Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Haddad e Dilma negociam construção de moradias populares na ocupação “Copa do Povo”

Por Miguel do Rosário

29 de maio de 2014 : 11h11

Espero que isso dê certo.

Sei que a imprensa e a direita vão tentar sabotar ao máximo, mas se o prefeito e o governo federal conseguirem chegar a um acordo para construírem casas populares na ocupação hoje denominada Copa do Povo, área invadida próxima à Arena Corinthias, será uma sinalização fantástica na direção de políticas mais humanistas e democráticas de moradia nas grandes cidades brasileiras.

O problema dos sem-teto nas metrópoles é muito grave, por isso eu apoio o protesto deles. Eu só reclamo quando é manifestação de coxinhas manipulados pela mídia.

*

Haddad já admite dar área para sem-teto

Emenda ao Plano Diretor destinará para moradia popular parte da área de 150 mil m² invadida na zona leste e chamada de Copa do Povo

29 de maio de 2014 | 3h 00

Adriana Ferraz e Diego Zanchetta – O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO – A gestão Fernando Haddad (PT) já negocia com o governo federal a construção de moradias populares no terreno onde o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) promove, desde o início do mês, a ocupação Copa do Povo, a 4 km da Arena Corinthians, na zona leste da capital. A emenda que permitirá com que a área de 150 mil m² seja classificada como uma Zona Especial de Interesse Social (Zeis) deve ser entregue pelo Executivo aos vereadores na próxima semana.

Nesta quarta, cerca de 3,5 mil sem-teto protestaram na frente do prédio da Câmara Municipal, no centro, para exigir dos parlamentares a aprovação da emenda. A entidade também pressionou pela votação definitiva do novo Plano Diretor. “Nós queremos uma data para essa votação e também para a apresentação da emenda. Nada fora disso”, disse o coordenador do MTST, Guilherme Boulos, que foi recebido pela Presidência da Casa.

Ao mesmo tempo em que exige a desapropriação do terreno da zona leste, que é particular, Boulos trabalha para que a área seja considerada apta a receber empreendimentos do programa Minha Casa Minha Vida Entidades – o pedido foi feito pessoalmente à presidente Dilma Rousseff (PT). Nesse modelo, os próprios movimentos de moradia comandam a obra, a partir de repasses federais. Os associados mais assíduos, que frequentam reuniões e participam de manifestações, ganham preferência na hora do sorteio.

Oficialmente, a base aliada do prefeito Haddad confirma apenas que estuda a possibilidade de atender a mais essa demanda do MTST – na primeira votação do plano, o movimento conseguiu reservar 30% de um terreno na zona sul para a construção de habitação social. Nos bastidores, porém, a emenda é dada como certa e a dúvida diz respeito apenas ao porcentual do terreno que será considerado de interesse social.

Para obter o apoio da base e garantir a aprovação em plenário, a gestão Haddad ainda terá de ceder a outros interesses, desta vez de vereadores. Muitos exigem do relator do projeto, Nabil Bonduki (PT), a criação de Zeis em seus redutos eleitorais, além da garantia de reserva de terrenos para creches e unidades de saúde. Diante de tantas demandas, o petista já afirmou que apresentará um texto substitutivo.

Presidente da Comissão de Política Urbana, o vereador Andrea Matarazzo (PSDB) afirmou que o governo terá dificuldades em aprovar a emenda. “Não se pode mudar o texto a toda hora de acordo com pressões de determinados grupos.”

Assembleia. A Copa do Povo ainda motivou uma reunião nesta quarta na Assembleia Legislativa, envolvendo Prefeitura, Estado, Secretaria-Geral da Presidência da República, Caixa Econômica Federal, empresa Viver (dona do terreno invadido) e MTST. O objetivo era avançar nas negociações sobre o destino do terreno em Itaquera. “A conclusão a que chegamos hoje é que o destino deles depende ainda da votação do Plano Diretor. Nós temos a sinalização dada hoje pela presidente da Câmara de que a votação deve ocorrer no máximo no dia 11 de junho”, afirmou Boulos. Há pressa na decisão porque para o dia 16 está marcada uma audiência na Justiça sobre a decisão de reintegração de posse do terreno.

/ COLABOROU MÔNICA REOLOM

3cp2zmaf8sa11z2xwo56umoon

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Vitor

29 de maio de 2014 às 16h11

No DCM:

“Ao mesmo tempo em que exige a desapropriação do terreno da zona leste, que é particular, Boulos trabalha para que a área seja considerada apta a receber empreendimentos do programa Minha Casa Minha Vida Entidades – o pedido foi feito pessoalmente a Dilma. Nesse modelo, os próprios movimentos de moradia comandam a obra, a partir de repasses federais. Os associados mais assíduos, que frequentam reuniões e participam de manifestações, ganham preferência na hora do sorteio.”

WTF? Quem participa de manifestações ganha prioridade? Que babaquice é essa?

Responder

maria cardoso

29 de maio de 2014 às 15h50

o governo federal está financiando moradia para famílias de baixa renda há muitos e há muitos anos está sinalizando no sentido de políticas democráticas e humanistas: é por isso que o lula conseguiu se reeleger e a dilma conseguiu se eleger (e, esperamos, seja reeleita)!

Responder

Madeleine Moraes

29 de maio de 2014 às 14h20

No Rio também vai ter minha casa minha vida no prédio da Oi.

Responder

Deixe um comentário