Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Exclusivo! Bolsonaro quer entregar tecnologia nuclear brasileira à iniciativa privada!

Por Miguel do Rosário

09 de fevereiro de 2022 : 16h56

O Cafezinho teve acesso a um conjunto de informações e documentos que circulam dentro da Eletrobrás, a estatal de energia que o governo Bolsonaro quer privatizar a toque de caixa.

São informações públicas, mas que não tem sido divulgadas pela imprensa brasileira, que é aliada do governo quando o assunto é a dilapidação do patrimônio público.

Segundo esses documentos, o governo Bolsonaro pretende entregar 70% da Eletronuclear, a subsidiária da Eletrobrás responsável por todo o programa nuclear brasileiro, à iniciativa privada, na forma de ações preferenciais.

A União manteria o controle do programa nuclear brasileiro, através das ações ordinárias, mas a iniciativa privada teria a maior parte (70%) das ações prefenciais, e com isso, poderia ter acesso a informações estratégicas e secretas, além de exercer o controle econômico sobre o programa.

A privatização da Eletrobrás foi aprovada no Congresso em junho do ano passado, e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, através da lei nº 14.182, em 12 de julho de 2021.

A equipe econômica do governo quer fechar os últimos detalhes da venda da estatal até meados de março. Um dos pontos complicados é justamente a Eletronuclear. A subsidiária teve de ser separada do projeto de desestatização, por conta da necessidade constitucional de manter a produção de energia nuclear sob controle estrito do Estado.

Em 10 de setembro de 2021, o decreto 10.791 criou uma estatal, a ENBPar (Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional S.A), destinada a absorver a participação brasileira em Itaipu Binacional, a Eletronuclear, e alguns programas governamentais e bens da União administrados pela Eletrobras.

O orçamento da União para 2022, porém, só previu R$ 4,0 bilhões para essa nova estatal, valor insuficiente para o pagamento à Eletrobras pela perda da Eletronuclear, além de não contemplar a necessidade de capitalização do programa nuclear brasileiro, em especial a conclusão das obras de Angra 3.

Estima-se que serão necessários mais R$ 16 bilhões para a conclusão de Angra 3, para deixá-la pronta e em funcionamento em 2028.

Entretanto, a solução encontrada pelo governo para acelerar a privatização da Eletrobrás, sem a necessidade de indenizar a estatal por separá-la da Eletronuclear, coloca em risco o programa nuclear brasileiro.

E por que coloca em risco? Por que a empresa que comprar a Eletrobrás ganhará de “brinde” 70% das ações ordinárias da Eletronuclear!

Apesar dos formuladores deste projeto bizarro alegarem que a União manterá o controle da Eletronuclear,  a empresa privada que comprar a Eletrobrás ficará responsável pela capitalização do programa nuclear brasileiro, incluindo os recursos necessários para a conclusão de Angra 3. Ou seja, o controle de facto, real, de boa parte do programa nuclear brasileiro será de uma empresa privada, quiçá estrangeira!

Bolsonaro se elegeu com o slogan “Brasil acima de tudo”. Mas vai terminando o seu governo colocando os interesses do Brasil sempre em último lugar. A construção de Angra 3 seria fundamental para reduzir a dependência do país de termoelétricas movidas a diesel, gás natural e carvão, que produzem energia a um altíssimo custo, além de altamente poluentes.

Fontes do blog explicaram ainda que, se a privatização da Eletrobrás acontecer, o Brasil não apenas entregará o controle do programa nuclear a empresas privadas, como pode expor o país a todo o tipo de sabotagem econômica ou geopolítica, pois na eventualidade de fundos abutres adquirirem a Eletrobrás, pode ser do interesse deles paralisar as obras de Angra 3, em função de cálculo de curto prazo, ou mesmo por motivos mais sombrios.

Tecnologia nuclear mexe com grandes interesses geopolíticos, e o Brasil possui tecnologias originais, próprias, criadas no programa liderada pelo Almirante Othon Pinheiro, que até hoje o Estado conseguiu manter protegidas.

A privatização da Eletrobrás, e a entrega do controle real da Eletronuclear a empresas privadas, é um perigosíssimo atentado à soberania nacional!

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Ermes

09 de fevereiro de 2022 às 20h21

Isso não é possível tanto que já tem nova empresa estatal em funcionamento que assumiu a Eleteonuclear e que por tanto não fará parte da privatização da Eletrobras e nem de venda de ações.

Onde arrumam essas deatrambelharias…?

Responder

Nunes

09 de fevereiro de 2022 às 20h17

O Cafezinho não sabe que foi criada empresa estatal pra isso ? A ENBPAR

Responder

Ronei

09 de fevereiro de 2022 às 20h00

Quais fontes seriam essas…os sindicatos de sempre ?

A “tecnologia nuclear brasileira” criada por um lavador de dinheiro que tinha conta de 20 milhões de dólares na Suiça é a mesma dos outros países ou mais retrógrada ainda.

Quem assumirá isso deverá completar as obras de Angra 3 que em caso contrário não seriam completadas nunca pelos motivos de sempre… gestão feita com as nádegas e roubalheira.

Obrigado pela boa notícia.

Responder

Kleiton

09 de fevereiro de 2022 às 19h56

Ótima notícia.

Responder

EdsonLuíz.

09 de fevereiro de 2022 às 18h04

Dar acesso a segredos estratégicos, quanto mais no tema energia atômica, é inadmissível.

Mas a proteção desses segredos estratégicos na área de energia atômica não pode servir de argumento para setores corporativos que desejam ter seus interesses agasalhados em estatais impeçam que o Estado se livre de empresas que não mais precisa controlar e use os recursos arrecadados com a privatização em novos investimentos estatais, em iniciativas tecnológicas de fronteira que ainda não despertam interesse privado no investimento e precisam da participação do Estado para iniciarem.

Qual o tamanho do interesse que despertam os segredos na área de energia atômica nos grupos ideológicos fundamentalistas de direita ou de esquerda e nos fundamentalistas religiosos?

É possível privatizar sem deixar de proteger os segredos estratégicos e sem dar acesso a grupos perigosos às políticas e tecnologias atômicas sensíveis, que não podem ir junto com a privatização. Pelo mesma necessidade de proteção, para que não caiam na mão de gente perigososa, esses segredos não podem ficar sob a responsabilidade de nenhum cientista sabidamente corrupto.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Maranhão O Xadrez para Governador do Rio Grande do Sul O Xadrez para Governador da Bahia O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro