Live do Cafezinho: o caso Samuel Borelli, quando a esquerda produz fake news

E$quema S: Juiz determina bloqueio de bens do advogado de Lula

Por Redação

21 de setembro de 2020 : 07h51

Neste sábado, 19, o juiz federal Marcelo Bretas, da sétima Vara Federal, tornou público o bloqueio de R$273 milhões do criminalista Cristiano Zanin Martins, advogado do ex-presidente Lula nas investigações contra o petista na Lava-Jato. 

Também foram bloqueados R$32,4 milhões de Roberto Teixeira, associado de Zanin, e mais R$237 mil do escritório de advocacia dos criminalistas.

A ordem foi despachada no dia 1° e tornada pública no último sábado, 19, após Bretas levantar o sigilo dos autos do documento. 

Zanin e Teixeira são investigados na Operação E$quema S por supostos desvios nas unidades fluminenses do Serviço Social do Comércio (Sesc-RJ), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac-RJ) e Federação do Comércio (Fecomércio-RJ). 

Segundo investigadores, o esquema teria como pano de fundo tráfico de influência nas decisões do Judiciário e no Tribunal de Contas da União (TCU) para favorecer o então presidente da Fecomércio, Orlando Diniz, também investigado na Lava-Jato.

“Prática que, em tese foi replicada pelos demais escritórios ora investigadores, formando um verdadeiro grupo criminoso voltado supostamente para o cometimento dos delitos de peculato, corrupção ativa, tráfico de influência e exploração de prestígio, tudo sob o manto do exercício da advocacia”, apontou Bretas.

Em nota, Zanin afirmou que as apreensões eram “fakes” e diz ser vítima de lawfare. 

“Para além do abuso de autoridade e do lawfare, trabalham com a mentira e a desinformação mesmo contra alguém que sempre atuou na iniciativa privada”

Em outro momento, Zanin também afirma que a decisão de Bretas é “uma clara tentativa de me enfraquecer em processos decisivos que estão sob a minha condução e que contestam a legalidade da própria Operação Lava Jato, em especial, aquele que trata da suspeição do ex-juiz Sérgio Moro”.

Na última quarta-feira, 16, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) entrou com uma representação no Supremo Tribunal Federal (STF) na tentativa de suspender os bloqueios ordenados por Bretas.


Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Francisco*

21 de setembro de 2020 às 12h41

Quando indiciado, entre outros advogados, sobre supostos desvios no Sistema S, no texto da primeira nota emitida por Zanin, destaca-se:

“O juiz Marcelo Bretas é notoriamente vinculado ao presidente Jair Bolsonaro e sua decisão no caso concreto está vinculada ao trabalho desenvolvido em favor de um delator assistido por advogados ligados ao Senador Flavio Bolsonaro. A situação fala por si só.”

E falava mesmo, tanto que o órgão especial do TRF-2 decidiu, quinta-feira passada, por 12 votos a 1, que o juiz responsável pelo julgamento dos processos da lava jato no Rio, não poderá “figurar em lista de promoção por merecimento pelo prazo de um ano”.
A pena disciplinar foi motivada pela participação do dito em eventos ao lado de Bolsonaro e de Crivella, fato passado em branco no Cafezinho, como também outro, na mesma quinta, a intimação do STF ao mesmo, para em 5 dias prestar informações sobre o processo instaurado contra advogados que participaram do litígio judicial entre as partes, as entidades privadas, FecomércioRJ e a CNC (Confederação Nacional do Comércio), relativo a prestação de serviços ao Sistema S.

Sem esquecer que, o Conselho Federal da OAB e o IGP – Instituto de Garantias Penais, se posicionaram contra essa operação manifestando que “houve uma tentativa de criminalizar a advocacia”.

Em reação aos mais que anunciados revezes da quinta-feira, em especial o relativo a explicação das escancaradas ‘falhas e ilações’ da operação, na sexta-feira levantaram às pressas o sigilo do processo, para que os órgãos oficiais associados e outros por interesses outros, repercutissem que também bloqueara ‘robustos’ valores dos intimados, com destaque a Zanin, por óbvio objetivo.

Mas não tem jeito, até quinta próxima as explicações deverão estar entregues ao STF e aí o encarregado lança-se ao trabalho de depenar o derradeiro candidato a herói substituto, em água fria, sem dó, sem pena e sem cafezinho.

Responder

Gustavo dos Santos Cintra Lima

21 de setembro de 2020 às 08h44

Você não tem vergonha de fazer essa propaganda lava jatista disfarçada!! SOLDADESCA MERCENÁRIA DO CIRISMO!! CRETINO!!

Responder

Deixe uma resposta