bolsominion der problema de infiltração ele vende a casa, assim não vai ter mais problema de infiltração!!! kkkkkkkk

        São só animais lobotomizados rs

        Responder

          Salomao

          19 de dezembro de 2019 às 14h19

          Acho que voce nao entendeu muito bem o motivo das eventuais privatizaçoes e o que significa privatizar, involuntariamente simplificou conforme onde sua cabeça chega…Kkkkk

          Wellington

          19 de dezembro de 2019 às 14h29

          “…sem o chavismo a situacao da Venezuela seria ainda pior” e “..sem a reforma do trabalho a situacao do Brasil seria ainda pior…” ?!?

          100% ideologia….? Kkkkkk

      Andressa

      19 de dezembro de 2019 às 05h38

      Deve ser pelo ótimo trabalho dos sindicatos…

      Responder

Deixe um comentário