Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Maia diz que CPMF não passa na Câmara e fala sobre o caso Flavio Bolsonaro

Por Redação

19 de dezembro de 2019 : 14h09

Para Maia, novo tributo em discussão no governo equivale à CPMF e não vai passar

“Esse é um imposto regressivo que atinge mais os cidadãos simples. A justificativa que é para evitar sonegação não é verdadeira”, disse Maia

19/12/2019 – 11:45

Agência Câmara — O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira (19) que não há espaço para aprovação de um novo imposto sobre movimentação financeira. Ontem, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o governo analisa a possibilidade de tributar transações digitais, o que poderia incluir transferências e pagamentos feitos por meio de aplicativos de bancos, por exemplo. Segundo o presidente, trata-se de uma nova CPMF com outro nome e esse tipo de imposto atinge o cidadão mais simples.

“Esse é um imposto regressivo que atinge mais os cidadãos simples. A justificativa que é para evitar sonegação não é verdadeira. As transações serão cada vez mais digitais e cada vez mais se dificulta a sonegação, independente de uma nova tributação. E essa tributação exporta imposto e gera menos competitividade para o setor produtivo brasileiro”, ponderou o presidente.

“Não posso ter ficado contra a CPMF no governo do PT, e o governo no qual a agenda economia é mais convergente com a que eu penso , defender a CPMF; seria uma incoerência”, disse.

Maia concedeu entrevista coletiva após café da manhã com jornalistas que cobrem o Congresso para um balanço de final de ano.

Fundo eleitoral

Em relação às declarações do presidente Jair Bolsonaro de vetar o fundo eleitoral de R$ 2 bilhões, Maia afirmou que é direito do presidente de vetar e do Congresso de derrubar ou manter o veto. Ele ponderou que o Parlamento aprovou o valor do aumento do fundo proposto pelo Executivo.

“O que parece é que ele está olhando uma parte da sociedade que tem críticas ao fundo eleitoral. Agora, imagina se o parlamento começa a falar para uma parte da sociedade: vamos fazer uma política de salário mínimo, com 5% de aumento real, vamos ser aplaudidos por grande parte, mas vamos obrigar o presidente a vetar porque não tem amparo no Orçamento público”, disse Maia.

Maia destacou que o financiamento público eleitoral ainda é um tema muito sensível na sociedade, mas ressaltou que a obrigação do Parlamento é construir uma narrativa que mostre a importância de financiar a democracia e aprimorar o modelo de financiamento.

“Uma parte do financiamento público pode tirar a pressão do setor privado dentro da política, agora a gente precisa estar sempre pensando qual o melhor modelo, se a retomar a pessoa jurídica com limitações, com limitação da pessoa física”, exemplificou.

Flávio Bolsonaro

Questionado pela imprensa se as investigações que envolvem o senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente, podem prejudicar a articulação do governo no parlamento, Maia disse que não influencia nas relações entre os Poderes.

“Isso não influencia a relação do Parlamento com o Executivo nem o Parlamento utilizaria disso para pressionar o poder Executivo, de forma nenhuma, o Flávio tem uma boa relação com a Câmara, e um bom diálogo. Confiamos no bom trabalho dele na articulação”, destacou Rodrigo Maia.

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Wilson Silveira

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

19 de dezembro de 2019 às 19h03

RS 2 bilhões seriam até pouco, se os parlamentares fossem honestos e independentes. Mas, como não são, é só mais uma grana que escorrerá pelo ralo, sem benefício algum ao interesse público. S. Exa(s) continuarão a ser cooptados e coonestados pelos empresários e grupos de interesses para votarem de acordo com estes interesses particulares…

Responder

Wellington

19 de dezembro de 2019 às 18h52

Botafogo…o novo candidato da esquerda !! Kkkkk

Responder

brasileiro

19 de dezembro de 2019 às 14h33

CPMF é imposto regressivo? Creio que não. Além de ser progressivo, ele ainda dificulta sonegação de impostos. A elite caga de medo disso.

Responder

Deixe um comentário