Live do Cafezinho (18 h): Pós-verdade na política brasileira (uma conversa com Fabio Palacio)

Foto Jota Camelo

Lava Jato entrega siderurgia nacional ao capital estrangeiro

Por Miguel do Rosário

15 de fevereiro de 2018 : 13h47

Notícias recentes revelam que, depois do setor de óleo e gás e construção civil, desmantelados ou desnacionalizados a toque de caixa nos últimos meses, a preço vil, a vítima da vez é o setor siderúrgico, o último bastião onde o capital brasileiro ainda tinha alguma participação.

A Votorantim está sendo vendida para a ArcelorMittal, a maior corporação do mundo no setor de aço.

O parque eólico do Ceará, que tinha participação do BB e da Votorantim, e que foi financiado com dinheiro público, está sendo posto à venda.

Por fim, a Gerdau começa a se desfazer de seus ativos mais importantes. Notícia do Valor de hoje informa que a empresa vendeu duas importantes usinas hidrelétricas à canadense Kinross. Há pouco, a Gerdau já havia vendido usinas de produção de peças de aço para a americana Commercial Metals Company.

Os ativos mais estratégicos do país, ligados a infraestrutura, financiados ao longo dos últimos cinquenta anos com generosos emprestimos públicos, estão sendo entregues a preços vis ao capital internacional.

CSN e Usiminas também enfrentam fortes problemas financeiros, em razão da queda na demanda provocada pela operação Lava Jato, e devem ser vendidas a estrangeiros.

A notícia abaixo informa ainda que as participações das empresas brasileiras em ativos externos também estão sendo vendidas.

Lembrem-se que Odebrecht e Petrobras, vitimadas pela Lava Jato, já venderam (e ainda estão vendendo) muitos de seus mais importantes ativos a corporações estrangeiras.

Isso significa que a transferência de lucros, dividendos e empregos para o exterior irá aumentar muito nos próximos meses e anos, e o país ficará mais pobre, mais dependente e menos soberano.

Apenas países invadidos por exércitos estrangeiros testemunharam um processo de desnacionalização tão rápido, brutal e lesivo aos interesses nacionais.

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Pedrão Paulada

16 de fevereiro de 2018 às 13h56

Sabe do que fala. Esperaram uma geração morrer e outra nascer, sem memória do que ocorreu no último golpe de 64. Nesse meio tempo, aturaram a democracia até perceber que não voltariam ao poder pelo voto.
Assim, quem viveu os primeiros momentos da ditadura militar já na fase adulta e ainda vivos, sabe que lá a coisa começou assim, que quando a normalidade da ordem voltasse, devolveram o país ao povo e à democracia. Mas houve o recrudescimento de um ato temporário que tornou-se permanente. A história está prestes a se repetir, pelas mãos de um impostor.

Responder

Lucy

16 de fevereiro de 2018 às 10h21

Prezado Euclídes,

Você acertou o cerne da questão. O Brasil foi saqueado e transformado em eterna colônia com o GOLPE de 2016

O ESCANDALO MOSSAK FONSECA DENUNCIADO EM TODO O MUNDO EM 2014 COMO “ESCÂNDALO PANAMÁ PAPERS 02” AFIRMA QUE MILHARES DE FORTUNAS DE CORRUPTOS EM TODO O MUNDO FORAM OBTIDAS EM PRIVATARIAS EM PAÍSES DO TERCEIRO MUNDO. O FILHO DE FHC O CORRUPTO SR PHC, GENRO DE FHC SR DAVID ZYLBERSZTAJN E FAMILIARES DE JOSÉ SERRA (VERÔNICA SERRA, O PRIMO DE SERRA RICARDO SERGIO DE OLIVEIRA, O GENRO DE SERRA O CORRUPTO SR ALEXANDRE BOURGEOIS) FORAM OS MAIS CITADOS EM 2014 NAS DENÚNCIAS DO ESQUEMA MOSSAK FONSECA.

GEORGE SOROS, FAMILIARES DE FHC E SERRA E OUTROS POLÍTICOS LAVARAM BILHÕES DE DÓLARES NO ESQUEMA PANAMÁ PAPERS, CONFIRAM NO YOUTUBE: “FILHO DE FHC SR PHC TEM FORTUNAS OCULTADAS NO PANAMÁ PAPERS 02”, FORAM DENUNCIADOS EM TODO O MUNDO EM 2014, CENTENAS DE MILHÕES DE DÓLARES, APARTAMENTO DE 37 MILHÕES EM PARIS E MILHARES DE CASOS DE CORRUPÇÃO POLÍTICA NO TERCEIRO MUNDO FORAM LAVADAS E OCULTADAS NO PANAMÁ PAPERS NA DÉCADA DE 1990. O FILHO DE FHC ATUOU COMO “TESTA DE FERRO” DAS MULTINACIONAIS EM 47 CONTRATOS SUPERFATURADOS NAS COMPRAS ILÍCITAS DE 47 USINAS TÉRMICAS JUSTIFICADOS PELOS APAGÕES DE FHC.
Os mega especuladores internacionais e a multinacionais nas 137 privatarias tucanas de FHC transformaram suas MOEDAS PODRES do SISTEMA FINANCEIRO em “ativos super lucrativos” e riquezas minerais e petrolíferas dos países do terceiro mundo e na compra na bacia das almas de empresas super produtivas de energia, mineração, petróleo e gás, telecomunicações, petroquímicas super lucrativas, os negócios mais rentáveis do planeta. Eles coaptaram políticos vira latas, lesa pátrias e corruptos das nações da América Latina naquele NEFASTO CONSENSO DE WASHINGTON convenceram os neoliberais neo-otários terceiro-mundistas corruptos FHC, Salinas, Miguel Della Madrid, Carlos Menem assinaram o nefasto “Consenso de Washington” assinado por esses políticos vira latas em março de 1993, levado a cabo pelos APAGÕES e as PRIVATARIAS TUCANAS. FHC transferiu para os mega especuladores internacionais 137 empresas nacionais e todas as riquezas naturais do Brasil (petróleo, metais nobres: nióbio, manganês, silício, titânio entregues nessas privatarias tucanas).

Agora o cenário mundial é bem diferente da década de 1980 e 1990 (as décadas perdidas), a situação se agravou muito, o consumo nos EUA aumentou e os campos petrolíferos americanos se esgotaram, o petróleo saqueado na guerra do Iraque em dez anos de ocupação (2003-2013) não foi suficiente para suprir a geração termelétrica e toda a indústria americana e o consumo doméstico interno. Pasmem os EUA e UK consomem juntos, atualmente, 48 milhões de barris por dia, isto representa a metade de toda a produção mundial do petróleo que é de 94 milhões de barris por dia. Notem que 90% dos campos petrolíferos do planeta estão em ACENTUADO DECLÍNIO DE PRODUÇÃO, produzindo 85% de água e 15% de petróleo (BSW=85% um termo muito conhecido no setor de petróleo que indica a “curva de produção e o ciclo de vida dos campos petrolíferos”)

A Inglaterra e a Bélgica resolveram os problema de consumo de petróleo e de recursos minerais fazendo genocídio nos países africanos ricos em petróleo, gás natural, diamantes e minerais nobres (ouro, estanho, cobre, silício, molibdênio) mais intensamente na REPÚBLICA DO CONGO (antigo CONGO BELGA), Botswana, Ruanda e na Africa do sul com a instauração do APARTHEID (ditadura do Lawfare judiciário que prendeu Nelson Mandela sem provas por mais de 30 anos de prisão e torturas). No Congo o líder congolês PATRICE LUMUMBA também foi vítima de LAWFARE golpe judiciário, condenado sem provas por juízes partidários corruptos e coaptados pelos interesses estrangeiros, Lumumba foi vitimado por LAWFARE, condenado por convicção de um juíz nazifacista, ele foi preso, algemado, acorrentado e morto num tanque de ácido a mando do rei da Bélgica, iniciou no Congo e países vizinhos Angola e Ruanda uma sangrenta guerra civil com milhões de mortos e a criação do grupo terrorista Boko Haram financiado pela CIA, Serviço Secreto da Inglaterra e o Serviço Secreto da Bélgica que causa milhares de mortes até os dias atuais para manter a política de roubo de petróleo, minérios e a soberania desses países.
O golpe judiciário e parlamentar no México (1994), Honduras (2010) e Paraguai (2012), todos planejados pela CIA e as petrolíferas e mineradoras tiveram sucesso total nessas nações e atingiram também o objetivo de DESTRUIR A SOBERANIA desses países, saquear as riquezas minerais e petrolíferas e setores superlucrativos. Esse mesmo golpe judiciário e parlamentar foi tentado pela CIA e as petrolíferas na Malásia (2014) e na Turquia (2015) mas fracassou, o premier MAHATIR e o premier ERDOGAN descobriram o golpe articulado pela CIA e pelas petrolíferas e com apoio popular prenderam milhares de juízes e parlamentares e até militares envolvidos com a CIA nessas tentativas de golpe, TODOS foram condenados a prisão perpétua e se tivesse pena de morte esses juízes coaptados pela CIA seriam sumariamente fuzilados. Na China se um golpe judiciário fosse tentado a mando da CIA seriam todos fuzilados em praça pública.

O GOLPE JUDICIÁRIO DE 2016 planejado pelas petrolíferas liderado pelo juiz tucano treinado pela CIA Sérgio Moro e como aliados golpistas mega corruptos Eduardo Cunha e MI-SHELL teve uma cuidadoso planejamento da CIA. A Lava Jato foi iniciado em abril de 2014 pelo mesmo juiz tucano Sérgio Moro que atuou no ESCÂNDALO BANESTADO, o propinoduto das privatarias tucanas, Sérgio Moro vem blindando desde 1997 no Banestado os 300 políticos demo tucanos envolvidos no caso banestado, o maior crime de corrupção da história do Brasil. Sérgio Moro também manteve soltos os criminosos que lavaram as propinas para os 300 políticos corruptos do quadrilhão de FHC incluindo o “office-boy” dos tucanos sr Alberto Youssef e outros 70 doleiros presos na “Operação Macuco” em 1997, 1999 e 2001.

Essa segunda fase de entreguismo lesa pátria O GOLPE JUDICIÁRIO DA CIA que levou a nova fase de DESTRUIÇÃO NACIONAL do governo golpista está sendo descaradamente pelos interesses estrangeiros.

Note que a BHP Samarco levou na bacia das almas a maior mineradora do mundo A VALE DO RIO DOCE a maior privataria do século e o maior crime de corrupção já feito no Brasil os gringos levaram na mão grande no governo FHC é uma continuidade do NEFASTO CONSENSO DE WASHINGTON (1993) e pelo KISSINGER que elaborou em 1974 um PLANO SECRETO para saquear as riquezas naturais dos países detentores de grandes recursos e constranger o terceiro mundo com guerras civis, golpes militares e mais sofisticados GOLPES JUDICIÁRIOS DE LAWFARE para escravizar esses países e roubar as riquezas, esse documento secreto ficou conhecido como MEMORANDO 200 ou NSSM-200 (National Security Secret Memorandum Number 200, elaborado pelo então chefe da CIA no governo Jim Carter sr GEORGE H BUSH e pelo sinistro Devil Kissinger. Esse plano secreto avalia TODOS os recursos naturais do planeta e o aumento populacional e propôs um plano secreto para fomentar conflitos internos, guerras civis, financiar grupos radicais como ISIS e Boko Haram com recursos da CIA, financiar golpes judiciários (LAWFARE), atos de “office-abuse” de juízes.

OS APAGÕES DE FHC FIRAM CUIDADOSAMENTE PLANEJADOS PELO CONSENSO DE WASHINGTON PARA SABOTAR O SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO ENTREGAR 32 EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA SUPERLUCRATIVAS (A GIGANTE ELETROPAULO FOI DOADA EM 1996 PARA O GRUPO AMERICANO AES QUE ESTAVA EM PROCESSO DE PRE-FALÊNCIA NOS EUA ELA SALVOU-SE TRANSFORMANDO AS MOEDAS PODRES NA BOLSA DE NEW YORK COMPRANDO NUM LEILÃO FRAUDULENTO A ELETROPAULO, PASMEM, A AES AINDA GANHOU UM EMPRÉSTIMO DOAÇÃO NO BNDES EM 1996 PARA LEVAR A GIGANTE DO SETOR DE ENERGIA ELATROPAULO DOADA NO GOVERNO TUCANO PELO CORRUPTO GENRO DE FHC SR DAVID ZYLBERSZTAJN E O EMPRÉSTIMO DE 2 BILHÕES NO BNDES CONCEDIDO POR MÁRCIO FORTE E MENDONÇA DE BARROS, ELES GANHARAM FORTUNAS NO ESQUEMA BANESTADO. OUTRAS EMPRESAS DE ENERGIA BRASILEIRAS A CELGO, ECELSA, CEMIG, ELETRONORTE TIVERAM O MESMO DESTINO NAS PRIVATARIAS TUCANAS. SERGIO MORO BLINDOU A PRIVATARIA TUCANA PELA OPERAÇÃO ABAFA DO “ESCÂNDALO BANESTADO” NO PARANÁ QUE CAPTOU 125 BILHÕES DE DÓLARES PARA CONTAS SECRETAS DE FAMILIARES DE FHC, SERRA, TEMER E OUTROS 300 POLÍTICOS DEMO TUCANOS )

No caso do setor elétrico, o aporte do BNDES foi de 100% e a compradora AES, por exemplo, não pagou em dia nem a primeira prestação. Ao longo dos oito anos de mandato de Fernando Henrique Cardoso, as privatizações somaram 78,61 bilhões de dólares e os investidores estrangeiros contribuíram com míseros 53% do total. Essa revoltante privataria feita com dinheiro público ainda atingiu o sistema Telebrás e a mineradora Vale do Rio Doce.

Enquanto a mídia alegava que as negociatas eram sinônimos de “modernidade”, tratava de aproveitar a moleza tucana comprando o que era privatizado. O Estadão, por exemplo, comprou parte da operadora de celulares BCP, hoje Claro, valendo-se do BNDES, é claro. Alguém consegue imaginar maior falta de ética do que um órgão de imprensa defender furiosamente política pública que o beneficiava alegando agir em nome do “interesse público”?

De qualquer forma, agora é tarde. O negócio foi para o brejo. O Walmart deve comprar o Carrefour e, assim, controlará ao menos 40% do setor supermercadista. E o que é melhor – para os americanos: sem que o Estado brasileiro ou qualquer grupo privado nacional possam interferir nas compras, que serão direcionadas a produtos estrangeiros em detrimento da indústria nacional, sem falar nos lucros de setor tão dinâmico que voarão para o exterior.

O prejuízo para o país é incalculável. Sobretudo para o trabalhador do setor, porque todos sabem como a mega transnacional Walmart trata seus empregados. E, como noticiou o portal Terra, o Walmart já anunciou que, a partir do ano que vem, tratará de comprar o que resta da concorrência de peso, o que fará surgir um gigantesco oligopólio que materializará as previsões sombrias daqueles que embarcaram na lorota da direita midiática.

Responder

euclides de oliveira pinto neto

16 de fevereiro de 2018 às 07h16

Esses grupos multinacionais estão investindo na aquisição de empresas sólidas, porque sabem da provável depreciação do dólar, em breve futuro… Assim, estão se livrando do mico – dólar papel pintado, sem garantia de nada…. estão passando a batata quente para os empresários brasileiros…

Responder

Professor Mauro

15 de fevereiro de 2018 às 20h15

A siderurgia era forte no Brasil até o desmonte da década de 1990. O Brasil era o quarto produtor de aço do planeta produzia 140 milhoes de toneladas por ano de aço bruto (placas e lingotes) e aços laminados (chapas) o país tinha um dos parques siderúrgicos mais modernos do mundo.
Em 1991 na era Collor foram entregues na bacia das almas a mega siderúrgica Usiminas e a gigante CST e depois a CSN doada para Steinbruch um mega especulador amigo de FHC ex dono do falido grupo VICUNHA uma indústria têxtil que faliu na década de 1970 (pervinc 70). EM seguida foi a vez da AÇOMINAS e da COSINOR companhia siderúrgica do nordeste e a CARAIBAS Metais e em cascata a siderúrgica fábrica de material ferroviário MARFESA.
O filé mignon da privatização siderúrgica no Brasil foi a privato doação da ACESITA CIA AÇOS ESPECIAIS ITABIRA a maior e mais moderna siderúrgica de aços especiais do mundo. A ex estatal ACESITA pertencia ao banco do Brasil criada em 1944 como subsidiária da CIA VALE DO RIO DOCE antigo grupo ITAVALE.
A ACESITA foi construída com dinheiro público na época do grupo ITAVALE e foi doada ao grupo ARCELOR MITTAL na década de 1990 ela valia 2,5 bilhões de dólares e foi doada para o grupo Arcelor pela bagatela de 100 milhões de reais menos que seu lucro trimestral.
A ACESITA possui duas modernas aciarias a vácuo (VOR) LD1 E LD2, AOD, moderna laminação a frio e moderna laminação a quente e unidade de lingotamento contínuo de placas. Os laminadores da ACESITA são os mais modernos do mundo SENDZIMIR projetados em 1977 na Suécia SURAHAMMER e pela austríaca VOEST ALPINE.
O DRAMATURGO NELSON RODRIGUES TEM RAZÃO QUANDO AFIRMOU EM 1950 QUE O BRASILEIRO E PRINCIPALMENTE POLÍTICOS LESA PÁTRIAS SOFREM DE “SÍNDROME DE COMPLEXO DE VIRA LATA” entregam suas riquezas aos gringos e o povo mudiotizado e ferozmente manipulado aplaude esse entreguismo lesa pátria
POBRE BRASIL

Responder

Luiz Carlos P. Oliveira

15 de fevereiro de 2018 às 19h20

Os EUA não precisaram dar 1 tiro sequer para saquear nossa economia e riquezas naturais. No Iraque tiveram que invadir, ao custo de bilhões de dólares. Aqui os patinhos entregaram tudo de graça. Parabéns!

Responder

Luiz Carlos P. Oliveira

15 de fevereiro de 2018 às 19h14

A Acellor Mittal já está no Brasil, desde que comprou a Belgo Mineira. É uma das maiores siderúrgicas do mundo, de origem indiana. Pelo menos não é americana. Mas ficará ainda maior e agora passaremos a exportar somente minério de ferro, sem nenhum valor agregado. Em resumo: voltaremos a ser meros exportadores de matéria prima.

Responder

Antonio Passos

15 de fevereiro de 2018 às 17h28

O Brasil acabou, sofremos uma invasão sim, com a colaboração do maior exército de imbecis da história da humanidade: Os Patos Amarelos Coxinhas.

Responder

Cruz

15 de fevereiro de 2018 às 15h53

http://www.informationclearinghouse.info/48796.htm

Responder

Carlos de oliveira

15 de fevereiro de 2018 às 15h17

No artigo do Valor está escrito que a decisão de desinvestimento foi tomada em 2014. Uma decisão dessas leva tempo para ser tomada então ela começou a ser avaliada em 2013 ou mesmo antes. Isso demonstra que ela surgiu ainda nas burradas do pt e apenas continuou nas barbaridades do conde dracula. Todos mafiosos.

Responder

    Antonio Passos

    15 de fevereiro de 2018 às 17h27

    Ah vai contar história pra boi dormir. Não vem tentar jogar pra cima do PT a obra de VOCÊS. Sim porque com essa conversinha idiota de “todos são iguais”, surgiu um letreiro na testa piscando: “Pato Amarelo Coxinha”. O PT lutou pra fazer do Brasil um país soberano. Vai ver o projeto Sirius que está sendo concluído. E não adianta retrucar porque não vou ler mais suas idiotices. Adeus.

    Responder

      Jairo

      15 de fevereiro de 2018 às 18h18

      O Carlos tem razao. A propria materia diz que a decisao de investimento foi em 2014.

      Esse tipo de coisa leva tempo pra ser decidida. Ou seja, comecaram a analisar isso em funcao de uma conjuntura economica de 2012/2013.

      Responder

        Miguel do Rosário

        15 de fevereiro de 2018 às 19h34

        nao. a materia fala sobre “reestruturaçao financeira” em 2014. nao desinvestimento. este veio com a crise trazida pela lava jato, que paralisou a economia do pais. alias a lava jato começou em março de 2014.

        Responder

        José Rocha

        16 de fevereiro de 2018 às 01h18

        Nem reestruturação financeira, nem desinvestimento: isto se chama, ajoelhar-se aos pés do Tio Sam.

        Responder

Deixe uma resposta