Coletiva de Rodrigo Maia (ao vivo) sobre medidas contra a crise

Resultados da Petrobras são inflados por venda de patrimônio

Por Miguel do Rosário

20 de fevereiro de 2020 : 03h38

Os  resultados da Petrobras em 2019 são um falso positivo.

A receita de vendas caiu 2,58%, de R$ 310,25 bilhões em 2018 para 302,24 bi em 2019.

A dívida bruta subiu 3,27%, para US$ 87,12 bilhões.

A dívida líquida subiu 14%, para US$ 78,8 bilhões.

O lucro líquido recorrente ficou estagnado, com oscilação positiva medíocre de 0,51%, apesar do aumento na produção.

A importação de gasolina cresceu 47%, e a de diesel, 19%, o que mostra o desmonte da estrutura de refino no país.

Quando se analisa a receita líquida, a importância das refinarias para a Petrobras fica bem clara. Em 2019, as vendas de diesel renderam R$ 91 bilhões a Petrobras, ou 30% da receita líquida total da estatal. As vendas de gasolina, por sua vez, renderam R$ 38,7 bilhões à Petrobras em 2019. Somando diesel e gasolina, os dois renderam R$ 143 bilhões em 2019, ou 43% do total da receita líquida da Petrobras no ano.

Por aí vocês podem ver como a privatização das refinarias pode afetar a capacidade da Petrobras de gerar faturamento para si mesma. No momento em que o preço do petróleo passar por nova baixa, a estatal poderá experimentar um brutal desfinanciamento.

O volume de produção de diesel pela Petrobras caiu 2,4% em 2019, ao passo que o de gasolina ficou estagnado.

A única razão pela qual os lucros aumentaram em 2019 foi porque a Petrobras vendeu uma série de ativos importantes, como a TAG, uma de suas subsidiárias mais estratégicas, de transporte de petróleo, além da entrega de campos de petróleo a empresas de outros países.

Festejar lucros obtidos com venda de patrimônio lucrativo, é como um produtor de aço gabar-se de que o faturamento de sua empresa cresceu após vender seus fornos de fundição. São lucros não-recorrentes, que não irão se repetir, e, no ano seguinte, a empresa não contará com aqueles ativos que antes lhe davam lucro.

A Petrobrás depende cada vez mais exclusivamente da venda de óleo cru ao exterior.

Enquanto isso, o investimento em “pesquisa com desenvolvimento tecnológico”, a parte mais estratégica de qualquer grande empresa de energia, caiu 3,3% em 2019.

Quanto ao volume de produção, houve queda na oferta de diesel e estagnação no mercado de gasolina (as importações desses dois combustíveis tem crescido dramaticamente)

Abaixo, alguns quadros sobre os empregados da Petrobras. No primeiro, é até impressionante o alto nível de instrução da maioria dos empregados da empresa.

No segundo quadro, uma relação dos empregados pelas diferentes regiões. Houve uma redução no número de empregados, incluindo aqueles que trabalhavam no exterior, de 63.361 para 57.983, uma queda de 3,7 mil empregados.

Abaixo, duas tabelas. Hoje temos 9,6 bilhões de barris de óleo equivalente (boe), em 31 de dez, em reservas.

A exportação de petróleo está muito concentrada em poucos destinos. 71% das exportações do produto são destinadas para a China, no caso do petróleo cru; e 39% para Singapura, no caso dos derivados.

  

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Danilo

23 de fevereiro de 2020 às 06h49

Na realidade, esse governo entreguista não está mais preocupado se a Petrobrás será ou não vendida. Essa venda causa muito desgaste político. Os lucros pessoais e as comissões maiores estão sendo ofertadas em troca dos ativos e dos mercados (refino, distribuição, transporte, etc) da empresa.

Responder

Alan C

20 de fevereiro de 2020 às 12h08

Nenhuma novidade!

Não é de hoje que eu falo isso neste blog.

Com este cenário a Petrobrás de hoje será a Embraer amanhã.

Brasil será, na América Latina, um Porto Rico, mas sem direito à cidadania, povo imbecilizado que se deixa golpear tão facilmente não tem direito a nada.

Responder

putin

20 de fevereiro de 2020 às 12h01

mas os fascistas nao diziam que o refino da petrobras dá perdas (entao se deve parar/vender)?
kkkkk!
precisa fazer uma FEROZ lei contra fake news para botar na cadeia estes infames!

Responder

Marcio

20 de fevereiro de 2020 às 08h41

Lamento mas as ações da Petrobrás subiram fortemente esta manhã.

Responder

    Redação

    20 de fevereiro de 2020 às 15h06

    Ótimo, mas o que tem isso se as importações de gasolina cresceram mais de 40% em 2019? a petrobras é corretora de mercado financeiro ou uma petroleira a serviço do país?

    Responder

      Márcio

      20 de fevereiro de 2020 às 17h16

      Perdão redação, não me expressei corretamente. O que eu quis dizer é que, apesar de toda as tentativas de depreciar a BR para alcançar um álibi para a privatização, a empresa é forte e resiste, o aumento das suas ações é uma prova disso.

      Responder

        Redação

        20 de fevereiro de 2020 às 18h37

        Ah tá.

        Responder

    putin

    21 de fevereiro de 2020 às 16h05

    hoje ta perdendo -2.5%

    Responder

Deixe uma resposta