Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

Ciro sobre Moro: “corrupto, bandidão despreparado, estepe do fascismo e canalha rematado”

Por Redação

22 de dezembro de 2021 : 11h35

O pré-candidato a presidência pelo PDT, Ciro Gomes, voltou a atacar o seu concorrente direto pela vaga da terceira via, o ex-juiz Sérgio Moro (Podemos), que empurrou o pedetista para o quarto lugar nas pesquisas eleitorais.

Desta vez, Ciro usou sua artilharia após Moro ter se recusado a debater propostas com ele. “Ele não quer debater comigo por isso, porque eu vou dizer que ele é um corrupto”, disparou Ciro.

As declarações foram feitas durante a live “Ciro Games” que é transmitida toda terça-feira nas redes sociais do pedetista. Na sequência, Ciro se referiu a Moro como “estepe do facismo”, “bandidão despreparado” e “canalha rematado”.

Vale lembrar que na entrevista que concedeu ao canal MyNews, Moro deixou claro que só aceitaria debater com Ciro Gomes caso ele mudasse a sua “postura ofensiva e agressiva”. Na última semana, o pré-candidato do PDT desafiou Moro para um debate.

“O Ciro, primeiro, precisa largar essa postura ofensiva e agressiva para dialogar. […] Se for entrar em um diálogo com alguém que começa ofendendo, como ele tem feito, daí não é debate. Não agrega em nada”, disse o ex-juiz.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EdsonLuiz.

24 de dezembro de 2021 às 04h16

Esse doidin do Alexandre bolsonéris atacou novamente. E sempre distorcendo e sempre com leviandades e mentiras bem próprias de certos petistas e certos bolsonaristas. Incrível como eles, quando são desse tipo, se odeiam tanto, mas se parecem mais ainda!

Lá, mais embaixo, eu abordo o que me move e que eu acho que é o que deve mover a todos por fazer política. Leiam, se quiserem. Concordar ou nåo concordar é outra questão. Já ele, o doidin Alexandre bolsonéris, como nem passa pela cabeça dele o que é de fato ser progressista, fala um monte de besteiras sem fundamento sobre isso e sobre tudo. E, como sempre, ele se esforça tanto para ser um petista agressivo que acaba mais parecido com um bolsonarista, que eu acho que é o que ele seria se não fosse lulista.

E, sim, eu não concordo com linchamento de um ex-juiz que prestou tão grande serviço no combate à corrupção no Brasil! Não concordo politicamente com o ex-juiz e também acho que erros por ele cometidos devam ser corrigidos. Mas o que alexandre bolsonėris alega sobre mim, quem lê o que eu escrevo aqui sabe que é mentira e que Alexandre Bolsonéris com isso só aumenta sua prœpria má fama.

Liga pras besteiras do Alexandre bolsoNéris não, pessoal! Ele é um lulista e defensor de corruptos, inclusive defensor de empresas corruptas, como vocês sabem! Como eu não defendo corruptos e, muito pelo contrário, combato corruptos, ele fica com raiva e sempre distorce o que eu escrevo.

Legalidade, sim! Devido processo legal, sim! Interpretação pirata da legislação por parte desses juristas de porta de cadeia para interpretar o estatuto da legalidade de forma conveniente a corruptos e fazer barulho para garantir a impunidade de criminosos, NÃO!

Se um corrupto vira presidente, vamos ter um país de polícia corrupta, de auditores corruptos, de professores corruptos…seremos, definitivamente, uma república de corrupção!

Como esse doidin do Alexandre bolsonéris (eu o tratava com respeito, inclusive não demonstrando que o vejo como um deliquente político despreparado e truculento, mas passei a chamá-lo de Bolsonéris toda vez que ele volta para encher o saco! Ele não passa de um petista abusado potencializado com abuso do bolsonarista dessevmesmo tipo, por isso, Bolsonéris). Voltando: como ele se fanatiza lá, nas TELAS171, ele decora algumas coisas lá e vem para aqui repetir. Lá nas mentirosas TELAS171 eles falam que ser progressista ė legalizar drogas. Brincam com um assunto muito delicado nesse caso de drogas, em que o usuário, ao virar um caso de saúde, precisa de cuidado e de descriminalização, para evitar que seja punida a vítima, que é o usuário e não os traficantes. E eles lá nas TELAS171 ensinam a esse doidin que drogas é progressista e ele vem com essa conversa de que tem que defender a legalização de drogas para ser progressista.

Ser progressista ė uma coisa bem mais séria e vem de longe na cultura da humanidade. É em nome desse progressismo que eu faço política, e não para defender doideiras pouco humanas e defender corruptos. Progressismo é coisa muito séria, bem mais complexa, e não é para piroquetas como Alexandre bolsonéris! É principalmente sobre o que ė progressismo e de onde vem que eu trato lá mais embaixo. Progressismo é buscar a emancipação humana e a realização da humanidade, não é ficar se dizendo progressista e defendendo asneiras, espalhando ódio, se corrompendo, defendendo corruptos e defendendo autoritários e ditadores. Dizer, por exemplo, que Lula ou qualquer outro populista um líder progressista é uma imensa fraude!

Outra doideirisse desse doidin ė tratar aborto como se fosse um tema progressista.

Aborto é, certamente, o maior dos dramas com que lida a humanidade, até maior do que é o drama de como tratar o problema da pedofilia, que é uma pulsão sexual que infelizmente alguns possuem e que coloca vulneráveis em extremo risco. Assim como as drogas, também o aborto precisa ser descriminalizado, para evitar aumentar o drama daquelas que são suas maiores vítimas, as próprias mulheres, muitas delas ainda meninas, que passam por esse drama levadas pelas mais diversas circunstâncias. Na maioria das vezes não cabe julgamento sobre elas, que já estão estraçalhadas no seu drama, vivenciando esse drama, e o que cabe é acolhimento. Mas LEGALIZAR ABORTO e banalizar a vida, NÃO! Isso de legalizar é proposta de doidivanas e nada tem a ver com progressismo! No Brasil, os casos de aborto que realmente necessitam estar legalizados, como gravidez por estupros ou anencéfalos, já estão legalizados.

DESCRIMINALIZAR o uso de drogas e amparar e tratar o usuário, sim! E, claro, ao mesmo tempo endurecer o combate ao tráfico e ao controlador desse tráfico!

DESCRIMINALIZAR o aborto, para não punir mais ainda quem já vai carregar pelo resto da existência a culpa de ter se visto na necessidade da fazer aborto, sim!

Mas LEGALIZAR aborto e uso de drogas, que é o que parte dessa gente defende, como se legalizar aborto e uso de drogas fosse um tema progressista, e esse doidin chamado Alexandre bolsonėris aprende lá e vem aqui e repete, NÃO!

Alexandre Bolsonéris, vai estudar um pouco de teoria política, já que você gosta, e superar sua ignorância! E busque seu lugar em algum grupo radical de esquerda ou radical de direita, como o bolsonarismo, que ė com o que você mais parece na prática, embora no discurso pareça ser mais de ultra-esquerda!

Responder

Alexandre Neres

22 de dezembro de 2021 às 23h16

Vixe, Ciro acabou de perder um voto!

Chamou o juiz ladrão de bandidão.

O cara ficou tão perdidão que emendou um texto que não diz coisa com coisa. Lé com cré. Misturou um tanto de assunto, porém não tem sentido algum. Outro dia foi mais esperto. Escreveu um monte de baboseira, aí tascou um Nietzsche no meio, sem fazer qualquer referência ao filósofo, se portando como um legítimo erudito tupiniquim.

O cidadão aê tem coragem. Elogia o político guindado por Garrastazu.

Sabem de quem tô falando? Daquele que odeia o Prerrô. E é defensor intransigente do marreco de Maringá. Por óbvio, é contra os direitos humanos de primeira geração, os direitos individuais, o devido processo legal, essas coisas inúteis que deixam os bolsominions irritados. Se for para beneficiar gente oriunda dos estratos populares e pretos então… Dá piti. Defende também o Zé Bonitinho, In Fux We Trust, que perpetrou mais uma ilegalidade ao ouvir o clamor popular. Praticou o populismo penal, bem ao gosto desses estultos, atropelando instâncias e prendendo quem não devia. Mas ficou bem na foto.

Reaças, unidos, jamais serão vencidos!

Todos juntos defendendo que Serjo Morto ressuscite: Justiceiro, Querlon, Fanta, Paulo, Galinzé, Tony, Zulu, Canastra, Ronei, Tony, Kleiton, Valeriana e EdsonLuiz (não o Kober).

Gostaria de saber qual a opinião do Sá Pinho.

Responder

EdsonLuiz.

22 de dezembro de 2021 às 18h28

Desculpe, Ciro! Nesta eleição quero ser seu eleitor. Não sou cirista, como de resto não me ligo e não me ligarei a partido nenhum atė que realmente eu entenda algum deles como partido político efetivamente.

Acho o Cidadania23, ex-PCB e ex-PPS, um partido razoável. Também aposto no Partido Novo e no PSOL como partidos políticos!

O Cidadania23 teve origem no segmento eurocomunista do antigo PCB. O eurocomunismo atentou para as mudanças rápidas por que estava passando a sociedade, com reflexos radicais no estabelecimento das relações sociais de produção. A sociedade não estava perdendo seu caráter de classes, mas estava constituindo camadas diversas. Camadas nas duas classes principais sempre foram identificadas, mas o Capitalismo estava formando subclasses indefinidas e se complexificando, fenômeno em andamento acelerado tanto na classe de trabalhadores quanto na classe de proprietários. Os conceitos e categorias marxistas originais, que servem de referência para os partidos ditos marxistas, estavam se tornando muito difusos e não serviam mais para definir a vida social. Essa mudança continua, cada vez mais acelerada.

Tambėm e principalmente, a concepção do socialismo como uma alternativa ao capitalismo a partir de uma formulação artificial, como se fosse possível primeiro teorizar e fazer a modelagem de uma superestrutura para um sistema e, a seguir, implantar esse sistema idealizado, vinha se mostrando infrutífero. Mais que infrutífero, ter um sistema artificial, idealizado, como alternativa ao capitalismo, vinha se revelando uma imensa fraude contra toda a sociedade, acabando com a contribuição de organizar a produção e investir em formação bruta de capital e de realizar o valor no mercado, que no capitalismo ė feito por industriais e comerciantes, ao mesmo tempo que, não revolucionando a Forma Social, o sistema artificial idealizado, batizado de socialismo, não promovia o desejado projeto de Marx de conquistar a emancipação humana. A consequência da experiência do Socialismo Real, tentada em mais de cinquenta países, se revelava frustrante, com a implantação de um sistema fantasioso, propagandeando uma emancipaçåo do ser humano no caminho da realização de sua humanidade, porém, nas suas consequências práticas, vinha tornando o ser humano mais submisso.

Vigorava e vigora, na experiência artificial que ė o socialismo, muito autoritarismo, vigora a negação da democracia e vigora muita perda de produtividade. A centralização da economia, no artificialismo socialista, engessa o desenvolvimento de tecnologia e a inovação, por não premiar o esforço, o conhecimento e o talento individual, e bloqueia a incorporação da tecnologia ao processo produtivo, levando à perda de produtividade do sistema. Como a renda do trabalho é função da produtividade, no artificialismo socialista a produtividade do trabalho cai, derrubando a renda. A sociedade empobrece e não consegue emancipar economicamente os trabalhadores, bloqueando junto sua emancipação social e intelectual. No artificialismo socialista, a almejada emancipação do ser humano e a realização de sua humanidade fica impossibilitada, restando como resultado nessa experiência apenas as marcas violentas do autoritarismo do Estado contra toda a sociedade. Vide os dois últimos regimes socialistas puros remanescentes, Cuba e Correia do Norte, e o arbítrio do Estado contra o povo.

A autonomia de que dispõem o humano ė indutora de sua humanidade.

A forma social no Sistema Medieval, modo de produção anterior ao Capitalismo, era a propriedade da terra. No modo de produção medieval, era a partir da posse da terra que se estabeleciam as relações sociais de produção, e estas relações sociais de produção são definidoras da maioria das demais relações. No sistema medieval o ser humano estava preso à terra e a seu proprietário. Como observado antes, a autonomia de que dispõem o humano é indutora de sua humanidade. No modo de produção medieval o ser humano dispunha de autonomia mais assimilada à escravidão, que era a forma social anterior ao Sistema Medieval, em que um ser humano possuia outro ser humano como coisa, dispondo de sua propriedade direta. Só que, no Sistema Medieval, o ser humano passou a ser propriedade da terra.

Ainda existem escravizados, embora esta não seja mais uma forma social legal.

Observe-se, para evitar equívocos, que o regime escravocrata empregado no modelo colonial brasileiro por Portugal não mais estava inserido no antigo modo de produção escravista; o modo de produção escravista como sistema,
no momento social da colonizaçåo do Brasil, já havia sido superado pelo modo de produção medieval e até já havia iniciado a transição para o Sistema Capitalista. Portugal empregou o escravismo em larga escala nas lavouras e na mineração no Brasil já em um momento inicial de transição do Sistema Medieval para o sistema capitalista, no primeiro renascimento clássico, ainda bem longe dos marcos do capitalismo, a revolução industrial na Inglaterra e a revolução francesa, mas já dentro do Sistema Mercantilista, momento de acumulação primitiva que engendrou o amadurecimento do Sistema Capitalista. O escravizado foi usado como mercadoria no comėrcio trilateral, escravizado/ouro/ mercadorias iindustrial, em operações que envolviam trocas comerciais entre Inglaterra, Portugal e Nações Africanas, e muito protecionismo econômico.

A emancipação conquistada pelos trabalhadores no Sistema Medieval, em relação ao Sistema Escravista, era mínimo, ficando o ser humano não mais preso diretamente a um proprietário direto, mas preso à terra em que trabalhava. Mas a forma social medieval foi um progresso em relação à forma social Escravista. Durante sėculos o Sistema Medieval levou a avanços lentos, mas contínuos, de sua força produtiva. Um novo modo de produçåo surgiria das entranhas do Sistema Medieval, com novas relações sociais de produção, com a superestrutura medieval, seu regime jurídico e sua burocracia não dando mais conta de regular a sociedade, exigindo o estabelecimento de uma nova ordem mundial, com uma superestrutura jurídico-política que destravasse as possibilidades de desenvolvimento das forças produtivas surgidas e suas novas relações de produção.

A nova forma social, em substituição à propriedade da terra, passou a ser o salário.

Com sua contínua implantação, o novo sistema social ganhou um nome, sendo batizado de Capitalismo. Para mim, o Capitalismo ė a mais importante invenção humana até a atualidade, mas, assim como o sistema anterior, o Sistema Medieval, que foi resultado do progresso histórico da humanidade, o Sistema Capitalismo tambėm é um sistema histórico e resultado do pregressismo histórico. E também o Capitalismo será superado, com o próprio desenvolvimento de suas forças produtivas esgotando as possibilidades de sua superestrutura ordenadora, por relações sociais novas surgidas no capitalismo, exigindo nova superestrutura jurídico- política. Assim como tudo na história, acho esse processo inevitável, mas não sei se a superação do capitalismo e sua substituição constituirá efetivamente progresso e significará o que é meu maior desejo histórico, que certamente não verei porque demorará muito, talvez sėculos, que é um novo sistema em substituição ao progressista capitalismo, mas superando a perversidade da lógica que o capitalismo engendra, de excluir economicamente os menos aptos ao regime, com as consequências que disso resulta nas demais relações para o excluído.

Ser progressista é avançar esse progresso no sentido da emancipação do ser humano e na realização de sua humanidade. Ser progressista não ė defender liberdade para uso de drogas ou liberdade para aborto. Pensar que ser progressista é defender drogas e abortos ė menos que brincadeirinha. E ė coisa de gente com nenhuma cultura política!

Atenção: ser progressista ė menos ainda defender corrupção, defender polįticos corruptos ou empresas e empresários corruptos. Empresas e empresários corruptos têm que acabar tanto quanto polįticos corruptos, como Lula e bolsonaro.

Eu acho que, para um filiado, um partido político ser só razoável, quando é um partido muito pequeno, pode ser mais complicado ainda do que um partido não ser segurar razoável. Se o partido é apenas razoável e é pequeno, no Brasil, ele pode em algum momento levar o seu filiado a alianças contrangedoras para quem se nega a ser incoerente. Por isso mantenho simpatia pelo Partido Cidadania23, mas não me filio ao Cidadania. A experiência e formaçåo política arejada e vigorosa de Roberto Freire, seu progressismo e modernidade não são para mim fiadores suficientes. Não ė de um dirigente, por mais bem preparado e íntegro que ele seja, como ė Roberto, que depende o futuro de uma força política. Uma força polįtica depende da soma de muitos, com especificidades mûltiplas, não homogêneos, mas sintonizados com o progresso humano. No Brasil, só temos forças atrasadas, medíocres, autoritárias, cultuadoras de personalizamos e de Muitos, como o lulismo e o conservador Lula e o bolsonarismo e o perigoso bolsonaro.

Dos outros partidos políticos que respeito, pela coerência que buscam, que são o Partido Novo e o PSOL, venho acompanhando e tenho notado perdas em seus projetos iniciais. O Partido Novo e o PSOL não são partidos aos quais eu me filiaria, por eu me identificar com a centro-esquerda e esses partidos estarem, o Partido Novo no fragmento de sabor Direita e o PSOL no fragmento de sabor Esquerda no espectro político. Mas a democracia, da qual depende o progresso humano, precisa de diversidade, e eu torço muito para esses dois partidos conseguirem se constituir sem perderem suas identidades originais.

Eu sou de Centro-esquerda, força gēmea do sabor Centro-direita. Mas no Brasil forçam um clivo conveniente e oportunista Esquerda/Direita. de todo maniqueįsta, extinguindo a riqueza e a coerência ideológica. Tão incoerente que se perde a identidade natural entre as duas forças polįticas de centro e fazem alianças entre quem se diz de esquerda com atores claramente definidos como de direita.

Minha esperança, no início desse processo, era que Ciro Gomes conhecesse essas definições e buscasse com coerência juntar fragmentos de forças de centro e buscasse unidade de projeto para constituir uma alternativa viável ao atraso do exercício da política no Brasil. Estou perdendo minhas esperanças! Ciro, eu lamento muito, tem demonstrado a mesma agressividade sem fundamento que exercitam os dois populistas autoritários, Lula e bolsonaro.

Vou continuar a acreditar. Vou esperar mais um pouco que Ciro faça uma correção e junte forças saudáveis e realmente progressistas para avançar planos e ideias. Condições para isto eu continuo acreditando que ele tenha, mas começo a achar que Marina Silva estava certa e que a presença de João Santana e o œdio que João Santana espalha contaminou a campanha de Ciro!

Fora isso nos sobrarão o autoritarismo, o conservadorismo e a corrupção dos populistas bolsonaro e Lula, nos quais votar significa sujar as próprias mãos com sangue.

Se só sobrarem rato e gato para votar, eu me nego a votar no rato bolsonaro e também me nego a votar no gato Lula. Se só sobrarem gato e rato para meu voto, não anularei o voto, mas votarei em branco!

Responder

Sá Pinho

22 de dezembro de 2021 às 16h39

De caso pensado ou não, cruel, muito cruel a Redação… E não bastando, ainda mais sutil que pata de elefante.

Logo chega devoto da Ordem do Espelho cravando que a Redação ‘morou’, nas entrelinhas da capciosa armação da filosofia.

Mas que a equilibrada reveladora pimenta da Redação é inteligente, profissional, competente e da hora, isso é, e certamente, passado o esperado destempero, até mesmo o auto agraciado “da Massa” (em contraditória fase de expansão singular para o plural, quando singulariza-se cada vez mais nas pesquisas) irá concordar no escurinho do cinema, com o que revela o translúcido espelho da Redação.

Por falar em escurinho do cinema, a tal ‘terceira via’ está parecendo a comédia, “Deu a louca no Mundo”, com o “da Massa” representado pelo personagem, J. Russell Finch, interpretado por Milton Berle.

Confiram que é divertidíssimo…, o filme, não a terceira via ou o “da massa” soltando cobras e lagartos.

Responder

canastra

22 de dezembro de 2021 às 11h40

Ccirolipa é doido na cabeça, como pretende fazer politica chamando todo mundo de bandido…?

Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro