Diretas-Já de FHC é discurso de mentirinha, pra enganar trouxas, diz analista do Estadão - O Cafezinho

O Cafezinho

segunda-feira

19

junho 2017

30

COMENTÁRIOS

Diretas-Já de FHC é discurso de mentirinha, pra enganar trouxas, diz analista do Estadão

Escrito por , Postado em Redação

Loading...

Em sua coluna de hoje, o colunista José Roberto Toledo faz uma denúncia muito grave, embora disfarçada por seu estilo discreto: a Diretas Já defendida por FHC e de alguns tucanos, sob a capa de eleições gerais antecipadas, é uma grande farsa.

FHC sabe que a antecipação das eleições de 2018, envolvendo todos os governadores e parlamentares, é politicamente inviável. Até porque não teria apoio sequer de seus parlamentares e governadores. E apenas por isso FHC a defende: ela ajuda a quebrar um pouco a imagem, do PSDB, de partido aliado do governo Temer, a manter um mínimo de vínculo com a opinião pública, esmagadoramente favorável a novas eleições.

E se, por acaso, a crise continuar se aprofundando e a única saída realmente for novas eleições, diz Toledo, o PSDB poderá alegar que ele também a apoiou.

No entanto, é o que está implícito no texto de Toledo, o PSDB não encetará nenhuma energia real na construção de um consenso em favor de novas eleições.

Ou seja, é um discurso de mentirinha. Para enganar os trouxas.

Toledo considera, todavia, que nenhum grande partido, incluindo o PT, está interessado, realmente, em eleições antes de 2018.

Pode até ser. Não sei o desejo “secreto” do PT. Mas o fato é que partido dos trabalhadores está, na prática, investindo tempo e energia na defesa de eleições, e seus simpatizantes, militantes, eleitores ou ex-eleitores de esquerda, estão se mobilizando com muita força por eleições diretas.

Não se pode dizer nada parecido da “base social” do PSDB, cujo núcleo hoje é o eleitor que batia panelas para Dilma e participou das manifestações do impeachment. Esse setor social está pendurado exclusivamente na interminável novela da Lava Jato, cujo roteiro é escrito dentro do Projac.

Além disso, quando se olha para os candidatos dos respectivos partidos, PT e PSDB, as pesquisas indicam que o primeiro tem um candidato forte e o segundo, não.

O título do texto de Toledo, porém, e sua comparação – um tanto forçada – com as eleições na França, não tem nada ver com seu próprio raciocínio.

As eleições francesas dão oportunidade para muitas reflexões, e não necessariamente ruins para a esquerda, apesar da derrota histórica do partido socialista.

O aspecto positivo das eleições francesas é que ela prova a capacidade do eleitor contemporâneo de surpreender os partidos tradicionais e criar, quase de um dia para outro, uma nova força política.

O vai e vem da política francesa acontece a sua revolução de 1789: é típico da cultura francesa o pêndulo entre esquerda e direita, frequentemente de maneira radical.

A novidade, de qualquer forma, não foi tanto a derrota do partido socialista, que era esperada em virtude do desgaste político de vários anos de hegemonia no Executivo e Legislativo, somado à perda de todo contato com a juventude e com a classe trabalhadora, a novidade das eleições legislativas francesas foi o recuo além do esperado da extrema-direita.

O movimento França Insumbissa, encabeçado por Melenchon, que teve uma boa votação no primeiro turno das eleições presidenciais, apesar do desempenho pífio nas eleições legislativas, consolidou-se como principal força de esquerda no país, após empatar, em número de votos, com o famigerado Le Pen. Com uma diferença óbvia: enquanto Le Pen não tem apoio de nenhum economista sério, nenhum intelectual importante, nenhum artista, e suas manifestações populares são pequenas e envergonhadas, a França Insubmissa tem apoio de vários economistas, vários intelectuais e tem ficado a frente de manifestações cada vez maiores, com grande número de jovens, convergindo com uma revolta cada vez maior da classe trabalhadora francesa. Se o governo Macro não entregar melhorias econômicas substanciais, ele terá dificuldades crescentes de se opor às forças das ruas.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário

Editor em Cafezinho
Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.
Miguel do Rosário

segunda-feira

19

junho 2017

30

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

30 COMENTÁRIOS

  1. Cesar volpe
  2. Regina Maria de Souza
  3. Antonio Moda Francisco Jr
  4. Tabuleiro geopolítico
  5. GABRIEL
  6. Astrogildo Beraldo
  7. Joao
  8. Fábio Lima
    • carlos