Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

O golpe no cinema – A classe média cada vez mais vai ao cinema assistir novela

Por Bajonas Teixeira

17 de outubro de 2016 : 09h34

Cíntia Braga, Especial para O Cafezinho

Dois filmes da produção brasileira recente, Made in Brazil (2013) e Made in China (2014), muito diferentes apesar dos nomes, fazem entrever o abismo entre o cinema-indústria, calculado para agradar a classe média, e a arte do cinema, que passa longe das salas de exibição.

Um recente episódio de violência, que deixou três mortos na última segunda-feira (03) no Morro Pavão-Pavãozinho, trouxe a recordação da tragédia do dançarino Douglas Rafael da Silva, morto por espancamento no mesmo local em abril de 2104. DG, como era conhecido, trabalhava no programa dominical “Esquenta”, apresentado por Regina Casé. Ele foi protagonista do curta “Made in Brazil”, com um personagem chamado pelo mesmo nome, DG.

A morte do ator e dançarino repercutiu em todo o país quando sua mãe, Maria de Fátima Silva, denunciou o cenário sensacionalista montado pela produção do programa para explorar sua dor e controlar sua ira contra os assassinos do filho. Segundo o relato da mãe, Regina Casé seria uma “cretina e mentirosa” e seu único interesse era garantir a audiência de seu circo de horrores e acatar as ordens da emissora de não permitir a acusação dos agentes do Estado pela morte de DG.

No ano anterior (2013), DG protagonizou o curta-metragem “Made in Brazil”, do diretor Wanderson Chan, em que interpreta um rapaz da favela, que sonha em se tornar um ídolo do futebol. Ao voltar de uma partida na praia da Copacabana, que fica a não mais que algumas centenas de metros da favela do Pavão-Pavãozinho, ele é abordado por policiais e morto em uma viela. Despretensiosamente profético, o filme confirma o prognóstico de risco que se aplica à grande maioria de jovens moradores de favela. Não é preciso ser um vidente para antecipar o futuro desse segmento social.

O mais impressionante é que o filme não teve a repercussão merecida, mesmo após a morte de DG.

Um dos espetáculos montados no palco do “Programa Esquenta” tematizou a violência urbana. O palco cercado de globais chorando copiosamente, envolvia a família de DG e takes com imagens do rapaz davam o tom da apelação, exaltando a dor e simulando  preocupação com os mais pobres. Um verdadeiro show em prol da manutenção do mais do mesmo.

Tudo isso sem culpabilizar os verdadeiros responsáveis, como se a causa de morte de DG e de outros milhares de jovens executados não fosse responsabilidade do Estado de Exceção, materializado na instituição das UPP’s (Unidades de Polícia Pacificadora), criada para projetar uma nova imagem da cidade maravilhosa.

“Made In Brazil”, em seus 6 minutos e 40 segundos de projeção, insere o espectador na subjetiva do personagem interpretado por DG. Revela uma relação do menino favelado com a cidade, assim como DG que sonhou ser uma artista. Ambos os meninos, tanto do roteiro, quanto da vida real, sonharam em ser parte de uma realidade fabricada para poucos. Vislumbraram a fama. Idealizaram estar no centro do palco, com todos os refletores e câmeras voltados para si.

A cidade que quase deixou de ser maravilhosa, graças à eficiência das UPP’s, alimenta as expectativas de milhares de Douglas da Silva, para ao final espetacularizar suas mortes e expor seus familiares, rendendo vitrine para os demagogos e lucrativa audiência dominical.

Ao contrário do tímido “Made in Brazil”, o longa-metragem “Made in China”, dirigido por Estevão Ciavatta e protagonizado por nada mais, nada menos que Regina Casé (casada com o diretor), obteve alta repercussão, sendo exibido em diversas salas de cinema do país.Ao estilo Zorra Total, caracterizado pela ridicularização do pobre, que se aplica também aos filmes “Um suburbano sortudo” e “Até que a sorte nos separe”; “Made in China” é outra ficção que se relaciona com a vida real. Entretanto, diferente do curta do diretor independente Wanderson Chan, a superprodução da Globo Filmes vem atestar a denúncia de Maria de Fátima Silva, de que Regina Casé não se importa com os pobres favelados, mas sim, em como estes podem lhe garantir pontos no Ibope.

“Made in China” retrata de forma cômica a invasão de mercadorias chinesas no tradicional mercado da Rua da Alfândega (Centro do Rio de Janeiro). Francis (personagem de Regina Casé) é uma vendedora que investiga o contrabando chinês. Suas peripécias deveriam mostrar o cotidiano dos comerciários explorados, mas ilustram o trabalhador amigo do patrão, que por sua vez aparece como vítima dos perigosos contrabandistas. O mito da democracia racial se confirma como democracia social, na qual explorados e exploradores convivem harmoniosamente, tal como nas novelas de Manoel Carlos, em que a empregada é tratada como se fosse da família.

É assim, portanto, que se enxerga a produção fílmica contemporânea. De um lado a batalha dos realizadores independentes, com parcos recursos, mas larga margem de criatividade e ousadia. Afinal, o conflito central de Made in Brazil é o assassinato do personagem de DG por policiais fardados.

Do outro lado, o amontoado de subprodutos dos estúdios Globo, dotados de estética novelesca, valendo-se da boa receptividade da fama de seu time de atores e reproduzindo o conteúdo melodramático que adestra o público a interpretação do real, segundo os esquemas maniqueístas. “Made in China” representa a hegemonia do cinema-indústria e seus conflitos artificiosos, sinalizando que o cinema também vem sendo golpeado. Um cinema sem ação que serve para mascarar o secular projeto de opressão dos ricos contra os pobres.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Moda & Feminices

18 de outubro de 2016 às 11h39

Acho engraçado vocês dizerem que quem tem um negócio e precisa vender, como passagens aéreas, entradas de cinemas, moveis, eletrodomésticos… enfim, seja que segmento for, etá chateadao porque o pobre pode comprar!

Como eu vou ficar chateada porque eu estou vendendo meu produto? kkkkkkk A elite (vulgo classe c do País) que precisa vender para sobreviver, empregar, aumentar os negócios está chateada porque tem quem compre e por isso luta contra o governo que dá condições pra isso? hahahaha

Que balela socialista. O governo Ptista mais roubou do que deu aso pobres, aumentou violência, pobreza, desemprego, empresas quebrando…

QUem quer viver o sonho socialista tem que ir para Cuba, Venezuela e Coreia do Norte. Miséria igual para todos. Porque é muito fácil lutar contra a elite com smartphones e internet na mão, indo pro cinema, usando um bom tênis…

Que socialismo triste! Viva o capitalismo!

Responder

Rogério Bezerra

18 de outubro de 2016 às 01h02

Não é a toa que o escrito de Max continua vivo ainda hoje. Na prática, o Capitalismo é a continuação do Feudalismo, apenas trocando a nobreza pela burguesia mi e bilionária.

Responder

Flávio Siqueira

17 de outubro de 2016 às 16h28

Onde tem globo, tem merda! Lixo! Não assisto nada de TV. Até a TV a cabo está um lixo.

Responder

Fernando Santos

17 de outubro de 2016 às 16h20

escrever textos contra a globo não adianta nada..todos os militântes de esquerda sabem o que devem fazer para livrar o Brasil da globo golpista..por que não fazem!!!

Responder

J. Sculder

17 de outubro de 2016 às 12h55

Quando a gente opina, dizendo que a Globo não passa de uma Cosa Nostra com um lustre melhorzinho, justo para enganar mais facilmente os incautos, vem a tropa de choque correndo nos chamar de esquerdopatas (depois de mortadela, apareceu essa), querendo nos marcar com carimbo de lugar comum. Não sabem eles que são mais vítimas que nós.

Responder

Daniel Moser

17 de outubro de 2016 às 12h21

Excelente! Recentemente tive contato com a biografia do Glauber Rocha. Um gênio esquecido por interesses nada democráticos… Continue escrevendo sobre cinema!

Responder

Daniel

17 de outubro de 2016 às 10h43

A nossa elite que criou e manteve as favelas em 502 de governo, adoram temas de favelados que dao certo, sempre um final feliz. Mas nao querem mesmo acabar com a pobreza, parece mais uma mistura de hipocrisia e masoquismo, querem passear no primeiro mundo e viver no terceiro mundo cercado de miseria. Que vida infeliz dos pobres e acho mais infeliz ainda desta elite podre.

Responder

    Heloísa

    17 de outubro de 2016 às 22h16

    perfeito!

    Responder

Mateus Capelo

17 de outubro de 2016 às 09h54

Lendo o artigo, fui buscar infos sobre o ator e principalmente sobre o curta Made in Brazil. Está disponível no Vimeo e penso que seria interessante vcs anexarem junto ao texto. Embora esteja aberto e disponível, tem apenas 506 visualizações… o que me faz pensar sobre o acesso que se tem a estas produções (e os meios de encontrar) e o interesse do povo em se ver. Quero dizer: é gratuito, é um curta e está a um clique… pq apenas 506 pessoas assistiram?

https://vimeo.com/102060793

Responder

Deixe um comentário