Boulos na Carta Capital (ao vivo!)

Manuela D’Ávila em entrevista a blogueiros: a economia vai estar a serviço do povo brasileiro ou de interesses internacionais?

Por Pedro Breier

04 de dezembro de 2017 : 11h36

Por Pedro Breier

Na última sexta-feira, dia 1º, Manuela d’Ávila, pré-candidata à presidência do PC do B, concedeu entrevista à blogueiros e jornalistas independentes no Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé.

O Cafezinho esteve presente e perguntou à pré-candidata se não seria interessante, como estratégia eleitoral, posicionar-se à esquerda de Lula, considerando que a mídia hegemônica tentará colocar Lula como o representante da extrema esquerda, como fosse o antípoda de Bolsonaro, o representante da extrema direita, para que Alckmin ou algum candidato inventado seja vendido como o presidenciável de centro.

Em sua resposta, Manuela afirmou o seguinte:

Eu nem sei se esse projeto nacional de desenvolvimento é de extrema esquerda. Para mim ele é um projeto de defesa do Brasil. (…) O centro desse projeto tem relação com o papel do Estado e se a economia vai estar a serviço do povo brasileiro ou de interesses internacionais. Se o Brasil vai ser um país soberano ou se vai ser um país colonizado, de várias formas, por interesses de empresas estrangeiras.

Ela tem toda a razão.

A disputa política eleitoral no Brasil não se dá exatamente em torno de projetos de esquerda ou direita para governar o país.

A nossa direita não quer ver o país e o seu povo crescendo e se desenvolvendo. Não há projeto de desenvolvimento algum por parte do PSDB, DEM ou PMDB.

Seu plano, jamais escancarado, por motivos óbvios, é simplesmente vender patrimônio público à preços módicos para grandes companhias estrangeiras e desregulamentar a economia o máximo possível. Ou seja, colocar a economia a serviço de interesses internacionais, como falou Manuela.

A promessa que José Serra fez à Shell, de mudar a lei que rege a exploração de petróleo no Brasil caso fosse eleito presidente, fala por si.

À esquerda cabe, nesta quadra da história, fazer com que as riquezas produzidas pelo povo trabalhador do nosso país sirvam para melhorar a vida deste mesmo povo, o que deveria ser o básico para qualquer projeto de país.

O sociólogo Jessé de Souza costuma comparar a nossa elite com as das potências europeias e dos EUA.

Segundo ele, as elites estrangeiras historicamente brigaram para que seus países fossem grandes. Não por qualquer tipo de altruísmo ou amor cristão, obviamente, mas para que as próprias elites pudessem manter e expandir o seu poder.

A nossa elite, absolutamente provinciana, sempre buscou manter seus privilégios espoliando o povo do seu próprio país e relegando ao Brasil o papel de colônia, sempre pateticamente servil a interesses estrangeiros.

Haver uma elite de privilegiados, seja em qualquer país, já é um absurdo.

Agora, uma elite que, além de privilegiada, é sabuja e entreguista, como a brasileira, é dose pra leão.

Pedro Breier

Pedro Breier, colunista d'O Cafezinho, é formado em direito mas gosta mesmo é de jornalismo. Nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

João Henrique

22 de março de 2018 às 00h48

Primeiro que seria impossível fazer com que as riquezas produzidas pelo povo trabalhador do nosso país sirvam para melhorar a vida deste mesmo povo, pois ás maiores riquezas deste país são matérias primas que são exportadas para serem industrializadas em países desenvolvidos e retornam. A industrialização destes produtos é feita em território estrangeiro pois industrializar em território nacional não é algo nem um pouco vantajoso devido as altas taxas de impostos cobradas pelo nosso governo. Ou seja o estado atrasa o nosso país, pois ele apenas impõe barreiras em frente a industrialização que consequente mente traria mais empregos e entre outros benefícios. Por favor não apoiem uma candidata que acha que o estado é o que faz a economia de um país se desenvolver, Abraços e tomem mais cautela com as abordagens esquerdista (eles são mt marqueteiros e usam a minoria para ganhar poder, pois fazem o público se sentir representados pelo simples fato de estar do lado deles).

Responder

Clayton Mateus

05 de dezembro de 2017 às 09h59

De qual esquerda estão falando? Aquela que se alia a direita para conseguir o poder ou aquela que sem aliança não consegue cargo algum nessa democracia de coalizão?

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de dezembro de 2017 às 10h44

    Não entendi. No mundo inteiro, a esquerda faz alianças com o centro e até mesmo partes da centro-direita (desde que não-fascista) para governar. Na Escandinávia, o socialismo foi aliado durante décadas da centro-direita liberal.

    Responder

Francisco

04 de dezembro de 2017 às 20h56

Eu sei de tudo isso, concordo com tudo isso, mas preciso dizer: Manuela é linda…

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com