Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Wadih continua furando a bolha da ditadura midiático-judicial

Por Miguel do Rosário

06 de julho de 2015 : 11h10

A entrevista do deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) já é a mais lida do jornal O DIA.

***

Ex-presidente da OAB, petista diz que Cunha e Moro rasgam a Constituição

Candidato em 2014, Wadih Damous teve quase 38 mil votos e ficou na suplência, mas saiu do banco de reservas e desembarcou em Brasília para ajudar na reconstrução do PT

LEANDRO RESENDE, no Jornal O DIA

Rio – O ano está tão difícil para o PT que uma articulação do partido, comandada pelo ex-presidente Lula, tirou Wadih Damous do banco de reservas e lhe garantiu uma vaga na Câmara dos Deputados. Candidato em 2014, ele teve quase 38 mil votos e ficou na suplência, mas desembarcou em Brasília para ajudar na reconstrução do partido. Ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio e da Comissão Estadual da Verdade, o deputado aponta erros do PT, dispara contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato. Para Wadih, os dois estão rasgando a Constituição.

“A oposição é boa para ganhar pesquisa, mas não ganha eleição”, diz deputado

ODIA: A Câmara dos Deputados aprovou, na semana passada, a redução da maioridade penal para crimes violentos, menos de 24 horas depois de um texto semelhante ser rejeitado em plenário. Qual sua avaliação?

WADIH: Na primeira noite de votação, a civilização venceu a barbárie. Depois, a barbárie venceu com base no golpe comandado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha. A Constituição foi violada e está sendo suja por ele, que faz manobras e age como se fosse proprietário do Legislativo.

Está jogando lama na Carta Magna: se ele perdesse, ele ia colocar várias emendas até ganhar. Mas creio que o Senado irá corrigir essa monstruosidade. Espero que essa discussão seja feita sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que é uma lei ordinária. A Constituição deve ser mexida o mínimo possível.

Houve mudança de posição de deputados, determinante para aprovação do novo texto para reduzir a idade penal. Por quê? Houve pressão?

Essas pressões não acontecem à luz do dia. Não ocorreram em público. Não sei se foi num restaurante, no gabinete do presidente… Hoje, na Câmara, não há a menor possibilidade de vencer qualquer votação que o Eduardo Cunha não queira.

Para defender-se das acusações de ‘golpista’, Cunha e seus aliados têm dito que interpretações do regimento não podem ser judicializadas. Esse argumento é plausível?

Quem diz isso ou não sabe o que está dizendo ou age de má-fé. Não há nada acima da Constituição. O que acontece lá é a manipulação do regimento. Enquanto a Câmara estiver com esta presidência, vamos caminhar na mediocridade e tudo o que há de pior vai passar. Estou lá pela primeira vez, mas tenho certeza de que esta é a pior representação da história do Legislativo.

Cunha, teoricamente, faz parte do partido que é a base aliada do governo. E o PT nada conseguiu fazer para evitar sua presidência. Lançou o Arlindo Chinaglia (SP), mas ele foi derrotado. O partido, então, não tem culpa na sua própria insatisfação?

Não tenho elementos para avaliar quem estava certo ou errado. Não estava lá. O PT comete erros. Talvez o partido não tenha entendido o impacto que seria o Eduardo Cunha ali. Talvez tivesse sido melhor apoiar outro candidato, de outro partido, para a presidência da Câmara. Não há nada independente na Casa hoje. A maioria está dominada pelo presidente Cunha. O que se pode fazer é dialogar com movimentos sociais, recorrer ao Supremo Tribunal Federal, como fizemos neste caso da maioridade penal. Esse mal não vai durar para sempre.

Segundo pesquisa Ibope, a presidenta Dilma Rousseff atingiu apenas 9% de aprovação. Há salvação para o governo?

A oposição é boa para ganhar pesquisa, mas não ganha eleição. Dilma ainda tem três anos e meio de governo e pode reverter isso. Agora, não minimizo que esse é o pior quadro já enfrentado desde que o PT chegou ao governo. É um momento muito grave. A economia vai mal, a política vai mal, mas há ainda chances de melhorar. Depende da política econômica, da atitude do governo.

As ‘pedaladas fiscais’, como são chamadas as maquiagens feitas nas contas públicas de 2014 do governo e apontadas pelo Tribunal de Contas da União, podem resultar em impeachment?

A oposição procura uma razão para impeachment desde que acabaram as eleições. As pedaladas foram inventadas pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e ninguém nunca falou disso. O PT contribui para esta crise no TCU, porque não acabou com a indicação política e com o apadrinhamento no órgão, por conta de uma suposta base aliada. O PT fez aliança para governar e hoje é subalterno nela.

No fim de junho, o ex-presidente Lula disse que, hoje, o PT só se preocupa com cargos. Concorda com a tese?

Isso acontece com todos os partidos populares que chegam ao governo. O PT percebeu que governar é diferente de ser oposição, que o buraco é mais embaixo, mas se descaracterizou muito. Não tem mais o militante que veste a camisa, vai panfletar.

Acabou o orgulho de ser militante do PT?

O orgulho não foi perdido. Está adormecido. Quando esse militante viu o risco da derrota em 2014, foi para a rua. Não sei como recuperar. Agora, é necessário provar para as pessoas que o ajuste vai melhorar.

Há insatisfação de petistas com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo? Seu nome é incluído no rol dos que estariam criticando o ministro por causa dos rumos da Operação Lava Jato, que investiga o escândalo de corrupção na Petrobras.

Desminto qualquer coisa nesse sentido. Sou amigo do ministro Cardozo. Em qualquer governo, há insatisfeitos. No PT, muitos estão insatisfeitos com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, por exemplo. O problema da Lava Jato não é o Ministério da Justiça e sim o juiz federal Sérgio Moro (responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância).

O que há de errado?

Tudo. Ele age contra a Constituição e estabeleceu a prisão preventiva como padrão e não como exceção. Essa Operação Lava Jato apreendeu arquivos de defesa, coisa que a ditadura militar fez em apenas um caso. Com todas as arbitrariedades, o juiz Sérgio Moro pode estar decretando a nulidade de tudo o que construiu. Juiz não é salvador de nada.

Essas prisões preventivas são feitas com qual objetivo?

Obter delações premiadas, que nada mais é do que o ‘dedo-duro’. O delator é o mau-caráter. Não existe nenhum arrependido. E, quando o juiz aceita a delação, aceita-se o mau-caratismo como prática. Não se sabe se é verdade, mentira, mas só que são pessoas dando depoimentos para amenizar suas penas. E esses delatores estão há meses presos. Falam o que se quer ouvir.

São nessas delações que se baseiam as investigações. Depoimento do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, por exemplo, serviu como mote para que o Superior Tribunal de Justiça investigasse o governador Luiz Fernando Pezão e o ex-governador Sérgio Cabral.

Nenhum está preso, pois não estão sobre a guarda do Sérgio Moro. Que provas esses delatores têm? Eles não as apresentam. Hoje, o fascismo brasileiro não é feito por baionetas, e sim pelos órgãos do Estado, do Judiciário. É um Estado de exceção.

A alta popularidade do juiz Sérgio Moro pode ser comparada àquela obtida pelo ex-presidente do STF Joaquim Barbosa durante o julgamento do Mensalão?

A Constituição é entrave para esse tipo de julgador, que acha que pode sair julgando só porque tem apoio popular. Hitler teve apoio popular. Jesus foi crucificado com apoio popular. As autoridades tem que combater qualquer ilícito, mas não se pode jogar a lei no lixo em nome disso. A ministra do STF Rosa Weber disse durante o julgamento do Mensalão que poderia condenar sem provas. Sabe quem era o assessor penal dela? O juiz Sérgio

A Operação Lava Jato vai chegar ao ex-presidente Lula?

Não sei por que chegaria. Ele seria preso porque incentivou empresas a fazerem negócios no exterior? Então, prendam o ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton também. E todos os presidentes que tentaram fazer negócios fora de seu país.

O senhor foi colocado na CPI da Petrobras para tirar o foco do PT?

Participei da segunda sessão na CPI. Ela não substitui a PF, o Judiciário, o MP. Se quiser trabalhar sério, vai aperfeiçoar a lei para punir quem vaza delação premiada, por exemplo. Há na CPI atropelo seletivo da ordem. Tem deputado que ofende o depoente e vai embora.

Envolto em tantas turbulências, é possível projetar de que forma o partido sairá para disputar as eleições presidenciais de 2018?

Não sei como fica a conjuntura até lá. Não vai ser fácil. Já vai ter eleição no ano que vem, e será um termômetro. O PT está numa situação complicada, é claro que ele vai ter que enfrentar esse quadro. Hoje, quando se tenta chegar ao Lula de qualquer maneira , fica claro de que não querem de jeito algum que ele seja candidato. Se ele disser que não quer ser candidato, vão parar de pegar no pé dele: enfrentá-lo no voto não é algo que está a altura do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e do governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB).

Num cenário melhor que o atual, então, o partido fecha questão em torno do nome dele.

Fecha. Infelizmente, a única liderança nacional que o PT tem é o Lula. Deveria aproveitar, aliás, para forjar novas lideranças agora, pois não existem líderes que surjam em bons momentos, só em crises. Seria bom que o PT tivesse outras alternativas.

O que se comenta, também, é de uma possibilidade de composição futura do Lula com o prefeito do Rio Eduardo Paes (PMDB). Eles são bem próximos.

O ex-presidente tem grande estima pelo Eduardo Paes. A despeito de qualquer restrição ao Paes, trata-se de uma liderança. Se o prefeito assumisse determinadas bandeiras, com um governo hegemonizado pelo PT… Há resistências no partido, mas ainda falta muito tempo para as eleições.

Para 2016, prevê-se novamente um desembarque de petistas insatisfeitos com a aliança com o PMDB no Rio na candidatura do deputado estadual Marcelo Freixo (Psol). De que lado o senhor ficará?

O PT, por mais atormentado que esteja, precisa pensar em ter uma candidatura própria. Escolher entre o Pedro Paulo (PMDB) e o Freixo não conta com minha simpatia. Devemos apostar sem prejuízos em um candidato com as tradições do partido.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

26 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Thiago Fernandes

07 de julho de 2015 às 12h28

Não acessam para ler, mas sim para comentar e dar risada do alto grau de autismo do deputado.

Responder

André Godinho

07 de julho de 2015 às 01h35

Votei nele, não me arrependi

Responder

    Robson

    07 de julho de 2015 às 02h06

    Coincidência, votei em Bolsonaro e também não me arrependi !

    Responder

Gabriel Ribeiro

07 de julho de 2015 às 01h28

Lua Clara Medeiros

Responder

Messias Franca de Macedo

06 de julho de 2015 às 21h42

… “Segura o infarto” [Risos] da ‘coxinhada’!…

########################

Balança comercial começa julho com superávit de US$ 636 milhões

SEG, 06/07/2015 – 18:55

(…)

FONTE [LÍMPIDA!]: http://jornalggn.com.br/noticia/balanca-comercial-comeca-julho-com-superavit-de-us-636-milhoes

###########################

… Viva o [verdadeiro] Brasil!

Responder

João Carlos Pontes

06 de julho de 2015 às 22h13

Quem????

Responder

Messias Franca de Macedo

06 de julho de 2015 às 18h57

[… Da turma do delegado-liberou-geral da PT do ‘Zé Tucano’ “da Justiça”!…]

##################################

https://soundcloud.com/redebrasilatual/sem-apoio-da-midia-moro-ja-teria-sido-afastado-por-cometer-arbitrariedades

Sem apoio da mídia, Sérgio Moro já teria sido afastado de investigação

Para colunista da Rádio Brasil Atual, blindagem dos meios de comunicação e conduta arbitrária de juiz paranaense pode comprometer ações contra a corrupção

por Redação RBA publicado 06/07/2015 12:56

(…)

FONTE [LÍMPIDA!]: http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2015/07/sem-apoio-da-midia-sergio-moro-ja-teria-sido-afastado-da-investigacao-5750.html

Responder

    Messias Franca de Macedo

    06 de julho de 2015 às 21h20

    retificação:

    [… Da turma do delegado-liberou-geral da PF do ‘Zé Tucano’ “da Justiça”!…]

    Responder

Paulo Yukio Onishi

06 de julho de 2015 às 21h31

Responder

Sergio Pereira Amzalak

06 de julho de 2015 às 20h31

meu ministro da justiça, me representa

Responder

Hannah da Terra

06 de julho de 2015 às 20h13

#SouPTRespeiteMeuVoto

Responder

Sérgio Rodrigues

06 de julho de 2015 às 19h50

Damous para Ministro da Justiça! Fora Cardozo, tucano infiltrado!

Responder

Gerson Pompeu

06 de julho de 2015 às 18h07

Meu voto sendo valorizado.

Responder

Alvaro Freitas

06 de julho de 2015 às 14h20

Convida esse pra min da justiça esse eh fera

Responder

Erlene Gomes

06 de julho de 2015 às 14h19

#DilmaEstamosComVocê

Responder

Eliza Almeida

06 de julho de 2015 às 14h11

Miguel do Rosário e Eduardo Guimarães: eu e vários outros internautas não estamos conseguindo compartilhar mensagens referentes ao PSDB. APARECE A SEGUINTE MENSAGEM NO FACEBOOK: ESTA MENSAGEM CONTÉM CONTEÚDO UE FOI BLOQUEADO PELOS NOSSOS SISTEMAS DE SEGURANÇA. SE VOCÊ ACHA QUE ESTÁ VENDO ISSO POR ENGANO, AVISE-NOS. POR FAVOR,DENUNCIE NO SEU BLOG

Responder

    Luisa Sanches

    06 de julho de 2015 às 15h12

    Aconteceu comigo uma vez. Havia uma opção para responder. E respondi que eles não tinham o direito de censurar previamente o que eu gostaria de ler ou compartilhar. E que eu tenho discernimento suficiente para fazer as minhas escolhas. Nunca mais aconteceu.

    Responder

    Eliza Almeida

    06 de julho de 2015 às 15h37

    já escrevi Luisa Sanches, mas eles ignoraram, estão barrando tudo que se refere aos políticos do PSDB.

    Responder

    Evelize Eve

    06 de julho de 2015 às 16h10

    Tb já aconteceu comigo… será possível? Inclusive uma vez era um link que a Dilma tinha citado em um de seus posts… mto bizarro, prefiro nao acreditar…

    Responder

    Marcelo Picinin Rocha

    06 de julho de 2015 às 16h18

    Esta acontecendo geral

    Responder

    Luisa Sanches

    06 de julho de 2015 às 16h36

    Lamentável mesmo. Por aqui, continua normal

    Responder

    Vitor

    06 de julho de 2015 às 20h34

    Vai uma dica, parem de usar esse lixo chamado Facebook!

    Responder

    Afonso Rocha

    07 de julho de 2015 às 00h53

    SE TENTAREM GOLPE HAVERÁ GUERRA CIVIL E MUITO DERRAMAMENTO DE SANGUE. FATO !!!!!!!!!!

    Responder

Guilherme Augusto Zacharias

06 de julho de 2015 às 14h11

É um momento histórico, e quem se posicionar do lado certo, terá belas histórias para contar a seus netos, bisnetos; ou, se não tiver tempo para tal, para morrer de consciência tranquila, sabendo que fez o bom combate contra o fascismo, contra aqueles que sempre se beneficiaram das desigualdades sociais, contra os herdeiros da ditadura.

Responder

    Messias Franca de Macedo

    06 de julho de 2015 às 20h41

    EM TEMPO:

    eu suspeito que o conspícuo jornalista Paulo Henrique Amorim “esteja fantasiado de juiz Sérgio Moro”!

    Com licença!

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    “E, pasme, ‘elles’ querem voltar!
    Voltar!
    Ah “rebanho” de descompreendidos!
    Beócios – e de má fé “cheirosa”!….

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Responder

Deixe um comentário