Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Azeredo renuncia. Acabou a farsa de “julgamentos iguais”

Por Miguel do Rosário

19 de fevereiro de 2014 : 14h04

Reproduzo abaixo um contudente artigo de Paulo Moreira Leite, comentando o fim da farsa de que o mensalão tucano seria julgado com a mesma régua com que se julgou o mensalão petista. Acrescento alguns comentários.

Eu não torço para que ninguém, nem o meu pior inimigo, seja julgado segundo os critérios usados na Ação Penal 470. Aquilo foi um acinte ao Estado democrático de direito, e aos direitos humanos mais fundmentais assegurados em nossa Constituição. Condenação sem prova? Domínio do fato? Artimanhas processuais desonestas? Ocultação de documentos? Sem duplo grau de jurisidição? Juízes ligando para Merval Pereira no dia seguinte para “justificar” seus votos (inclusive Lewandowski! Sim, Lewandowski!)? Presidente do STF escrevendo prefácio do livro de Merval Pereira, e participando do lançamento do mesmo (junto com Gilmar Mendes!) alguns dias depois de sair do STF?

Não, isso é errado de qualquer forma, não importa o partido no poder ou na oposição. É lamentável que alguns setores do Brasil tenham se aferrado a essa jogada política para compensar a derrota nas urnas.

O Globo, em editorial recente, veio com essa ladainha de tratament igual para o mensalão tucano. Mas no próprio texto, já se notava a falsidade, porque tenta-se uma jogada para pintar o mensalão tucano como “menor”.  Não foi menor. O Globo compara R$ 3,5 milhões de verba pública no mensalão tucano aos R$ 100 milhões do mensalão petista. Mas é um cálculo maroto, porque o mensalão petista não envolveu verba pública. E se fosse contabilizar os desvios totais do mensalão tucano, que inclusive envereda pela eleição de Fernando Henrique, pelos cartéis, pela privatização e pela compra da reeleição, teríamos valores dezenas de vezes superior a qualquer corrupção petista.

Aliás, chega a ser engraçado. Só o fato de um jornal ter de escrever um editorial com esse título (“Sem favorecimento também no mensalão tucano”) já é uma bandeira. É como um ladrão que te liga para avisar que não roubou seu celular, antes mesmo de você notar sua falta.

 

ScreenHunter_3340 Feb. 19 13.53

ScreenHunter_3341 Feb. 19 13.53

 

*

A RENUNCIA DE AZEREDO E A RESPONSABILIDADE DO STF

Farsa de que haveria tratamento igual para denúncias iguais contra PT e PSDB durou muito mas acabou

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog.

Com a renúncia ao mandato de deputado federal, prevista para ser anunciada oficialmente a qualquer momento, Eduardo Azeredo vai escapar do julgamento no STF e garante transferência automática para a primeira instância.

É o fim da farsa de que a Justiça iria dar tratamento igual para denúncias iguais.

Eduardo Azeredo passa a ter direito, agora, a um duplo grau de jurisdição, em Belo Horizonte. Mas, na capital mineira, o processo sequer terminou a fase incial.

As testemunhas não foram ouvidas, a defesa não apresentou suas alegações nem o Ministério Público apresentou a denúncia.

E quando tudo isso for feito, quem for condenado terá direito a segunda instância. Quando isso vai acontecer? Ninguém sabe.

Mas todo mundo sabe, por exemplo, que o mensalão PSDB-MG chegou ao STF dois anos antes do que a denúncia contra os petistas.

A renúncia de Azeredo destrói uma ilusão. Impede que se salvem as aparências. É o absurdo jurífico na forma de fratura exposta.

Mas há responsabilidades por isso. Não é “o sistema.”

Em agosto de 2012 o STF negou, por 9 votos a 2, que os réus da AP 470 tivessem direito ao desmembramento. Meses antes, os ministros asseguraram o desmembramento aos réus do mensalão PSDB-MG.

A desigualdade nos direitos dos réus foi definida ali e era só uma questão de tempo que mostrasse sua utilidade.
Dois pesos, dois mensalões, escreveu Janio de Freitas, na época. No mesmo dia, há dois anos, alertei que esse tratamento desigual teria um efeito duradouro sobre o julgamento.

Claro que teve. Garantiu a impunidade de alguns e a pena máxima, agravada artificialmente, de outros.

Quem dizia que o STF estava punindo “ poderosos “, que isso “ nunca fora feito antes” pode cancelar o baile e pedir o dinheiro dos ingressos de volta.

Essa visão foi coberta de ridículo pela decisão de Azeredo. O deputado federal não está errado. Fez aquilo que os juizes disseram que poderia fazer. Quem vai condenar?

A outra face da AP 470 foi escrita agora, com todas as letras.

Ao verificar que não era possível livrar-se de uma denúncia e que corria o risco de ser condenado a 22 anos, Azeredo caiu fora.

Estava autorizado a fazer isso pela decisão do STF.

Se este critério tivesse sido aplicado na AP 470, José Dirceu, Delúbio Soares, Henrique Pizzolato e outros 30 réus sequer teriam passado pelo STF. Estariam na primeira instância. E, se resolvessem seguir o exemplo de Azeredo, Genoíno, João Paulo Cunha e outros parlamentares só precisavam renunciar para ter acesso aos mesmos direitos.

A História da AP 470 teria sido outra.

Com a renúncia, Eduardo Azeredo dá adeus a Joaquim Barbosa, a Gilmar Mendes e outros leões do “ maior julgamento da história.”

Para os ministros, vai ser um alívio, tenho certeza.

Uma coisa foi aplicar a Teoria do Domínio do Fato contra Dirceu, Genoíno e Delúbio, sob aplauso dos meios de comunicação. Ali era possível falar em “ flexibilidade “ das provas, em condenar réus enquanto se mantinha, em caráter sigiloso, documentos e testemunhas que poderiam ser úteis em sua defesa.

Outra coisa seria encontrar atalhos equivalentes para condenar Eduardo Azeredo com o mesmo rigor.

Não que não houvesse provas para isso. Havia, e até mais robustas que as provas da AP 470. Se você acredita que era um caso regional, mineiro, saiba que é um conto do vigário. Quando a vida de Marcos Valério e outros publicitários do esquema ficou difícil, em Minas Gerais, por causa da oposição do governador Itamar Franco, suas agências se mudaram para Brasília. Ganharam contratos no Banco do Brasil, no Ministério dos Esportes. Mobilizaram verbas milionárias do Visanet. Tudo como se faria depois, no governo Lula. Mas agora, era o governo Fernando Henrique.

Os diretores do Banco do Brasil eram os mesmos. Até o responsável pelos pagamentos a Visanet, nomeado pelo PSDB, permaneceu no posto quando o governo mudou. Como Azeredo, ele também escapou, deixando toda a culpa para Henrique Pizzolato. Não foi sequer indiciado.

Mas imagine um réu do PSDB sendo acusado de corrupção, em 2014, quando o julgamento poderia tornar-se uma pedra no discurso ético de Aécio Neves?

Quem iria chamar tucano de mensaleiro, estimulando atitudes agressivas, de tipo fascista, contra Azeredo?

Nada disso, meus amigos.

A farsa acabou.

De minha parte, acho até que durou muito.

20120726_ricardo1

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Ricardo Pinto

20 de fevereiro de 2014 às 15h58

O Zé Dirceu estava a anos fora de cargo público ainda assim foi ao STF. Pizzolato como bancário foi ao STF e até as secretárias tiveram o foro privilegiado de serem massacradas no linchamento do showsalão. É…

Responder

João Só

19 de fevereiro de 2014 às 23h28

Podem roubar a verdade via processo espúrio do Mensalão, podem achincalhar os dirigentes petistas injustamente presos, o Batman pode ser endeusado pela mídia golpista, mas o PT reelege a Dilma com o Bolsa Família. É só espalhar, às vésperas da eleição de 3 de outubro que o adversário da Dilma vai acabar com os benefícios para o povão.

Responder

Henrique

19 de fevereiro de 2014 às 22h06

Com isto, confirma-se que o “mentirão”, ops, ação penal 470 foi e é a fase de uma enganosa sabedoria – mas sim de uma sabedoria(?) holofótica – a que se sujeitou o STF com “sua” justiça à sombra da mídia.

Responder

Luciano

19 de fevereiro de 2014 às 18h20

Não interessa em que corte ele seja julgado, irá receber ajudinha dos amigos de toga de qualquer jeito. A mídia não irá explorar o caso diariamente na TV, jornais e revistas como fez com os petistas, mostrando fotos e com as repetidas acusações de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e peculato e blá blá blá. É GOLPE para parecer que se está fazendo “justiça” com os dois lados. Estão fazendo média! Azeredo não irá para a cadeia. O PT já está sendo linchado a 9 anos pela mídia. Alguém consegue imaginar a Globo falando do caso dele repetidamente até 2023 ???

Responder

Ermindo Castro

19 de fevereiro de 2014 às 20h09

fazem o que querem e tudo certo !!!!

Responder

Ermindo Castro

19 de fevereiro de 2014 às 20h09

eles nuca iriam para julgamento como foi dito. srs. como acreditar na justica e seus menbros ????la em cima ???

Responder

Cenival Dias

19 de fevereiro de 2014 às 20h05

Não duvidaria se descobrissem que essa manobra tenha sido uma orientação do próprio JB

Responder

Wesley Aganeth O Caeté

19 de fevereiro de 2014 às 19h56

cade o menino pobre que ia mudar o Brasil…. JB f.d.p ” capitao do mato”

Responder

Alice Ines Silva

19 de fevereiro de 2014 às 18h55

STF tem o dever moral de desconsiderar esta manobra da renúncia. STF PARA O AZEREDO. Pau que dá em Chico tem que dar em Francisco tambem, não é.

Responder

Alice Ines Silva

19 de fevereiro de 2014 às 18h53

Se o STF tivesse o mínimo de coerência (o que está provado que não tem) teria dado o mesmo tratamento do ‘mensalão’ do PT, quando TODOS foram julgados no Supremo, mesmo quem não deveria ter sido, por não ter foro privilegiado. Mas tambem, como eles então poderiam crucificar José Dirceu, Genoino e Delúbio??

Responder

Rafael Paiva

19 de fevereiro de 2014 às 17h15

realmente, ficou com medo do STF…

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?