Live do Cafezinho: o caso Samuel Borelli, quando a esquerda produz fake news

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, em evento do Lide em Campos do Jordão (SP) 05/04/2019 REUTERS/Amanda Perobelli

Na Câmara, Maia negocia demanda de Guedes e reforma tributária

Por Redação

25 de setembro de 2020 : 09h39

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vêm articulando com parlamentares da base governista um acordo para que seja aprovada a PEC-45 que trata da unificação do PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS.

A proposta foi elaborada pelo líder do MDB na Câmara, Baleia Rossi (SP) e relatada pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

Como contrapartida, o parlamentar não obstruiria a discussão sobre a criação da ‘nova CPMF’, proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, para compensar a perda de arrecadação causada pela desoneração da folha de pagamentos.

A estratégia é que Maia não abandone a retórica de ser contra o tributo, desde que nos bastidores aceite a inclusão e aprovação do novo tributo como uma emenda a reforma tributária.

O objetivo dessa costura é que Maia abra o caminho, embora já tenha afirmado diversas vezes que a CPMF é ruim para a economia por gerar efeito cascata.

Além de Maia, o ministro da Economia, Paulo Guedes, também vêm articulando com os parlamentares do Centrão a aprovação do tributo em transações digitais como forma de custear os encargos que serão retirados da folha de pagamentos.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe uma resposta