Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

Aragão: quem ameaça a paz social é o presidente do TRF4!

Por Miguel do Rosário

16 de janeiro de 2018 : 14h47

(Cármen Lúcia e Thompson Flores no STF. Foto: STF)

Se tem alguém que é uma ameaça à tranquilidade social é o presidente do TRF da 4ª Região

POR EUGÊNIO ARAGÃO, ex-ministro da Justiça

Os conchavos peripatéticos do presidente do TRF da 4ª Região por Brasília parecem permitir antever o resultado do julgamento agendado para o próximo dia 24 de janeiro em Porto Alegre. O juiz que declarou à imprensa ser “irretocável” a sentença de Sérgio Moro, mesmo sem tê-la lido, está à procura de um protagonismo no cenário já assaz conturbado.

Fez questão de divulgar pelos quatro cantos que teria sido chamado pela Ministra Cármen Lucia, presidente do STF, para uma conversa, quando, ao que tudo indica, foi ele que buscou a audiência. Depois, foi procurar o general Etchegoyen, da Secretaria de Segurança Institucional do Planalto, sabe-se lá para quê.

Andou dizendo por aí que é amigão dele. Mas, sem dúvida nenhuma, quis, com sua obscena visita, marcar posição política, demonstrando proximidade com setores militares e de segurança. Vive espalhafatando que juízes estão sendo ameaçado por telefonemas e em rede sociais. Declara estar com medo do “day after”, com o que poderá acontecer depois do julgamento em vista da mobilização de “petistas”.

Se tem alguém, neste momento, que é uma ameaça à tranquilidade social, este é o parlapatão presidente do TRF da 4ª Região, que não nega suas preferências políticas, ou melhor, suas aversões partidárias e, com isso, se torna um péssimo porta-voz de seu tribunal, pois é incapaz de demonstrar altivez, soberania, imparcialidade e controle emocional. Porta-se feito um Quasímodo de Notre Dame, pulando de arco em arco, coluna em coluna, para o susto de todos.

Deixa a opinião pública atordoada, insistindo em criar fatos negativos para as manifestações que fatalmente ocorrerão. Serão pacíficas, como foram em Curitiba, mas serão uma presença firme da sociedade, a mostrar ao tribunal que está sendo observado.

Na verdade, esse clima ruim que o presidente do TRF está tentando criar com seu indevido protagonismo forçado, tem sido adredemente estimulado pelos atores judiciais envolvidos, a começar pelo próprio juiz de província em Curitiba, que, ao invés de se afirmar como sereno árbitro de grave conflito político, faz questão de ser um eloquente ator da briga. Apaixonou-se pelo papel que se atribuiu, de fiscal da moralidade pública no Brasil.

Mais parece um Pasdaran, guardião da revolução iraniana, do que um magistrado. Depois, a arrogância, tanto do próprio presidente do tribunal, de tecer encômios públicos à controversa sentença condenatória, quanto do relator no TRF, de anunciar a inusual celeridade do julgamento, a deixar patente que o caso não será tratado dentro da normalidade jurisdicional, não ajuda para desanuviar o ambiente. Pelo contrário, torna a presença maciça da sociedade civil em Porto Alegre o exercício de um dever de cidadania.

E, agora, isso. A futrica brasiliense do presidente, cuja chefe de gabinete vem articulando por redes sociais assinaturas em abaixo-assinado para exigir a prisão de Lula depois do julgamento. O primo desse magistrado, por sinal, advogado tributarista na capital gaúcha, anda pedindo tornozeleiras para petistas que forem aos atos.

Tem-se um espetáculo armado, a ameaçar o direito constitucional de livre manifestação, de iniciativa de uma turma que não nega sua repulsa ao apelante e aos que, com sua presença, vierem a se solidarizar com ele; uma turminha da elite portalegrense, de nariz empinado, que não esconde seu asco pelo povão.

O que esperar do julgamento num ambiente desses? Se depender do presidente do tribunal e de sua chefe de gabinete, o resultado do julgamento só pode ser um: a confirmação da sentença condenatória em acórdão que espinafra a presença popular em Porto Alegre como inadmissível pressão contra os julgadores. Esses antipetistas babantes de ódio, no fundo, no fundo, apostam no caos: uma manifestação fora do controle, com violenta repressão e prisões em massa. Esse cenário lhes causaria prazer orgástico.

Cabe às pessoas sérias deste país frustrar os arroubos fascistas dessa malta. Se depender dos organizadores dos eventos, tudo será encaminhado com pacificidade exemplar. Haverá palestras, aulas, campanhas de esclarecimento para os presentes, oferecidas por advogados, professores, acadêmicos e atores da vida pública nacional.

Será um momento de ativa reflexão e de ação cidadã contra o evidente risco de arbítrio. Ninguém irá para a rua para se confrontar. Quem quer o confronto e usa desavergonhadamente a ameaça para frustrar o evento é quem mais se queixa de ameaças sem sofrê-las seriamente.

Portanto, quem deveria estar de tornozeleira, Sr. primo do presidente, é o próprio presidente, sua chefe de gabinete, o prefeito Nelson Marchezan Jr., que tentou obter ajuda de força nacional e tantos outros que torcem pelo tumulto, como o Sr.

São esses que estão à frente da ruptura da ordem constitucional, mostram, sem pejo, desamor pela lei maior e preferem que os militares promovam em definitivo um golpe que acabe em sangue e morte. Esses senhores são os agentes do tânatos, que não convivem com o eros, são uns zumbis desqualificados do conflagrado momento político do país.

Mas, se por um desses “acasos” de nossos difíceis tempos Lula tiver no dia 24 sua condenação confirmada?

Antes de mais nada, será um escandaloso erro judicial, para dizer o mínimo, a confirmar todas as suspeitas de que esse é um processo de cartas marcadas: a confirmação de uma condenação sem provas, por um fato que só ocorreu na cabeça de meia dúzia de promotorezinhos ativistas, anunciada a quatro ventos, antes mesmo do exame das razões da defesa. Será a revisitação do caso Dreyfus em terras tupiniquins. E assim entrará na história.

O que fazer com esse erro? Só há, para democratas que respeitam a Constituição, um caminho, além de exercerem seu direito de veemente protesto pacífico, recorrer às outras instâncias, na esperança que haja juízes em Brasília que mereçam esse título. E a senda da jurisdição ainda é longa. E, nela, há tudo para garantir que Lula venha a ser candidato a presidente este ano, apesar da maledicência de Gilmar Mendes, do presidente do TRF da 4ª Região, de sua chefe de gabinete, dos Dallagnóis da vida e do juiz de província que mora com Ela.

Dia 24 de janeiro terá, sem dúvida, um forte valor simbólico, porque poderá ou demonstrar a capitulação da justiça federal à campanha midiática de ódio, ou sua capacidade de superação e de fazer Justiça com jota maiúsculo. Não será, porém, uma cesura, um divisor de águas no processo político que continuará seu rumo ao seu destino de restituição da democracia, mas, uma cesura, um divisor de águas na respeitabilidade dos magistrados envolvidos no julgamento do caso.

Eles que pensem bem.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Agnaldo

17 de janeiro de 2018 às 08h57

Thompson não é flor que se cheire

LULA DIZ QUE THOMPSON O VÊ COMO CIDADÃO DE CANUDOS

O ex-presidente Lula criticou o presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Carlos Eduardo Thompson Flores, em ato com artistas nesta terça; “Esse cidadão é bisneto do general Thompson Flores, que invadiu Canudos e matou Antônio Conselheiro. É da mesma linhagem. Quem sabe esteja me vendo como cidadão de Canudos”, disse Lula

https://www.brasil247.com/pt/247/poder/337337/Lula-diz-que-Thompson-o-v%C3%AA-como-cidad%C3%A3o-de-

Responder

Leônidas Mendes Filho

16 de janeiro de 2018 às 19h47

Se alimentas esperanças no covil a que chamam stf, Aragão, esqueça! O senador “dessa porra” há tempos já lhe definiu o papel no “criminoso pacto de quadrilha”. Além disso, Carminha tem mais medo da Glogolpe do que o diabo tem da cruz! A solução é um “14 de julho” e nossa “Bastilha” é a sede da organização criminosa que sustenta juridicamente o golpe; e não fica em Porto Alegre!

Responder

Paulo Sergio

16 de janeiro de 2018 às 19h05

Sustentamos esses parasitas.

Responder

Paulo César Dos Santos Leal

16 de janeiro de 2018 às 18h43

As pantufas destes dois estão ocultas. Vamos vê-las não demora muito.

Responder

Celso

16 de janeiro de 2018 às 16h23

Excelente artigo. Infelizmente não conheço pessoalmente o doutor Eugênio Aragão.

Responder

Ana de Santana

16 de janeiro de 2018 às 18h15

o povo precisa saber o que faremos caso Lula seja injustiçado.

Responder

Katia Perucci

16 de janeiro de 2018 às 16h08

Muito bom!!!!

Responder

Suleide Schmitt

16 de janeiro de 2018 às 17h55

São apenas bandidos com medo que o povo faça justiça. Uma hora o troco será dado, e acredito que não vai demorar.

Responder

Arlete Nieviadomski

16 de janeiro de 2018 às 17h52

Tem toda razão a indignação do ex ministro da Justiça Eugênio Aragão. A pseudo justiça ligada ao lava jato é um acinte à dignidade do povo desta sofrida nação. Parecem moleques e não doutos senhores

Responder

JOAO MARIA DA SILVA

16 de janeiro de 2018 às 15h52

Os fascistas de Maringa, tambem ameaçaram expulsar os petistas, ameaçaram agredir os manifestantes em prol de Lula. Mas os petistas nao aceitaram as provocações. Tudo transcorreu na mais perfeita ordem. Teve diretor do Banco de Desenvolvimento do extremo Sul que chamou em seu blog ” os maconheiros, e as prostitutas da BCT suja”.

Responder

Vera Lucia Alves Milanez

16 de janeiro de 2018 às 17h45

que coisa, essa ministra é uma decepção!como ela permite que esse homem va condenar lula sem provas? e pensar que foi lula quem a colocou nesse lugar.

Responder

Laurenir Peniche

16 de janeiro de 2018 às 17h39

Judiciario bandido e golpista!

Responder

Ana Maria

16 de janeiro de 2018 às 17h21

Como respeitar uma justiça tão PARTIDÁRIA, SELETIVA e INJUSTA?

Responder

Jose Antonio Trevizam

16 de janeiro de 2018 às 17h20

ACHO QUE ESTÃO AMEAÇANDO SE CASO NÃO CONDENAREM LULA SEM OROVAS…

Responder

Naza Moura

16 de janeiro de 2018 às 16h58

Exato !

Responder

Raimundo Leite

16 de janeiro de 2018 às 16h56

Acintosa peregrinação em Brasília, incentivando o acirramento ;-(

Responder

Zeroquatro Montenegro

16 de janeiro de 2018 às 16h53

“A lei é para todos que eu selecionar/e o meu jantar de hoje é o futuro da nação”…
https://youtu.be/Cpbwn0R8EV8

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?