Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Freixo afirma que vitória de Lira não representou vitória de Bolsonaro

Por Redação

02 de fevereiro de 2021 : 10h03

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) que foi um dos entusiastas da candidatura de Baleia Rossi (MDB-SP) afirmou que a vitória do presidente Jair Bolsonaro não se deu pelo trunfo de Arthur Lira (PP-AL) para a presidência da Câmara, mas pela derrota de Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Tadeu

02 de fevereiro de 2021 às 12h46

Declaração nível Dilma Rousseff, o que é coisa de gente que ficou emocionalmente abalada. O Freixo acusou o golpe. Ganhar com o dobro de votos do segundo colocado não foi só uma vitória do Bonoro, foi um nocaute que botou toda a “oposição” na lona, sem ver nenhuma chance de se levantar.

Responder

Netho

02 de fevereiro de 2021 às 11h17

Freixo vive em outro Planeta faz tampo e parece ter esquecido o que de fato significava o assassinato político de Marielle.
O Messias da Pandemia reuniu todos os filhotes da ditadura e juntou todos os seus simpatizantes. Já formou a sua Frente Miliciana, Milica e Policial sustentada pela extrema-direita, direita e os rapinantes de sempre que desde priscas eras vendem apoiamento no balcão de negócios, propinas e picaretagens com dinheiros públicos e entreguismo estatal.
O Filhote da Ditadura teve o tempo suficiente para mobilizar e reorganizar o governo da República das Milícias e se apresentar como fiador da sua própria reeleição com os mais de 300 picaretas que sempre vicejaram no Parlamento desde Sarney até hoje.
As supostas esquerdas permanecem fragmentadas e invertebradas em suas relações e, talvez, agora se deem conta de que as perspectivas para 2022 foram para o vinagre de malas e cucuias, caso não sejam suficientemente capazes de romper o padrão que vem imperando desde 2016 em todos os partidos do suposto espectro esquerdista, trabalhista, progressista, popular, sob o pálio de sombras desdobrado pela desmoralização e degeneração do lulo-petismo-dilmista.
Nem lugar para a tal Frente Ampla natimorta há mais.
O mau militar terrorista passou a régua e o rodo de ponta a ponta como um trator acachapante e dá uma solerte demonstração de pura força e imposição no pior momento da pandemia e da crise econômica e social.
Desde logo não há alternativa alguma à suposta esquerda socialista, comunista, trabalhista, identitária e ecologista que não seja construir um Bloco de Esquerda unitário exclusivamente voltado a marchar unido até 2022, sem a condução hegemônica e protagonista do PT nem pela liderança lulo-petista.

Responder

    Claudio

    02 de fevereiro de 2021 às 14h04

    Excelente análise.

    Responder

Tony

02 de fevereiro de 2021 às 10h26

E’ nao…é uma vitoria da oposiçào…Kkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?