Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Imagem: Divulgação

Reman paralisa produção por falta de petróleo

Por Redação

22 de setembro de 2022 : 10h18

Para FUP e Sindipetro-AM, escassez é consequência de privatização recém concretizada. Venda da refinaria foi contestada no Cade em maio

A Unidade U2111 da Refinaria Isaac Sabbá (Reman), em Manaus, está paralisada desde o início desta semana por falta de petróleo. A interrupção ocorre menos de um mês depois da aprovação da venda da refinaria para o Grupo Atem pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

A operação de venda da Reman havia sido contestada em maio deste ano pela Federação Única dos Petroleiros (FUP), Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobrás (Anapetro) e Sindicato dos Petroleiros do Amazonas (Sindipetro-AM), com a justificativa de que a privatização geraria monopólio na região e risco de desabastecimento.

“A parada por desabastecimento é prova da incompetência da atual gestão da Reman, além de ser mais uma consequência da venda da refinaria para o setor privado, comprovando os alertas feitos por nós ao longo dos últimos meses”, afirma o coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar.

A refinaria, que opera desde 2000 com capacidade de processamento de 7,3 milhões de litros de petróleo por dia – o equivalente a 46 mil barris a cada 24 horas –, já se encontrava com a unidade UFCC paralisada. Com isso, apenas 3,4 mil barris/dia (7,4% da capacidade total) estavam sendo produzidos.

A parada da U2111, responsável pelo processamento do petróleo de Urucu, agrava ainda mais a situação, deixando em funcionamento apenas uma unidade na Reman, a U2110. Atualmente, a Reman é responsável pelo suprimento da região Norte, produzindo principalmente GLP, nafta petroquímica, gasolina, querosene de aviação, óleo diesel, óleos combustíveis, óleo leve para turbina elétrica, e óleo para geração de energia e asfalto.

A justificativa oficial da atual gestão da Reman para a nova paralisação é um problema com a balsa de transporte. “Após a paralisação forçada de uma unidade, priorizando as importações de gasolina e GLP, agora a Petrobrás justifica a falta de produto alegando um problema logístico. Isso nunca aconteceu antes. É um absurdo completo que precisa ser denunciado”, finaliza o coordenador-geral do Sindipetro-AM, Marcus Ribeiro.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário