Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Najara Araujo/Câmara dos Deputados

Câmara aprova privatização dos Correios

Por Redação

05 de agosto de 2021 : 19h51

Proposta agora será analisada pelo Senado

Publicado em 05/08/2021 – 19:30

Por Luciano Nascimento e Heloisa Cristaldo – Repórteres da Agência Brasil – Brasília

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira (5), o Projeto de Lei (PL) 521/21 que trata da privatização dos Correios. A proposta, encaminhada pelo governo em fevereiro, autoriza a exploração de todos os serviços postais pela iniciativa privada.

O texto-base da proposta foi aprovado por 286 votos a favor, 173 contra e duas abstenções. A matéria causou controvérsia entre os parlamentares. No entanto, nenhuma das propostas que ainda poderia modificar o texto, os chamados destaques, foi aprovado. A matéria segue para análise do Senado.

O texto do relator, deputado Gil Cutrim (Republicanos-MA), diz que a Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) será transformada em uma empresa de economia mista, chamada de Correios do Brasil, e modifica a função da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que também será responsável por regular os serviços postais.

De acordo com o projeto, as tarifas terão reajustes anuais e poderão ser diferenciadas geograficamente com base no custo do serviço, na renda dos usuários e nos indicadores sociais. Para os serviços de cartas, o projeto prevê uma tarifa social para atendimento dos usuários que não tenham condições econômicas de pagar pelo serviço.

O relatório determina ainda exclusividade da nova empresa na operação dos serviços postais pelo prazo de cinco anos e proíbe o fechamento de agências que garantem serviço postal universal em áreas remotas. Esse prazo, segundo o projeto, poderá ser prorrogado.

A exclusividade inclui serviços postais como atendimento, coleta, triagem, transporte e distribuição no território nacional e expedição para o exterior de cartas e cartões postais; serviço público de telegrama; e atendimento, coleta, triagem, transporte e distribuição no território nacional e expedição para o exterior de correspondência agrupada.

O parecer também determina que os trabalhadores da ECT não sejam demitidos pelo período de 18 meses após a privatização. Eles poderão, entretanto, pedir demissão voluntária até 180 dias após a desestatização. O funcionário que decidir pelo desligamento terá direito a indenização de um ano de remuneração, com manutenção do plano de saúde por 12 meses a partir do desligamento e ingresso em um programa de requalificação profissional.

Confira aqui como votou cada deputado, e o desempenho de cada partido.

***

A oposição já declarou que tentará judicializar a questão, para tentar barrar a venda da estatal.

Ao final da votação da proposta que autoriza a privatização dos Correios (PL 591/21), o deputado Vicentinho (PT-SP) afirmou que a oposição está disposta a ir à Justiça contra a venda da estatal. A proposta do Executivo ainda seguirá para análise no Senado Federal.

“Essa luta segue, pela sua inconstitucionalidade, para o Supremo Tribunal Federal. Não devemos desanimar, façamos o bom combate e mantenhamos a fé”, disse o deputado, que trajava um uniforme dos Correios.

O líder da Minoria, deputado Marcelo Freixo (PSB-RJ), também afirmou que a proposta fere os princípios da Constituição de 1988 e que a Justiça terá de decidir sobre o tema.

“Este debate fere o artigo 21 da Constituição. Então, jamais poderíamos, dessa forma, estar privatizando os serviços de Correios do País. E deixo claro, para manter uma postura honesta, que nós vamos recorrer à Justiça diante dessa inconstitucionalidade”, declarou.

O líder do PDT, deputado Wolney Queiroz (PDT-PE), também lamentou a votação da proposta. “Hoje nós estamos vendendo os Correios do Brasil, um dos maiores patrimônios deste País, em uma tarde com o Plenário esvaziado, com votação remota, sem que a sociedade acompanhe, sem que a sociedade saiba”, disse.

Com Agência Câmara de Notícias

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EdsonLuiz.

06 de agosto de 2021 às 13h55

O PT privatizou muito. O PT privatizou portos, aeroportos rodovias. Mesmo assim, os poucos progressistas que são filiados ao PT não deixaram de ser progressistas por causa das privatizações feitas pelo PT.

O motivo de os poucos progressistas filiados ao PT não terem deixado de ser progressistas é bem simples : ser progressista não tem nada que ver com privatização ou estatização.

Ser progressista tem relação com defender o Estado de Direito ( defender o Estado de Direito, não se aproveitar de sua mecânica) e combater a captura do Estado por políticos e empresários para favorecer a acumulação privada de forma anticoncorrencial ou, o que é ainda pior, praticar corrupção.

Quem luta para que o Estado não seja capturado pelos empresários é Pâmela e Paulo Hartung, não os obscurantistas defensores de corrupção, de populismo e de corporativismo do PT.

Vivam os bons petistas!
Abaixo os atrasados e obscurantistas!

Responder

Maruek

06 de agosto de 2021 às 07h40

Não só Tabata ex PDT, mas vários do PDT votaram a favor.
PDT e PSB, farsa.

Responder

Alexandre Neres

05 de agosto de 2021 às 21h16

E a Tabata, hein? Progressista, çei. Como Huck, Hartung e Leite…

Responder

Deixe um comentário