Live do Cafezinho: o caso Samuel Borelli, quando a esquerda produz fake news

Sem migração de votos, disputa em Fortaleza será cravada pelos indecisos

Por Gabriel Barbosa

18 de outubro de 2020 : 16h52

A pesquisa divulgada neste sábado, 15, pelo Datafolha em parceria com o Jornal O Povo mostrou a consolidação das três principais candidaturas a Prefeitura de Fortaleza.

Na pesquisa espontânea, Capitão Wagner (Pros) foi mencionado por 20% dos eleitores, seguido por Luizianne Lins (PT) com 13% e Sarto Nogueira (PDT), com 9%. Os três postulantes são, a preço de hoje, os mais consolidados na disputa e com plenas condições de chegar ao segundo turno.

Fonte: Datafolha / Jornal O Povo

Além disso, os índices revelam a base eleitoral de cada um dos três, os chamados votos de partida ou votos convictos, sem a possibilidade de migração para outras candidaturas.

Contudo, o número de indecisos na pesquisa espontânea representa 35% dos entrevistados, um índice considerável que revela o poder dessa fatia do eleitorado nos momentos finais da campanha.

Sendo assim, Wagner, Luizianne e Sarto necessitam ter muito jogo de cintura para engajar suas candidaturas com esse universo de eleitores.

Já na pesquisa do Ibope divulgada na última quarta-feira, 14, em parceria com a TV Verdes Mares, também mostrou que as três candidaturas estão consolidadas nas três faixas de renda na capital cearense, em especial a de Sarto Nogueira (PDT) e Capitão Wagner (Pros).

Fonte: Ibope

Um detalhe interessante na pesquisa do Ibope é que o atual prefeito Roberto Cláudio (PDT) é majoritariamente reprovado pelos eleitores que mostraram preferência por Wagner (39%) e aceito parcialmente por eleitores de Luizianne (23%). Já entre os eleitores de Sarto (PDT), a gestão de RC é reprovado por apenas 6% e bem avaliada por 23%.

Nas duas pesquisas divulgadas nesta semana, Ibope e Datafolha, RC apresentou índices elevados de aprovação, 66% e 53%, respectivamente.

Outro fator relevante que deve ser decisivo na disputa é o apoio declarado do governador Camilo Santana (PT) que segundo o Ibope, é bem avaliado por 56% dos fortalezenses.

Até o momento, o petista não declarou oficialmente apoio as candidaturas de Sarto ou Luizianne. Porém, Camilo deixou suas digitais na candidatura do pedetista, indicando Élcio Batista para vice e o seu pai, Eudoro Santana, como coordenador de campanha. Além disso, o governador já afirmou que mantém uma parceria política com o PDT.

No quesito rejeição, a candidatura de Luizianne Lins (PT) é a campeã em todos os segmentos analisados, seguido por Capitão Wagner (Pros). Sarto Nogueira (PDT) manteve níveis equilibrados de rejeição, menos de 20% em quase todos os segmentos.

Fonte: Ibope

Nesse ponto, a candidatura de Sarto (PDT) têm a vantagem de converter esses números de rejeição em votos reais para sua candidatura.

Em 28 dias de campanha, um bom plano de marketing, propostas e a proximidade com o eleitor, em especial da periferia, farão toda a diferença.

Das três candidaturas, a chapa formada por Sarto (PDT) e Élcio (PSB) têm o maior número de candidatos a vereador e de partidos coligados (PP-PDT-PTB-REDE-PL-DEM-PSB-PSDB-PSD-CIDADANIA).

Tradicionalmente em Fortaleza, essas candidaturas para a Câmara Municipal funcionam como puxadores de voto para o candidato da situação.

Juízo final

Um ponto a se considerar em ambos os levantamentos é que os eleitores da capital cearense devem eleger o candidato que melhor atender as necessidades da população a partir de Janeiro de 2021, quando o país começará a sentir os efeitos da crise econômica e social causada pela pandemia do coronavírus.

Desta forma, a questão ideológica não será decisiva para essa fatia dos indecisos que espera do próximo gestor de Fortaleza, pulso firme e experiência para gerir a quinta capital do país.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Miramar

20 de outubro de 2020 às 00h45

Prezado Tiago Silva: em 2002 Ciro foi candidato a presidente em uma chapa que o PDT de Brizola (com Brizola vivo) fazia parte. Brizola achou tantas afinidades entre as ideias de Ciro e o trabalhismo histórico que propôs que o nome da chapa fosse Frente Trabalhista, o que foi acatado. Ciro sequer pensava em se filiar ao PDT nessa época. O interessante é que ACM compareceu em um evento de campanha declarando voto em Ciro, evento no qual Brizola estava presente.

Não vejo razão para que dizer que Ciro “deveria” ter apoiado Tulio.Mas é fato que o candidato apoiado por Ciro caminha para uma vitória em primeiro turno.

Kalil declarou apoio a Ciro em 2018 sem pedir nada em troca. É meu vice dos sonhos embora reconheça a dificuldade disso se concretizar.

Desculpe, todo mundo sabe que o candidato do governador Camilo é Sarto. Camilo inclusive participou das articulações de bastidores. A candidata petista sabe que mente mas sabe que pela lei o governador não pode participar da campanha televisiva de um outro candidato quando existe uma candidatura de seu proprio partido.

Pesquise no Google e se espante com a quantidade de candidatos a vereador paulistanos pelo PT que não mostram a sigla ou os símbolos partidários no material de campanha.

Sou um progressista que nem pensa em defender candidatos “muito” petistas. Para você ter uma ideia, a última vez que não anulei o voto em um segundo turno de eleição presidencial foi em 2002.

MBL? Tenho tanta afinidade quanto tenho com o PT. Ou seja, nenhuma.

Reconheço que o termo petralha soa agressivo. Utilizo somente quando é necessário para a defesa.

Responder

Alexandre Neres

19 de outubro de 2020 às 14h42

Imaginem se Ciro Gomes fosse boliviano qual teria sido o resultado por lá? Embora não tenham lá muito voto, atrapalham a democracia pra cacete. De uma forma ou de outra, para herdar o butim, legitimaram o golpe não só ele com seus discursos furibundos e ataques incessantes ao usurpado do poder, mas também essas caixas de ressonância de catanhedes, mervais, leitões e que tais que pululam por este blogue.

Responder

Batista

19 de outubro de 2020 às 13h09

Enquanto Redação garimpa até migração de votos de indecisos em Fortaleza, tentando manter o candidato do narcirismo respirando, a Bolívia derrota nas urnas, de forma arrasadora, o mesmo tipo de golpe, que não foi derrotado no Brasil em 2018, por que ‘progressistas’, ao invés de defenderem ‘Lula’ e o PT, para defender o que representam de fato para o Brasil no combate a desigualdade, resolveram coadjuvar na razia empreendida pela classe dominante, para criminaliza-los e varre-los do cenário político brasileiro, aspirando ocupar o espaço “do partido mais corrupto da história da humanidade”, conforme a mídia e o judiciário lavajateiro, se varrido, sem esquecer o que foi afogar ás mágoas em Paris, colaborando para que o golpe fosse mantido através da adesão a ‘não campanha’ no segundo turno, evitando surpresa maior que apoiar o candidato RISCO, para evitar o fim do GOLPE, como ocorrido ontem na Bolívia.

Responder

    Miramar

    19 de outubro de 2020 às 16h21

    Vocês que lutem!
    Progressista que apoia o PT não é progressista: é petista!

    E viva a Paris mental de Montaigne, Balzac e Proust.

    PS: somos nós que temos mágoa? Quá!Quá!Quá!

    Responder

Miramar

19 de outubro de 2020 às 12h55

Há duas coisas que dificultam a campanha de Sarto: o próprio candidato e seu apoiador Ciro Gomes estão fazendo de campanha de casa pois foram diagnosticados com Covid. Lembrando que Sarto é o candidato de um governo apoiado por mais de 60% dos eleitores.

Responder

james

19 de outubro de 2020 às 07h14

Parece que o Ciro, de tanto falar que o PT iria ficar isolado nessa eleição, acabou ficando ele mesmo isolado até na capital do seu Estado! Que coisa em?

https://veja.abril.com.br/blog/radar/pedetista-esconde-ciro-gomes-na-campanha-em-fortaleza/

Responder

    Justiceiro

    19 de outubro de 2020 às 09h58

    O PT é o partido mais isolado do Brasil, ninguém quer chegar nem perto, PT é sinônimo de derrota eleitoral… Vamos acordar aí, heim.

    Responder

      O Demolidor

      19 de outubro de 2020 às 23h35

      Boulos tem razão….a direita precisa virar o disco anti-petista…

      Responder

    Miramar

    19 de outubro de 2020 às 13h10

    Agora, a verdade:
    – Candidatos apoiados por Ciro caminham para a vitória em primeiro turno em pelo menos três capitais: Aracajú, Recife, Belo Horizonte e Salvador.
    – A única capital em que o candidato petralha aparece confortável é Vitória. Mas a chance que a petralhada não ganhe em nenhuma capital. Nenhuma.
    – Candidatos apoiados por Ciro caminham para um possível segundo turno em Rio de Janeiro e em Curitiba. Em ambos os casos com mais votos, portanto, que a esquerda “verdadeira”
    – Ninguém acredita em segundo turno na segunda maior cidade do Ceará (Sobral).
    – Pegaram um panfleto em que só aparece o Candidato -nossa, que estranho- para sugerir um afastamento daquele que é seu principal articulador da sua candidatura. Mentira porca e nojenta.
    – Candidatos a vereador em São Paulo escondem o nome e os símbolos do partido.
    – A candidata petralha em Fortaleza aproveita as brechas da legislação eleitoral para mentir aos eleitores dizendo ser a candidata do governador.
    – Para os petistas, mentir com eficácia é uma mera questão de realismo político.

    Responder

      Tiago Silva

      19 de outubro de 2020 às 19h56

      Miramar,

      Cuidado para não se iludir ou buscar iludir com meias verdades.

      Vamos lá: o candidato de Salvador é do DEM e neto de ACM… Nesse caso, trata-se de um herdeiro político de filhotes da Ditadura Militar e que perduram até hoje na política Brasileira (assim como outros no Brasil inteiro, infelizmente). Ciro apenas mancha a história do PDT ao se associar com o neto de ACM.

      Em Recife há outro caso de herdeiro político, mesmo que seja de um expoente da resistência da Ditadura Militar, porém a Marília Arraes candidata também é herdeira do Miguel Arraes e se mostra mais alinhada com o avô do que com o tio (Eduardo Campos e pai de João Campos). Nesse caso em Recife, Ciro deveria ter apoiado o candidato do PDT (Túlio Gadelha), mas fez o mesmo que o PT tinha feito com a Marília Arraes em eleição passada (impossibilitou a candidatura por questão de apoio político nacional).

      Já em BH o que se trata é de um candidato independente e que não me parece que queira se vincular a Ciro e não me surpreenderia se ele se declara neutro em 2022.

      Candidatos a vereador escondem nomes e símbolos de qual partido em SP ou outro lugar do país?? Não me parece o PT, mas sim o símbolo da Internacional Socialista que o PDT ostenta que parece escondido.

      Já sobre a candidata do PT de Fortaleza falar que teria o apoio do Governador do PT do Ceará… Não parece mentira, mas a maneira como a esquerda trata uns aos outros (ao vc chamar petistas de “petralha” ou Ciro de “Coroné”) acho sim que seria desonestidade intelectual de ambas as partes que incorressem nesse erro desagregador (que inclusive alguns Blogs que se dizem progressistas preferem gastar mais suas energias em atacar a esquerda do que atacar a direita).

      Cuidado para não ficar difícil depois defender programas progressistas por estes serem muito “petistas”, pois assim se caminha para uma esquerda anti-Esquerda, quase MBL.

      A árvore são os frutos que dá (faz) e não o que fala (ou acha que fala)…

      Responder

Deixe uma resposta