Ato em defesa da imprensa

Demanda de máquinas e equipamentos cresce 7,7% em 2019

Por Redação

11 de fevereiro de 2020 : 19h13

Os números da demanda por bens industriais (que medem o dinamismo das indústrias nacionais) divulgados pelo IPEA hoje são negativos, de maneira geral. Houve queda no consumo aparente no acumulado do ano de 0,2%, com ênfase nos bens nacionais, cuja demanda caiu 1%.

Alguns setores importantes, no entanto, registraram números positivos em 2019, como o de máquinas e equipamentos, cujo consumo de bens industriais cresceu 7,7% em 2019.  Houve alta também nos setores de aparelhos elétricos (2,9%), metalurgia (2,6%) e veículos (2,5%).

Os níveis de demanda, todavia, ainda estão muito abaixo daqueles registrados em 2012 e 2013.

O Brasil ainda precisa crescer um bocado para voltar à 2012…

No Ipea

Indicador Ipea registra queda de 4,9% na demanda por bens industriais em dezembro de 2019


11/02/2020 10:09

Ano termina com recuo de 0,2% no indicador, resultado superior ao da produção industrial

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulga mensalmente o Indicador de Consumo Aparente de Bens Industriais, que mede a produção industrial interna não exportada, acrescida das importações. Os dados apresentados nesta terça-feira (11/02) mostram que, em dezembro, houve recuo de 4,9% na demanda por bens industriais, em relação a novembro. Com isso, o quarto trimestre de 2019 terminou com retração de 1,6%, enquanto o acumulado em doze meses encerrados em dezembro registrou ligeira queda de 0,2%, desempenho superior ao da produção industrial (-1,1%), medida pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física, do IBGE.

Ambos os componentes do consumo aparente tiveram desempenho negativo: a demanda por bens nacionais recuou 4% frente a novembro, e as importações de bens industriais caíram 6,2%. Já em relação ao mesmo período do ano anterior, embora os componentes também tenham apresentado queda, o quatro trimestre de 2019 encerrou-se com um resultado 1,6% superior.

Nas grandes categorias econômicas, o fraco desempenho foi disseminado entre os segmentos de bens de capital (-6,8%), bens intermediários (-0,3%) e bens de consumo (-1,4%). Na comparação com dezembro de 2018, o único resultado negativo foi o de bens de capital (-1,7%). A maior alta foi do segmento de bens duráveis (7,7%).

Com relação às classes de produção, enquanto o consumo aparente de bens da indústria de transformação caiu 1,3%, a extrativa mineral teve retração de 20,1% em dezembro (frente a novembro). Treze dos 22 segmentos da indústria de transformação avançaram, com destaque para “artigos de vestuário e acessórios”, com alta de 39,3%, e para o segmento alimentos, com queda de 4,2%. No acumulado em doze meses, doze segmentos apresentaram variação positiva em 2019, com destaque para máquinas e equipamentos (7,7%), aparelhos elétricos (2,9%), metalurgia (2,6%) e veículos (2,5%).

Para o autor do estudo e pesquisador do Ipea, Leonardo Mello, embora os resultados em dezembro tenham mostrado mais uma flutuação negativa, a demanda por bens industriais encerrou o ano registrando um desempenho superior àquele observado na produção interna. “Parte desse resultado foi explicado pelo crescimento de 3,4% das importações de bens industriais em 2019. Além disso, enquanto a indústria de transformação encerrou o ano com alta de 0,6%, as indústrias extrativas exerceram influência negativa, recuando 4,8%”, afirmou.

Acesse a íntegra do indicador

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alan C

12 de fevereiro de 2020 às 10h47

Mais um título lindo, quando vamos ler, não é bem assim….

Cafezinho tá parecendo o anta-agonista.

Responder

    Redação

    12 de fevereiro de 2020 às 11h22

    Alan, o título destaca um ponto positivo. Essa estratégia de achar que será possível derrotar o governo Bolsonaro com táticas de crianças de seis anos, apenas dando manchetes negativas, não vai levar a lugar nenhum. Para furar a bolha, é preciso mostrar ao internauta que o objetivo do blog não é ser um instrumento político para “derrotar” o governo, e sim contribuir para um debate honesto e franco sobre todos os temas importantes. Houve crescimento na demanda de máquinas e equipamentos. Isso é bom. Em meio à catástrofe industrial que vivemos, quis destacar que ainda há setores respirando.

    Responder

      Alan C

      12 de fevereiro de 2020 às 12h21

      Miguel, se vc submetesse alguns dos seus últimos textos a uma banca do ENEM, vc provavelmente perderia pontos devido ao seu texto não estar em consonância com o título, só isso.
      Acho ÓTIMO que vc mostre o lado A e o lado B, foi isso que me fez te seguir neste blog, mas ultimamente isso tem se perdido, e por favor, considere isso uma crítica de quem (ainda) gosta do teu trabalho.

      Responder

Abdel Romenia

11 de fevereiro de 2020 às 19h18

Nào vale nem mais a pena comentar esses graficos inuteis.

Responder

Deixe uma resposta