Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

IBGE: Inflação de alimentos recuou em fevereiro

Por Miguel do Rosário

12 de março de 2014 : 10h02

Passeando pelo meu twitter, ouvi uma risadinha vindo da minha TL. Era a Miriam Leitão, eufórica com a “alta” na inflação de fevereiro, divulgada há pouco pelo IBGE.

A inflação de fevereiro ficou em 0,69%, contra 0,55% em janeiro. No acumulado 12 meses, ela subiu de 5,59% para 5,68%, ainda o segundo menor patamar em mais de 13 meses, só abaixo de janeiro deste ano.

inflajaneiro

ScreenHunter_3484 Mar. 12 09.55

Quando a notícia é ruim, não há adversativos. Não há nada como: “Inflação sobe em fevereiro, mas preços de alimentos caem”.

Não. Quando eles encontram uma notícia ruim, é pau puro.

Entretanto, essa é a verdade sobre a inflação de fevereiro, segundo o IBGE. Ela foi puxada principalmente pelo reajuste nas mensalidades escolares. Não é uma inflação estrutural.  

Os itens mais importantes para o povo, alimentação, energia elétrica e transportes, registraram declínio inflacionário.

A inflação do item Alimentos e Bebidas caiu de 0,84% em janeiro para 0,56% em fevereiro.

É preciso entender que a inflação brasileira tem um fator estrutural ligado às mudanças nos padrões de renda.

O setor de serviços, por exemplo, tem ficado mais caro, efetivamente, por duas razões boas.

1) A demanda aumentou de maneira avassaladora. Eu vejo aqui no meu bairro, no centro do Rio, com predomínio de classe média baixa. A quantidade de salões de beleza e academias de ginástica que abriram nos últimos anos é um fenômeno de cair o queixo. E todos estão cheios.

2) Os trabalhadores do setor de serviços estão cobrando mais caro. Cabeleireiros, manicures, professores, todo mundo está cobrando um pouco mais. Como é o setor que mais gera empregos, a melhor remuneração desses setores gera profundo e positivo impacto social.

Alguns serviços estão com inflação abaixo da média. Por exemplo: passagens aéreas, motel, serviços laboratoriais e hospitalares.

 

ScreenHunter_3476 Mar. 12 09.28

ScreenHunter_3477 Mar. 12 09.30

ScreenHunter_3480 Mar. 12 09.47

tomate

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Mosteiro da Paz

13 de março de 2014 às 19h09

Como se já não bastassem os problemas com transportes, saúde e educação, o povo do Rio de Janeiro tem sofrido muito com a alta de preços. Em fevereiro, a Região Metropolitana do Rio apresentou a maior taxa de inflação entre 13 regiões avaliadas em todo o país. A alta foi de 1,07%, puxada principalmente pelo reajuste nas passagens de ônibus. O problema não é de agora e se acentuou nos últimos 12 meses: enquanto o IPCA no Brasil ficou em 5,68%, na Região Metropolitana do Rio a inflação foi de 6,8%, de longe a maior entre as regiões avaliadas. Lindberg Farias

Responder

Miguel Do Rosario

12 de março de 2014 às 21h13

mosteiro, em dois anos, a inflação foi de 12%, ou seja, foi alta. Em setores de serviço, foi bem maior. não estou minimizando. Mas ela está controlada. E o salario minimo e a renda média está aumentando acima da inflação, mas isso é média. eu mesmo, graças a preferência dos meus leitores e a meu trabalho duro neste blog, estou ganhando muito mais do que há dois anos. tem gente que consegue ganhar mais, tem gente que fica parado ou mesmo passa a ganhar menos. isso são os problemas do capitalismo. o importante é termos um colchão social, com programas sociais, e aumentar o salário mínimo, que aumentou 72%, em termos reais, em 10 anos.

Responder

Mosteiro da Paz

12 de março de 2014 às 14h22

claro quem ta no poder sempre vai mascarar os índices….

Responder

Mosteiro da Paz

12 de março de 2014 às 14h21

ou estou errado?….

Responder

Mosteiro da Paz

12 de março de 2014 às 14h21

não acredito em ninguém …só que meu dinheiro não compra mais o que eu comprava há uns dois anos atrás….e quando o preço dos alimentos sobe e o salário não …isso se chama inflação…

Responder

O Cafezinho

12 de março de 2014 às 14h18

ué, mosteiro, você acredita em alguns números do IBGE, e não em outros?

Responder

Mosteiro da Paz

12 de março de 2014 às 13h44

Puxada por educação, inflação sobe para 0,69% em fevereiro

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/puxada-por-educacao-inflacao-sobe-para-069-em-fevereiro-11855773#ixzz2vkv7Heh7
© 1996 – 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Responder

Mosteiro da Paz

12 de março de 2014 às 13h42

Ficou bem mais caro comer em Florianópolis. A capital catarinense registrou em fevereiro o maior valor para a cesta básica, segundo a Pesquisa Nacional da Cesta Básica realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Responder

Mosteiro da Paz

12 de março de 2014 às 13h40

só se for no armazém do ibge…

Responder

Deixe um comentário

Por que devemos confiar nas Urnas Eletrônicas? Viaje no Universo Profundo com o Telescópio James Webb O Xadrez para Governador do Ceará