Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

A fragmentação da oposição

Por Miguel do Rosário

13 de março de 2013 : 17h21

 

PPS flerta com Serra para fortalecer Campos em 2014

Ex-governador tucano mantém distância da candidatura de Aécio

Maria Lima, no Globo

BRASÍLIA — Submerso desde a derrota para o petista Fernando Haddad, na disputa pela prefeitura de São Paulo, o ex-ministro e ex-governador José Serra continua longe dos movimentos para impulsionar a pré-candidatura do senador Aécio Neves (MG) a presidente da República pelo PSDB. Aécio tentou uma aproximação com Serra em janeiro, mas não prosperou. Descontente com seu isolamento no partido, agora o tucano paulista está sendo sondado pelo presidente do PPS, deputado Roberto Freire (PE), que quer integrá-lo num projeto ambicioso: a fusão do PPS com o nanico PMN, que poderia agregar parlamentares da base governista e da oposição em direção à pré-candidatura do governador pernambucano Eduardo Campos (PSB).

Uma estimativa inicial dá conta de que o projeto poderia reunir uma bancada de cerca de 40 deputados. A lei prevê que, no caso de fusão para criação de um novo partido, o parlamentar não perde o mandato por infidelidade partidária se mudar de legenda. Roberto Freire confirma as conversas neste sentido, mas é cauteloso.

— Isso pode acontecer (Serra aderir ao projeto da fusão). Mas não tem nada de concreto, é uma hipótese que estamos discutindo. Vamos aguardar. Se a fusão acontecer pode agregar todos que procuram um novo projeto, um candidato alternativo. Essa janela pode ser muito grande — afirmou Freire, que diz ter uma relação muito próxima com a ex-deputada Telma de Souza (SP), presidente do PMN.

O líder do PSB na Câmara, deputado Beto Albuquerque (RS), diz que, legalmente, ainda há dúvidas sobre a segurança dessa janela que os simpatizantes da candidatura Eduardo Campos poderiam usar para se integrar ao novo projeto. Mas é otimista.

— Pelo movimento ao redor de Eduardo Campos, essa migração não seria pequena. Tem muita gente querendo migrar — disse o parlamentar.

Paulista quer protagonismo no PSDB

No PSDB, enquanto Aécio cresce e Serra fica fora dos holofotes, os tucanos evitam debater publicamente a divisão. Mas, nos bastidores, dizem que o problema de unidade no partido hoje se chama José Serra. Os serristas reconhecem isso, mas acrescentam um ingrediente polêmico: Serra certamente não quer ser candidato, mas pode ficar contra a candidatura do mineiro.

Trancado em casa, dando aulas e com pouquíssimos contatos políticos, Serra ouviu de Aécio, em janeiro, que era preciso unir o partido para que o PSDB consolidasse um projeto único para a disputa com a presidente Dilma Rousseff, em 2014. Serra lhe respondeu que ele não atrapalhava nada.

Esta semana, um aliado de Serra disse que ele quer ser considerado nas articulações para escolha da nova executiva do PSDB, em maio, e do comando da futura campanha, mesmo que não apareça como nome para disputar com Aécio a indicação para presidenciável.

— Se o Aécio quer ser presidente ele tem que fazer o gesto, ir ao Serra e pedir seu apoio. Henrique de Navarra era protestante e se converteu ao catolicismo para ser Rei de França. Serra não será candidato, mas pode ficar contra Aécio — aconselhou o tucano.

Procurado nesta terça-feira pelo GLOBO, para falar especificamente sobre esse assunto, o ex-governador José Serra não retornou aos pedidos encaminhados por meio de sua assessoria.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

roberto

14 de março de 2013 às 09h50

caro miguel,

há algo de estranho nesta matéria do globo.Se for a mesma pessoa,Telma de souza é deputada estadual por são paulo e continua sendo do pt.

Responder

    Miguel do Rosário

    14 de março de 2013 às 13h23

    Foi erro da matéria. Eles publicaram errata hoje. É outra Telma, a Ribeiro, secretária nacional do PMN.

    Responder

Deixe um comentário