Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Foto: reprodução.

Greve da polícia de Buenos Aires leva presidente a se reunir com governador da província

Por Redação

09 de setembro de 2020 : 19h54

Um setor da polícia de Buenos Aires, na Argentina, responsável pela província, está em greve.

Jornais locais afirmam que a categoria exige aumentos salariais.

Porém, mesmo com a demanda atendida, a paralisação não foi encerrada até o momento e os protestos vêm crescendo.

Na segunda-feira (07), policiais aglomerados cercaram a casa do governador da província de Buenos Aires, Axel Kicillof, onde ele estava com familiares.

Por toda a madrugada, os policiais permaneceram nos arredores da casa de Kicillof com as sirenes e giroflex ligados.

Como ocorreu em alguns estados do Brasil no início deste ano, os policiais amotinados fazem manifestações utilizando fardas e armas que utilizam no exercício da profissão.

Vaiado, o próprio chefe da polícia de Buenos Aires, Daniel García, fracassou ao tentar abrir diálogo com os policiais.

Desde então, a situação se agravou.

O presidente Alberto Fernández se reuniu com Axel Kicillof nesta quarta (09) para tratar da situação e procurar resolvê-la.

O chefe de Estado estaria avaliando gravar uma mensagem e transmití-la ainda nesta quarta-feira, convocando solidariedade ao governador e estabelecendo uma postura oficial diante do problema.

Ainda no mesmo dia, Fernández falou publicamente sobre o conflito pela primeira vez.

O presidente argentino disse que “os problemas não se resolvem às escondidas ou em viaturas tocando sirenes”.

Pouco antes do evento em que deu a declaração, ele tentou abrir um canal de negociação direta com os policiais amotinados. A tentativa fracassou.

Na madrugada, Darío Ruiz, viceministro da Segurança de Buenos Aires, também se reuniu com os líderes dos protestos. Pessoas presentes afirmaram que a reunião não foi boa.

A preocupação do Governo Federal aumentou devido aos protestos chegarem, no meio dia desta quarta, ao Quinta de Olivos, a residência oficial do presidente da República.

Abaixo, você pode assistir a fala do presidente argentino, em espanhol.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

10 de setembro de 2020 às 10h59

Os fardados se fortalecem com Bolsonaro. Há toda uma ideologia militarizante perpassando a América Latina. Assim como o Brasil foi precursor dos golpes militares na Região, em 1964, agora volta, aparentemente, a desempenhar de novo esse triste papel de liderança…

Responder

Josafá

10 de setembro de 2020 às 07h33

Chamem os Gomes e aluguem uma escavadeira que eles resolvem…kkkkk

Responder

Arthur Fonzarelli

10 de setembro de 2020 às 07h31

A Argentina é destinada a se tornar uma nova Venezuela e o Brásil infelizmente está prestes a perder definitivamente um parceiro comercial importante. RIP

Responder

Jurandir

09 de setembro de 2020 às 20h19

Procurem no Youtube os vídeos de Javier Milei e vejam porquê a Argentina está como está.

Responder

Deixe um comentário