Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Opinião: Esquerda no limbo, “Centro” fortalecido

Por Gabriel Barbosa

06 de dezembro de 2020 : 16h13

Por Gabriel Barbosa

Não existe nada mais claro no universo da política do que o recado das urnas. Não há pesquisa, marketing ou narrativa que possa substituir a participação popular. É nela que o todo o trâmite democrático se confirma. Contudo, nos primeiros sete dias depois do 2° turno o eleitor assistiu a dois fenômenos: a esquerda no limbo e o “centro” fortalecido.

Esses últimos, dominaram 20 das 27 capitais e com regozijo figuras como ACM Neto (DEM) e João Dória (PSDB) já começam a sinalizar movimentações para 2022. O PP de Ciro Nogueira abocanhou a maioria das prefeituras no Nordeste, em especial nos municípios da Bahia e do Piauí, e se consolida como a maior legenda da região. Outras legendas como PSD de Kassab e o MDB de Temer (auto intitulado como “radical de centro”) ficaram com os maiores pedaços do bolo no restante do país.

A esquerda do jogo, resultados interessantes da aliança PDT e PSB em quatro capitais do Nordeste: Fortaleza, Recife, Aracaju e Maceió. No Norte, a vitória de Edmilson Rodrigues (PSOL) em Belém também deu um sinal importante para o campo progressista. Já o PT no 2° turno, saiu vitorioso em quatro cidades: Diadema (SP), Mauá (SP), Contagem (MG) e Juiz de Fora (MG). Sendo assim, pela primeira vez em 35 anos de história o partido não terá nenhuma capital para governar.

Apesar dos resultados interessantes em Belém e nas capitais do Nordeste mencionadas anteriormente, a primeira semana pós 2° turno foi de fogo cruzado entre as lideranças do campo progressista. Figuras como o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), senador Jaques Wagner (PT-BA) e o vice-presidente Nacional do PDT, Ciro Gomes, protagonizaram embates de narrativa que refletem com fidelidade a decadência estratégica com que se encontra a esquerda brasileira.

Não estou propondo um pacto de compadres, longe disso. Creio que existe uma necessidade urgente de alinhar as demandas em comum entre os partidos e abrirem um diálogo franco a luz do dia, coisa que a esquerda ainda consegue fazer com maestria, mesmo diante da delicada situação. Para isso, é inevitável que os dois principais partidos do campo progressista, PT e PDT, estejam dispostos a liderar esse movimento.

A primeira vista, essa sugestão parece polêmica, ainda mais com as constantes acusações de ambas as partes. Porém, essas duas legendas abrigam as duas principais lideranças, Lula e Ciro. Estrategicamente falando, é inevitável um novo diálogo entre o ex-presidente e o ex-ministro.

Não é responsável figuras como Fernando Haddad, que sofreu duas derrotas seguidas em 2016 e 2018, acreditar que têm a tutela política de inserir um histórico companheiro de luta como Ciro Gomes na “faixa da direita” com João Doria e Luciano Huck. Assim como não é prudente que Ciro Gomes insista no discurso antipetista se nem mesmo os atuais postulantes da direita como Doria e Huck estejam usando dessa narrativa para se fortalecerem como alternativa.

É equivocado pensar que o campo progressista irá se fortalecer sem fazer uma costura de dentro pra fora. Só após um amplo entendimento entre os partidos e com suas bases alinhadas é que se pode sinalizar para o tal “Centro”. Em outras palavras, não se pode colocar a carroça na frente do boi. Espero que Lula e Ciro compreendam isso antes que seja tarde demais.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Tadeu

07 de dezembro de 2020 às 12h49

Eu acho que já é tarde demais, amigo. A única coisa que vai causar alguma união entre os partidos de esquerda é a cláusula de barreira. Não existe “campo progressista” na realpolitik, apenas uma tentativa mútua de canibalizar o eleitorado uns dos outros.

Responder

Nordestino

07 de dezembro de 2020 às 09h44

Adorando ver a eficiência da direita governando o Brasil..kkkk…..E em 2022….Como petista derrotar Ciro

Responder

Camundongo

07 de dezembro de 2020 às 09h12

O jogo tá entre centro, centro-esquerda e centro-direita.

Os extremos estão fora, o PT tb.

Responder

Jerson

06 de dezembro de 2020 às 18h25

O antiesquerdismo está em alta e em 2022 vai dar mais uma paulada na cabeça dessa esquerda teoglodita brasileira.

Responder

    Jerson

    06 de dezembro de 2020 às 18h25

    “troglodita”

    Responder

Joao eduardo

06 de dezembro de 2020 às 16h26

Nojo desses políticos da esquerda corruptos bandidos assassinos.

Responder

    Paulo

    06 de dezembro de 2020 às 21h22

    Os da direita são iguais. Tanto que se uniram contra a Lava-Jato…

    Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?