Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

O oportuno empoderamento da Lava Jato

Por Miguel do Rosário

23 de maio de 2016 : 15h16

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]
Análise Diária de Conjuntura – 23/05/2016

Uma das enormes vantagens de se estudar a história é entender a profundidade intuitiva do profeta quando dizia que “nada há de novo debaixo do sol.”

Lendo Justiça Política, do Kirchheimer, descubro que a Lava Jato não foi inventada hoje.

Há muitos séculos que os sistemas de poder utilizam os tribunais para impor agendas políticas, destruir adversários, coibir dissidências.[/s2If]

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]

***

Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante: clique aqui).

Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho. Qualquer dúvida, entre em contato com a Thamyres, no assineocafezinho@gmail.com. [/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

No livro de Kirchheimer, está lá, tudo explicadinho: às vezes os governos, ou castas burocráticas hegemônicas dentro do Estado (como é o caso do Brasil), usam processos puramente administrativos para demolir seus adversários, mas em regimes constitucionais, em especial aqueles que precisam manter as aparências democráticas, o instrumento preferido, o mais eficaz para efeitos de propaganda, são julgamentos políticos disfarçados de criminais.

Os métodos são sempre parecidos: dá-se apenas uma aparência de direito de defesa ao réu. O alvo do Estado, porém, não é o réu, mas o grupo político ao qual ele pertence. Por outro lado, para atingir o objetivo, a degradação moral do réu cumpre uma função estratégica. Todos os membros do grupo político ao qual o réu esteve associado entenderão bem o recado.

Entretanto, falemos da Lava Jato e dos acontecimentos do dia. Qual o sentido dos áudios vazados por Sergio Machado, ex-presidente da Transpetro, uma das principais subsidiárias da Petrobrás, de uma conversa dela com Romério Jucá.

Inúmeras teorias afloraram imediatamente.

Alguém disse que o governo Temer acabou.

Outros afirmaram que se trata de uma estratégia para empoderar a Lava Jato: e com isso, preparar o terreno para indiciar Dilma e prender o Lula.

A questão toca uma dúvida constante em todos que tentam pensar os últimos acontecimentos: até que ponto as manobras políticas são planejadas, até que ponto derivam do acaso?

Tocqueville, em Souvenirs, observa a participação preponderante do azar na evolução dos fatos históricos.

Por outro lado, desde o século XIX até os dias de hoje, muita coisa mudou. As conspirações modernas são infinitamente mais complexas e mais orquestradas.

A atual época no Brasil, futuramente será conhecida como a era das conspirações midiático-judiciais, ou era dos vazamentos. Todos grampeiam todos.

No áudio vazado, Romério Jucá tece comentários sobre os métodos de Sergio Moro: “torre de Londres”, diz ele, referindo-se a um local de triste lembrança para a humanidade, onde milhares de pessoas foram torturadas, para que confessassem seus crimes, reais ou imaginários.

O desespero de Jucá, notório representante das facções mais fisiológicas e corruptas da política brasileira, reflete a instabilidade gerada pelo terrorismo judicial criado pela Lava Jato.

Isso explica o golpe.

O terrorismo judicial produziu a atmosfera de desespero que levou setores do PMDB, até então propensos a acordos, a apoiarem uma solução extrema: um impeachment ilegal.

Entretanto, na fala de Jucá há um outro elemento interessante, que ajuda a entender o contexto político que nos levou até aqui: ele fala nas pressões da imprensa por trás da Lava Jato.

Enquanto ela estiver ali, a imprensa, os caras querem tirar ela, essa porra não vai parar nunca.

“Os caras” são quem? A própria imprensa, a Fiesp ou os meganhas da Lava Jato? Para mim, são estes últimos.

A Lava Jato tem alguns objetivos políticos bem claros, já cumpridos em parte: derrubar Dilma, prender Lula e criminalizar o PT.

A operação, porém, tem um outro objetivo, que os políticos todos sabem porém não podem expressar, com medo das consequências: instalar uma ditadura “constitucional” liderada por juízes e procuradores.

Não é novidade.

Trata-se de uma tendência do século XXI. É um desdobramento natural de um capitalismo dominado por instituições financeiras que não suportam os riscos de uma democracia.

A democracia implica no eterno risco político do povo eleger agentes políticos que decidam romper com as regras que beneficiam as instituições financeiras. Como reduzir o risco? Através da implantação de regimes nos quais a política estará inteiramente submetida à lógica de castas burocráticas profundamente conservadoras, imunes ao vírus da democracia e das preocupações sociais.

Uma democracia técnica, burocrática, repressiva, policial.

Na verdade, é mais ou menos o que já existe no mundo desenvolvido, só que eles chegaram lá após uma série de conquistas sociais, trabalhistas e de infra-estrutura pública.

É igualmente lógico que o Brasil seja o campo de experimentação perfeito para este novo tipo de democracia.

Aqui temos as burocracias apropriadamente conservadoras para levar adiante um tal projeto.

Um elemento que pode prejudicar um cenário como este, por exemplo, é uma educação politizante, o que explica a tentativa dos mesmos setores de castrar qualquer iniciativa, por parte do magistério, de politizar a juventude.

Isso explica também a reticência dos governos conservadores em investir em educação. É um dilema grave para os conservadores: se investem em educação (e isso inclui uma boa merenda, naturalmente, além de transporte adequado, e instalações modernas), eles criam uma juventude preparada politicamente para protestar contra esse tipo de “democracia técnica” que os conservadores sonham para o Brasil.

Ao não investirem em educação, porém, eles criaram, dentro das escolas, núcleos revolucionários, liderados às vezes por cidadãos ultrajovens, conscientes de que ali se joga o seu futuro pessoal e o futuro do país.

De qualquer forma, o áudio vazado por Sergio Machado trouxe frases memoráveis, que se tornaram memes fantásticos.

O fato de ser hoje um blogueiro de oposição nos permite gozar a política com um distanciamento contemplativo e um prazer cheio de malícia que há muito não sentíamos.

Abaixo, um meme que fez enorme sucesso na página do Cafezinho no Facebook. O outro está na capa do post.

13239166_1110461752310290_1230977170407578853_n[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marivane

23 de maio de 2016 às 19h02

O Sr Moro não soube dizer nada na entrevista sobre o JUCá. Blá Blá Blá

Responder

    Luís CPPrudente

    23 de maio de 2016 às 20h25

    Mas ele sabe dizer muito sobre os petistas, pois são os petistas os alvos preferenciais desse juiz fascista e desonesto.

    Responder

robertoAP

23 de maio de 2016 às 18h30

Os advogados do José Dirceu deveriam entrar com pedido de anulação imediata da pena imposta de 23 anos , sem provas de absolutamente nada, e por juiz envolvido até o pescoço no esquema que resultou em um criminoso Golpe de Estado, onde a prisão a qualquer custo de membros do governo legítimo e estabelecido, era condição essencial para a consumação do crime contra o país.
E ao mesmo tempo solicitar prisão do Juiz corrupto Moro da Lava Jato, envolvido nesse crime e nessa farsa imensa de lesa pátria que envergonha o país e seus cidadãos, e ao mesmo tempo espanta o mundo.

Responder

Alexandre Moreira

23 de maio de 2016 às 17h37

Sugestão aos trouxinhas. Suicídio coletivo.

Responder

    Luís CPPrudente

    23 de maio de 2016 às 20h26

    Mas onde estão os trouxinhas?

    Responder

Raimundo Nonato de Castro

23 de maio de 2016 às 16h49

e o golpe continua no pais das maravilhas……..

Responder

Armando Monteiro

23 de maio de 2016 às 16h18

Jucá ” Michel forma um governo de união nacional, faz um grande acordo, PROTEJE O LULA , protege todo mundo”. Alguém aí conhece o esquema de Lula ?

Responder

Pedro Pereira

23 de maio de 2016 às 15h52

Dá até dó do Jucá… sqn! Mas é impressionante como a estratégia terrorista do moro, mpf e pf alcançou seu objetivo. Com apoio da mídia bandida, da nsa e departamento de justiça dos eua, promoveram um ataque terrorista sem precedentes contra os políticos e empresários que davam suporte ao nacional desenvolvimentismo. Qualquer um que estivesse atrelado ao projeto de Brasil mais desenvolvido com refinarias, hidroelétricas, ferrovias, usinas nucleares, novos caças, submarino nuclear, modelo de partilha, banco dos brics deveriam ser exterminados. A não ser que traíssem este projeto, e o Jucá tinha consciência disso.
Agora se implantar um projeto que só traga fome, miséria, subdesenvolvimento, e nos devolvesse a condição de colonia ninguém sofreria nenhum tipo de ataque. Vender nosso patrimônio a preço de banana e receber um monte de propina, assim como no desgoverno fhc, não é nenhum problema pra turma de covardes subalternos (os meganhas), que não amam o Brasil, e seu povo, são inimigos da nação.

Responder

    Jst

    23 de maio de 2016 às 17h12

    Falou tudo. Queria ver a cara da multidão de trouxas que foi à rua gritar contra a corrupção. Massa de manobra. Otários. Agora, vamos todos pagar o pato, a não ser que o pau quebre e leve a globo junto.

    Responder

      Luís CPPrudente

      23 de maio de 2016 às 20h28

      A Rede Golpe de Televisão tem que ser a primeira a sofrer a irá popular, essa organização criminosa é a Bastilha atual.

      Responder

Amora Canon

23 de maio de 2016 às 16h26

Não poderia ser um tiro de Cunha?

Responder

Deixe um comentário