Live do Cafezinho: o caso Samuel Borelli, quando a esquerda produz fake news

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Foto: Najara Araujo / Câmara dos Deputados

Governo publica portaria sobre aborto em caso de estupro

Por Redação

24 de setembro de 2020 : 11h53

O Governo Federal editou nesta quinta-feira (24) uma portaria sobre o procedimento de justificação e autorização do aborto, em casos previstos em lei, no SUS.

A portaria é assinada pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e foi publicada no Diário Oficial da União.

O texto já está em vigor e substitui a portaria 2.282 de 27 de agosto sobre o mesmo tema envolvendo aborto em casos de estupro.

Segundo exige a nova publicação, a obrigatoriedade de os profissionais de saúde informarem o fato à polícia deixou de ser uma exigência; o texto ainda aponta para a necessidade de as autoridades serem informadas, contudo.

Também foi retirado do texto um trecho que definia que a equipe médica deveria informar à gestante acerca da possibilidade de visualização do feto ou embrião por meio de ultrassonografia.

O texto estabelece ainda que os profissionais de saúde deverão “preservar possíveis evidências materiais do crime de estupro a serem entregues imediatamente à autoridade policial, tais como fragmentos de embrião ou feto com vistas à realização de confrontos genéticos que poderão levar à identificação do respectivo autor do crime”.

Nas redes sociais, apoiadores mais influentes do presidente Jair Bolsonaro criticaram a nova portaria, exigindo processos mais rígidos às gestantes.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe uma resposta