Cafezinho & Cinema: conversa com Ducca Rios, diretor de Meu Tio José

Karina Vilas Boas: A outra face das altas dos preços nos alimentos no Brasil

Por Redação

12 de maio de 2021 : 15h10

Comer no Brasil ficou caro demais!

Por Karina Vilas Boas – Jornalista de Mato Grosso do Sul (DRT/MS 768)

Em dois anos de governo, Jair Bolsonaro fez o poder de compra do trabalhador brasileiro encolher. O maior exemplo desta triste situação está na alimentação. Desde o início do mandato do ex-capitão do exército, em 2019, o preço da cesta básica já subiu 33%.  

Para grande parte do assalariado, a estratégia para enfrentar este cenário foi retirar das compras do mês os itens mais caros, como a carne bovina (alta de 35%, em 2020). No entanto, para as famílias de baixa renda restou apenas reduzir o número de refeições por dia.

Segundo o IBGE, o drama da fome voltou a assombrar grande parte da população brasileira. Em 2020, pelo menos um terço dos brasileiros já passaram por alguma situação de insegurança alimentar.

O custo dos alimentos subiu 12,14%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de janeiro a novembro. A dupla inseparável no prato dos brasileiros, o arroz e feijão encareceram de forma abrupta este ano, o arroz teve alta de 69,5%, enquanto o feijão carioca, o mais consumido, valorizou 12,9%, e o tipo preto, 40,7%. 

Essa elevação pode ser explicada através da regra básica na economia: a lei da oferta e da demanda. Se a demanda é maior que a oferta, os preços sobem e vice-versa. Além disso, houve um aumento das exportações brasileiras, tendo em vista a desvalorização da moeda brasileira frente ao dólar, aumentando ainda mais a demanda, dessa vez externa.

A carne subiu 6,54% no final do ano, devido ao aumento das exportações e também dos custos de produção do gado, interligado ao encarecimento dos produtos provenientes da base das rações, como a soja e o milho.

Diversos fatores podem afetar a inflação, seja por causas monetárias, quando há maior impressão de dinheiro pelo governo, seja por causas psicológicas, quando os agentes ajustam o preço porque acham que outro também vai ajustar ou seja por ter uma causa real, quando há um desajuste entre a oferta e a demanda por bens e serviços. Para aqueles que desconhecem, a Inflação é o aumento dos preços de bens e serviços, capaz de diminuir o seu poder de compra.

A esperança é que haja uma vacinação em massa, a difusão do coronavírus seja contida e que nas eleições de 2022 a população entenda de fato a importância de eleger um presidente que tenha capacidade e uma equipe que se importe com o desenvolvimento com justiça social. Mas as incertezas são grandes para os brasileiros e os desafios maiores ainda.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Fanta

12 de maio de 2021 às 15h31

É notório que se dependesse do Presidente da República ninguém teria ficado em casa sem trabalhar um sequer dia durante essa pandemia… o resto é a narrativa de sempre.

As consequências a curto e longo prazo do #fiquemcasa dos metidinhos de esquerda que não precisam sair de casa para trabalhar ou não precisam trabalhar mesmo serão devastadores e não pouparam uma sequer vida

Responder

Deixe uma resposta