Paris Café Extra: Finanças Funcionais, uma revolução copernicaniana na economia

Imagem: REUTERS/Adriano Machado

Maioria da população é favorável ao impeachment de Bolsonaro, diz pesquisa

Por Redação

25 de janeiro de 2021 : 10h39

Neste domingo, 24, um levantamento divulgado pelo Atlas Político mostra que o impeachment do presidente Jair Bolsonaro é apoiado por 54%. Já 42% são contrários ao impedimento de Bolsonaro na presidência da República.

Fonte: Atlas Político

Ainda segundo a pesquisa, o favorecimento aos filhos e familiares, ações favoráveis ao desmatamento e o desastre genocida no combate a Covid-19 são os principais motivos que favorecem o impeachment.

Fonte: Atlas Político

É fato que Bolsonaro mantém apoio entre os homens (51%) e uma base maciça entre os evangélicos (61%). Mas, o apoio ao impeachment cresce de acordo com o nível de renda e escolaridade.

Fonte: Atlas Político

A pesquisa foi realizada entre os 20 e 21 de janeiro de 2021, respondida por 3.073 pessoas e margem de erro de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

19 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Sebastião Farias

26 de janeiro de 2021 às 22h46

Sebastião Farias
26 de janeiro de 2021 às 10h22

Prezados patrícios e cidadãos, no Brasil, nos sobra leniencia e tolerância para o errado e, nos falta senso crítico da própria realidade que vivemos para o bem e, consciência política e cidadã para agirmos unidos pela nação.
Como sabemos, pois todo dia, vemos esses exemplos pela imprensa, que infelizmente, tem muita gente e autoridades que, desconhecem ou fingem desconhecer a CF e que, o Brasil como nação soberana, é uma República Federativa e uma República Democrática, que tem como base indissolúvel e político/administrativa, a União (que deve liderar o país), o DF, os Estados e os Municípios, conforme dispõe o Artigo 1° da Constituição Federal do Brasil. Assim sendo, os desmandos e negligências de gestão pública protagonizados por maus gestores que resultam em mortes de cidadãos, que poderiam ser evitadas, como por ex: as de Manaus-AM e do país, são casos de alta responsabilidade das 03 instâncias federativas de gestão e de fiscalização e controle, dos 03 Poderes da República, criadas para que, de forma ágil e proativa, identifiquem e corrijam desconformidades prejudiciais à nação e à população.
Não devemos esquecer que, os Poderes Legislativos (Senado Federal, Câmara Federal dos Deputados, Assembleias Legislativas Estaduais e Câmaras Municipais de Vereadores), como representantes do povo e do Estado, como legisladores e fiscais do povo, devem nesses cacasos sob pena de omissão, crime de responsabilidade, etc, terem protagonismo e proatividade responsável em investigar e apurar com urgência, a origem e as causas, dos motivos desses crimes e, de identificar e processar na forma da lei, seus autores e responsáveis e, puni-los exemplarmente, afinal, são vidas humanas de brasileiros ceifadas em toda a Cadeia de Gestão da Saúde Pública da República Federativa do Brasil, conforme dispõem e recomendam, dentre outros, os Artigos, 70, 71 e 74, da CF.
Então, vamos tirar o pé do chão, deixar o palanque eleitoral para a época certa e, trabalhar sério com imparcialidade e responsabilidade e darem satisfação justa e correta, ao povo que é vossos patrão e outorgador do poder e autoridade, para vocês, no correto, ético e justo exercício de suas funções, promoverem os direitos individuais e coletivos, o bem-estar e a justiça imparcial à população (Parágrafo Único do Artigo 1º da Constituição Federal da República Federativa do Brasil).
Portanto Srs./Sras. autoridades responsáveis, como cidadão indigninado e com amparo no Parágrafo Único do Artigo 1º da Constituição Federal da República Federativa do Brasil, é que lhes faço esse apelo de ação ética, responsável e patriótica, que deixem sua zona de conforto e hajam rápido, pelo bem da população e para que fatos irresponsáveis como esses, não mais se repitam em nosso país. Essa música sobre nosso país https://youtu.be/h5L0ij7WlPs, é para ouvirem com imparcialidade e, verem para onde voltamos.
Lembrem_se, toda autoridade pertence a Deus que junto com Sua proteção (como está registrado no preâmbulo da CF do Brasil), é transferida ao povo que a outorga aos Srs/Sras, não para maltrata-lo ou oprimi-lo mas, sim, para promoverem sua fraternidade, seu bem-estar, seus direitos, sua liberdade, sua dignidade e sua soberania, como nação soberana. Pensem nisso.
Paz e bem.
Sebastião Farias

Responder

dcruz

26 de janeiro de 2021 às 15h26

Tudo bem, diz o ditado que a voz do povo é a voz de Deus, parabéns ao povo que pelo menos por ora se recupera ( ou se arrepende) do maior erro eleitoral da sua história. Quanto ao impeachment, infelizmente, estamos diante da lei Garrincha: já combinaram com o joão da vez? Coincidência ou não o joão é também conhecido como Botafogo.

Responder

ca5

26 de janeiro de 2021 às 13h07

O presidente Bolsonaro que pensa como cavalo e milhões de quadrúpedes a apoiar, tem mais besta atrapalhando do que querendo ajudar.

Responder

carlos

26 de janeiro de 2021 às 11h49

Bolpesonaro ou você Sting o INPE ou você se Sting.

Responder

Tony

26 de janeiro de 2021 às 11h03

Bolsonaro sai da Presidencia da Republica em 2026, basta um minimo de vivencia para entender isso.

Responder

Efrem Ventura

26 de janeiro de 2021 às 11h01

Nao haverà impeachment de ninguem, larguem de inventar besteiras inuteis.

Responder

Paulo

25 de janeiro de 2021 às 23h33

No dia da conversão do apóstolo Paulo, que perseguia os cristãos e se converteu, na maior epifania da história cristã, e em cuja memória se edificou a maior cidade das Américas, sob as bençãos de Nóbrega e Anchieta, louvemos o Altíssimo!

Responder

Oblivion

25 de janeiro de 2021 às 22h40

42% querem ver seu dinheiro continuar ser gasto com leite condensado (15mi) batata frita (16 mi) e muito penduricalho, aumento e super salarios pras cadelas no cio.
Sem contar no kit cloroquina/ivermectina…
E o q é pior é a equipe patetica (todos escalões).

Responder

Netho

25 de janeiro de 2021 às 21h00

Nunca houve, nem haverá impeachment, enquanto os sinhozinhos do grande capital e os pretorianos do Forte apache não virarem os polegares para baixo.

O PDT perdeu uma ótima oportunidade de iniciar, tanto na Câmara quanto no Senado, a formação de um bloco de trabalhista, popular e progressista ajuntando as forças de centro-esquerda e esquerda do espectro político.

Não se alinhando, sob hipótese alguma, aos Blocos da Milícia, da Rachadinha e da Propina formados liderados pelos Cartéis do MDB e do PP – os dois partidos mais encalacrados no propinoduto da Petrobrás -, e com maior participação relativa na Planilha das Operações Estruturadas das Empreiteiras.

Responder

Netho

25 de janeiro de 2021 às 20h57

Hamlet, Cena II, Ato II:
‘POLÔNIO – Apesar de ser loucura, revela método. Não quereis sair do vento, príncipe?
HAMLET: Entrar na sepultura?
POLÔNIO: Realmente, desse modo sairíeis do vento. Como são agudas, não raro, as suas respostas! É uma felicidade da loucura, algumas vezes, felicidade que a razão e o bom senso não alcançam com a mesma facilidade’.
Muita gente parece despertar, ainda que modorrenta, do porre da cloroquina!
Arrancam as camisas de força de liberais de hospício!
Descobrem o efeito vacinal miraculoso sobre a economia!
No entanto, o PT que não aprendeu nada e não esqueceu nada, ainda continua aí.
O PDT, também, não aprendeu nada e esqueceu tudo, porque continua onde o PT esteve e está.
As pesquisas somente indicam a ressaca pandêmica e não implicam impeachment algum.

Nunca houve, nem haverá impeachment, enquanto os senhorio do grande capital e os pretorianos do Forte apache não virarem os polegares para baixo.

O PDT perdeu uma ótima oportunidade de iniciar, tanto na Câmara quanto no Senado, a formação de um bloco de trabalhista, popular e progressista conclamando as forças de centro-esquerda e esquerda do espectro político.

Não se alinhando aos Blocos da Milícia, da Rachadinha e da Propina formados liderados pelos Cartéis do MDB e do PP – os dois partidos mais encalacrados no propinoduto da Petrobrás -, e com maior participação relativa na Planilha das Operações Estruturadas das Empreiteiras.

Responder

Sebastião

25 de janeiro de 2021 às 17h32

Aproveitando o post pra dizer, que depois a vacina do Butantan, Dória se consolida como o candidato da centro-direita, com Hulck provavelmente como vice. Este terá a missão de puxar votos da esquerda. Dória como bom marqueteiro, vai explorar o episódio da vacina, pra se capitalizar. Quero ver se a esquerda não se unirá, pois haverá Bolsonaro(que tem uma parcela fiel) e Dória na disputa.

Responder

Alan C

25 de janeiro de 2021 às 16h42

Não vai ter impeachment, que sangre sem pena até o último dia do mandato, enterrando de vez esse inútil.

Responder

dcruz

25 de janeiro de 2021 às 14h00

Tudo bem a maioria da população quer o impeachment, agora aqui entra a lei do Garrincha, já combinaram com os canalhas, canalhas, senhores deputados e senadores?

Responder

Alexandre Neres

25 de janeiro de 2021 às 12h26

Sexta-feira dia 22, se tivesse vivo, Brizola faria 99 anos. Naturalmente, tal efeméride não foi noticiada no Cafezinho, que de trabalhista não tem nada. Aqui o que se vê são os elogios de Ciro a Cesar Maia, o maior traidor do trabalhismo.

Em 1989, graças à possibilidade de votar com menos 18 anos devido à CF de 1988, dei meu primeiro voto a Lula. Olhando retrospectivamente, vejo que aquelas eleições eram do Brizola. Brizola simbolizava a continuidade de Jango, embora seus temperamentos fossem opostos, a volta do trabalhismo ao lugar que era de direito, o retorno de quem teve usurpado o poder pela ditadura.

Faço também meu mea culpa. Era um cara-pintada, totalmente favorável ao impeachment de Collor e hoje me penitencio. Brizola estava certo aquela época. A investidura popular tem um valor muito grande. Os efeitos causados ao atacar a soberania popular foram perversos, ainda que Collor, diferentemente de Dilma, tenha cometido crime de responsabilidade. O tal Fiat Elba. Muito pouco para retirar um presidente.

Hoje estamos aí, com um presidente que pratica crimes de responsabilidade a rodo. A única certeza que temos é que, quando alguém for eleito, em pouco tempo virá o primeiro pedido de impeachment, tal qual uma republiqueta de bananas que se preze. Quer dizer, a menos que o ungido pertença ao establishment, seja do trio DEM-PSDB-MDB, aí pode até comprar a reeleição e alterar as regras do jogo previamente estabelecidas.

Responder

    Paulo

    25 de janeiro de 2021 às 17h53

    Alexandre, “república de bananas” estamos nos tornando com o Capetão no comando. Acredite, eu estudei com um diretor de famosa empreiteira que me contou como funcionava o Governo Collor. O Fiat Elba foi só o “imposto de renda do All Capone”, pra ele.

    Dilma foi vítima de golpe parlamentar, não porque não tenha pedalado, mas porque só ela foi punida por ilícito comum a quase todos os presidentes. Mas foi bom para o PT, paradoxalmente, pois sustenta a narrativa. E o Desgoverno dela caminhava para um desastre econômico, o que inviabilizaria a narrativa.

    Bolsonaro tem que sair – já teria que ter saído – porque ele infirma os fundamentos da República, e, permanecendo, sinalizará para outros, doravante, que o sarrafo subiu, para o que possa ser considerado crime de responsabilidade, e, até, crime comum, quando cometido por um presidente da República…

    Responder

      Renato

      26 de janeiro de 2021 às 10h41

      Ainda esse mimimi de Golpe ? Vire o disco e vá chorar na cama que é lugar quente !

      Responder

      Jurandir

      26 de janeiro de 2021 às 13h27

      Quem determina a altura do sarrafo é a paciência do povo. Paciência essa q é calibrada no bolso.

      Responder

      Alexandre Neres

      26 de janeiro de 2021 às 13h40

      Meu caro Paulo, concordo com quase tudo que você disse, fazendo a ressalva de que pedalada fiscal não constitui crime de responsabilidade.

      A questão é que entramos numa sinuca de bico. Desvirtuamos, banalizamos o instituto do impeachment, o qual não pode ser usado indiscriminadamente. Quando apareceu a situação em que era pra ser utilizado finalmente, tal remédio já apresenta sinais de fadiga e foi vulgarizado. Só em repúblicas bananeiras todo dia fala-se em impedir um presidente. Bolsonero apenas está cumprindo à risca seu programa de desgoverno, ninguém pode falar em estelionato eleitoral.

      Em termos práticos, pode se esquecer desta hipótese. Rodrigo Maia vai levar uma surra homérica. O PDT levou o campo progressista a entrar numa cilada, nos aliamos a uma escória, com o apoio ao Baleia Rossi. Não levantamos nossas bandeiras e ainda vamos perder de goleada. Parece que se formou uma onda pró-Lira. Os deputados estão de olho em uma boquinha, como sempre, o leite condensado vai comer solto. O próprio Maia diz que 1/3 do DEM vai votar em Lira; no PSDB, parece que é mais da metade; no PSB, metade; até no PDT tem deputado pró-Lira.

      Maia foi protagonista do golpe em Dilma, a trama foi urdida em seu apartamento em São Conrado, juntamente com os tucanos Bruno Araújo (atual presidente) e Carlos Sampaio, que elaborou aquela peça apresentada por Miguel Reale Jr. e Janaína Paschoal, que ainda tirou um troco de 45k.O PSDB teve a pachorra de editar esta semana o seguinte tuíte: “Quem chama o Impeachment de Dilma de Golpe ataca a Democracia no Brasil, o Congresso e o STF. É um discurso extremista”. Ao que foi prontamente rebatido pelo jurista Silvio Almeida: “Ataca a democracia quem não aceita o resultado de uma eleição legítima ou apoia processo de impeachment sem crime de responsabilidade. Vocês ajudaram a pavimentar o caminho para a desgraça pela qual passamos hoje”.

      Responder

      Batista

      26 de janeiro de 2021 às 15h05

      É por demais divertido apreciar um desses irresponsáveis pelo que nos desgoverna, por incapaz em ser, quer pelo voto, quer pela omissão, tentando disfarçar a responsabilidade pelo irresponsável desgovernante que ajudou ser eleito, de modo a não ser responsabilizado, através de expedito e elasticamente plástico, ‘triplo twist carpado dispersivo’, que desvia parte da plateia à aterrisagem no lado oposto da irresponsabilidade escafedida, de forma que esqueçam que “o Desgoverno dela caminhava para um desastre econômico”, porém graças aos passos de Marreco, Cunha & Neves, com suas “equilibradas pautas bombas”, “profundas suspeitas eleitorais” e “intocáveis putanas lavajateiras”.

      É triste, mas também hilário…

      Responder

Deixe uma resposta