Live do Cafezinho (18 h): Pós-verdade na política brasileira (uma conversa com Fabio Palacio)

O ex-deputado federal Nelson Meurer, preso na operação lava-jato. Foto: Rodolfo Bührer / Gazeta do Povo.

Ex-deputado que teve domiciliar negada morre preso

Por Redação

13 de julho de 2020 : 21h41

Nelson Meurer (PP-PR), ex-deputado federal, morreu na prisão no último domingo (12) após contrair Covid-19.

Meurer, o primeiro condenado pelo STF na lava jato, também tinha hipertensão, diabetes e tinha passado por cirurgia de ponte de safena, segundo seus advogados.

Meurer tinha 78 anos e seu estado frágil de saúde foi ressaltado em um pedido de prisão domiciliar apresentado em março pela defesa ao ministro Luiz Fachin, relator da ação pena 996.

Fachin negou o pedido em abril.

“Nada obstante o requerente esteja enquadrado em grupo considerado de maior vulnerabilidade em caso de contágio, constata-se que o Juízo da Vara de Execuções Penais de Francisco Beltrão informou a adoção de providências alinhadas à Recomendação n. 62/2020 do Conselho Nacional de Justiça, como a suspensão de visitas a sentenciados que se encontram na Penitenciária Estadual de Francisco Beltrão, a qual ‘não se encontra com ocupação superior à capacidade’, destacando, ainda, a existência de ‘equipe de saúde lotada no estabelecimento'”, escreveu o ministro na decisão.

Meurer estava preso na penitenciária estadual de Francisco Beltrão, no sudoeste do Paraná, cumprindo pena de 13 anos e 9 meses pelos crimes de corrupção e lavagem de dniheiro.

Entre os problemas de saúde apontados pela defesa ao Supremo, constavam cardiopatia grave com comprometimento coronariano, carotídeo, valvular aórtico, marca-passo artificial, disfunção isquêmica, diabetes insulinodependente, hiperplasia prostática benigna e insuficiência renal crônica não-dialítica.

Fachin entendeu que as medidas básicas de prevenção e a disponibilidade de atendimento primário na penitenciária paranaense eram suficientes para afastar a necessidade de concessão de domiciliar.

Além das negativas no bojo da Ação Penal, dois pedidos de Habeas Corpus foram negados pela ministra Rosa Weber, um em abril e outro em maio.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

carlos

15 de julho de 2020 às 09h20

Isso é mais um resultado de uns vendilhões da pátria, que no afã de ser nomeado ministro, é o famoso toma lá dá cá.

Responder

Alexandre Neres

14 de julho de 2020 às 12h45

Esta morte não ocorreu por acaso. A responsável por ela é a força-tarefa e o lavajatismo. Mataram o Reitor Cancellier da UFSC, que após se sentir humilhado, atentou contra a própria vida. Tal método repercutiu nas diversas instâncias do judiciário, inclusive no STF que se acoelhou. Somente agora está saindo do estado de letargia. Os omissos não serão perdoados, o princípio não é in dubio pro reu? Tem algum ministro que é da República de Curitiba? Como votou nesse caso? O ex-deputado tinha comorbidades, um estado debilitado. Não é por ser meu adversário político que gostaria que seus direitos fossem desrespeitados, trata-se de questão humanitária. Uma vida perdida de graça, era fácil poupá-la. Morreu por um falso moralismo assassino que está entranhado no lavajatismo.

Responder

Paulo

13 de julho de 2020 às 22h22

Que Deus o tenha! Apesar de todo o mal que praticou e ajudou a praticar, desviando recursos desesperadamente necessários do Estado em proveito pessoal…

Responder

Deixe uma resposta