Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Imagem: Agência Senado

Gilmar volta a criticar a Lava Jato

Por Redação

26 de junho de 2022 : 10h57

Neste domingo, 26, o ministro Gilmar afirmou considerar que em duas décadas na Suprema Corte, os processos mais críticos do STF estão relacionadas a extinta Operação Lava Jato.

Segundo Gilmar, a Lava Jato foi um projeto político liderado por juízes e procuradores gananciosos por poder e dinheiro. O ministro criticou as tais 10 medidas anticorrupção

“Os senhores vão se lembrar, por exemplo, de Curitiba. Sem nenhum menoscabo, mas está longe de Curitiba ser o grande centro de liderança intelectual do Brasil”, disse Gilmar ao Correio Braziliense.

“Não obstante, Curitiba passou a pautar-nos. Tinha normas que praticamente proibiam o habeas corpus. Normas tão radicais quanto a do AI-5. Proibição de liminares e coisas do tipo. A Lava Jato era um projeto que ia para além das atividades meramente judiciais. E (os integrantes) passaram, também, a acumular recursos”, completou.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Daniela

31 de julho de 2022 às 12h28

É Ministro Gilmar, não podemos esquecer que o STF foi conivente durante todo o processo da Lava Jato! . Outra injustiça cometida pelo órgão foi o impeachment da Dilma. A atuação de vocês ficará para a história, aliás, triste história do Brasil, assim como a ditadura militar.

Responder

henrique de oliveira

27 de junho de 2022 às 09h15

Na constituição brasileira não existe prisão em segunda instância , o resto é mi mi mi de ignorantes e nazistas.

Responder

Paulo

26 de junho de 2022 às 18h56

Falar é fácil…Olhar o próprio rabo é mais difícil. A verdade é que a raivinha do triunvirato Mendes, Tofóli e Lewandowski, em relação a Lava-Jato, foi a suposta tentativa de investigá-los…No STJ é a mesma coisa…

Responder

Zulu

26 de junho de 2022 às 15h47

O Brásil foi sequestrado e estuprado por quase dias décadas dia e noite pelas quadrilhas de animais que a Lava Jato enrabou, principalmente o PT.

Os dois maiores partidos italianos envolvidos em “maos limpas” se revezavam no poder nos antes anteriores e nas eleições seguintes a operação tiveram 2% de votos e foram extintos como natural consequência dos fatos. Outros partidos e outras pessoas apareceram e a democracia foi se desenvolvendo.

Nesse fim de mundo (com pelo menos 30 anos de atráso do resto do Mundo civilizado) ainda estamos com gangues de assaltantes como o PT no meio dos pés, de bandidos como Lula e comparsas, ecc…

Responder

Tony

26 de junho de 2022 às 14h18

Esse é de longe o mais canalha do STF.

Responder

Kleiton

26 de junho de 2022 às 11h09

Sabemos muito bem quem se lambuzou de bilhões de dinheiro público para ficar no poder.

Gilmar Mendes mudou o voto sobre a prisão em segunda instância de um dia pro outro para soltar o larápio e seus comparsas.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina