Boulos em Recife

Outro caso curioso foi a projeção de um matemático da USP (que não é o Alberto Almeida), de que Haddad tinha 99% de chances de ganhar as eleições. O PT não se apercebeu do ridículo de divulgar uma coisa assim.

Os prognósticos de Alberto Almeida

Por Miguel do Rosário

06 de novembro de 2018 : 15h02

No início de 1940, o Reino Unido já estava em guerra contra a maior potência militar da época, a Alemanha. Mas o primeiro ministro inglês Neville Charmbelain, do Partido Conservador, ainda continuava acreditando em algumas falsas promessas de Hitler e Mussolini. Aliados do primeiro ministro, como o Lorde Halifax, defendiam que, para se evitar o pior, a Inglaterra fizesse novas concessões ao regime nazista.

O volume das críticas a Chamberlain cresceu a níveis insuportáveis. Então Winston Churchill, do mesmo partido, mas com apoio forte na oposição, assumiu o cargo e rechaçou peremptoriamente qualquer novo acordo com Hitler. E venceu a guerra.

Menciono essa história para provar que críticas sempre são necessárias, sobretudo nos momentos mais perigosos. A tese de que “não é hora” de criticar não é racional. Quanto mais grave o momento, mais importante que haja uma vigilância crítica sobre as lideranças políticas, justamente para ajudá-las a corrigir suas rotas a tempo de evitar maiores danos ao coletivo.

Muito mais perigoso do que uma crítica bem fundamentada é a embriaguez nascida do falso elogio e de uma análise pouco realista da conjuntura.

Até porque, de suas lideranças políticas, o povo não espera milagres, e sim franqueza e honestidade.

Se o povo sente que suas lideranças estão lhe escondendo a verdade, ele procurará outras que lhe inspirem mais confiança.

Esse foi, a meu ver, um motivo que fez o PT perder muitos votos na eleição deste ano, sobretudo entre eleitores com ensino médio para cima. A história de que Lula era candidato, e que poderia sim ser eleito e assumir, podia colar com o eleitor analfabeto, mas irritava profundamente o restante da sociedade, que tinha informações suficientes para saber que aquilo não era verdade, e que o partido estava tentando lhe enganar.

Setores da elite simpatizantes do PT tinham perfeita consciência de que a história era uma grande fraude, mas aceitavam a narrativa como necessária para se conquistar o voto iletrado. A estratégia embutia um mal disfarçado preconceito contra a capacidade intelectual do povo.

Para silenciar as críticas que alertavam para os perigos de uma estratégia baseada numa fraude tão explícita, surgiram os “profetas da vitória”, cientistas políticos que faziam prognósticos forçadamente otimistas.

Entre estes, o mais notório foi Alberto Carlos Almeida.

O internauta Fernando Paiva (@FernandoFSPaiva) fez um thread de twitter com algumas críticas às previsões de Almeida ao longo da campanha. Vale a pena seguir o fio ao final do post. É muito interessante.

Enquanto intelectuais independentes alertavam que as pesquisas mostravam fortíssima rejeição ao PT e a Lula, sobretudo nas grandes cidades, no Sul/Sudeste e nas classes médias, sinalizando uma grande dificuldade eleitoral, em especial no segundo turno, a cúpula do partido e os blogs aliados não apenas procuravam ignorar essas análises, como dispenderam uma grande energia para neutralizá-las. A militância fanatizada, por sua vez, agredia e tripudiava. A orientação da cúpula era manter a militância presa aos prognósticos mais delirantes, desde que esses fossem úteis às estratégias.

Ao contrário dos alertas lançados pelos intelectuais independentes, todos confirmados, nenhuma dessas “previsões” delirantes e otimistas – e que ignoravam tanto as pesquisas como qualquer observação isenta da realidade – se materializou.

Até hoje, alguns petistas ou simpatizantes lembram das pesquisas do primeiro semestre de 2018, favoráveis a Lula, atendo-se somente à sua primeira página. Ignoram as outras informações que ali constavam: dentre elas, a mais perigosa, para a esquerda, era o forte apoio social à condenação e prisão de Lula, muito expressivo em setores numerosos e influentes da população.

Das duas, uma: ou se acreditava nas pesquisas ou não se acreditava. Se havia essa fé toda nelas, então ela tinha que ser completa, ou seja, deveria-se acreditar também nos dados negativos.

Não se tratava, em nenhum momento de “abandonar” Lula, mas sim de separar, cuidadosamente, a sua defesa jurídica pessoal da estratégia maior de ampliar o leque de apoios políticos, visando conquistar setores plurais da sociedade, vencer as eleições e construir uma base social que desse sustentabilidade ao governo.

***

Eu reproduzi os comentários de Paiva abaixo. Leia e comente.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

65 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

CAR-POA

07 de novembro de 2018 às 19h56

——A história de que Lula era candidato, e que poderia sim ser eleito e assumir, podia colar com o eleitor analfabeto, mas irritava profundamente o restante da sociedade, que tinha informações suficientes para saber que aquilo não era verdade, e que o partido estava tentando lhe enganar.———
OUTRO GÉNIO A COMENTAR ,ESTE PARÁGRAFO É ABSOLUTAMENTE SURREAL.
Era claro para todos que ninguém estava sendo enganado,”analfabetos” e “alfabetizados”( como se isso fosse garantia de racionalidade).
TODOS sabiam que o candidato NATURAL era o LULA,se isso não foi possível e se usou a estratégia de mante-lo até o final,NADA garante que o oposto daria certo.
Os fardados já estavam no stf,nas redes ameaçando,os serviços trabalhando nas redes ,dinheiro rolando solto ,todo isso após anos de destruição da reputação dos únicos que poderiam lhes estragar o furto planejado .
O RESTO NÃO EXISTE,E SE POR VENTURA FOSSE APRESENTADA UMA OUTRA CANDIDATURA ELA SERIA ANIQUILADA COMO FIZERAM COM OS PTS.
CABE NA CABEÇA DE ALGUÉM MINIMAMENTE INTELIGENTE,QUE ELES ENTREGARIAM O PODER APÓS DOIS ANOS E SEM TER CONCLUÍDO O SEU TRABALHO??????
TOLOS .ABSURDAMENTE TOLOS

Responder

ronaldoxxx555

07 de novembro de 2018 às 16h49

Pessoal vcs petistas bajuladores do lula ,que ainda nao foram CENSURADOS pelo pasquim 247 e diario do centro do pt precisam aparecer mais por la pra comentar…pq so tem os profissionais da rede que parecem ser pagos ,cordoVa, henrique r e robbin comentando…TA UM CEMITERIO POR LA!!

Responder

André

07 de novembro de 2018 às 16h46

O Cafezinho tá surfando na onda antipetista e a galera adorando! É impressão minha ou esta fechado com o PDT e Ciro?

Responder

    Miguel do Rosário

    07 de novembro de 2018 às 17h21

    André, pouco mais de uma semana da eleição, o momento é de avaliar os nossos erros. Pare com paranoias partidárias. Estou fechado com a democracia.

    Responder

      André

      08 de novembro de 2018 às 08h35

      Ok. Deve ser só impressão, vou continuar acompanhando o blog. Obrigado pela resposta!

      Responder

    Nilson Messias

    07 de novembro de 2018 às 17h50

    André, E as previsões desta bosta de blog, que Ciro Gomes, ídolo do bosta do editor iria ao segundo turno, não vem a caso? O nível é o mesmo do jagunço do ceara…

    Responder

foo

07 de novembro de 2018 às 15h58

Eu lembro quando vi essa análise, e achei engraçado alguém se prestar a fazer previsões com 2 casas depois da vírgula.

O que eu sempre disse é que as pesquisas não valem nada se não consideramos a macro política.

E a grande surpresa nessa eleição (pelo menos para mim!) foi que a maior parte dos atores políticos preferiram ficar em cima do muro.

Isso me surpreendeu por que eu esperava, diante do risco Bolsonaro, um apoio maciço ao outro candidato. Fosse quem fosse.

Apenas Boulos deu um apoio claro a Haddad. Marina deu um apoio meia boca. Ciro, nem isso.

E a mídia, com exceção da Folha, deu apoio velado ou nem tanto a Bolsonaro. (A Folha ficou neutra.)

Faltou um Brizola e um Mário Covas.

Responder

    Francisco

    07 de novembro de 2018 às 16h33

    Diria que sobrou anão.

    Responder

Doda

07 de novembro de 2018 às 14h40

Miguel, não tem jeito, com petista não se discute, esse tipo de gente deve ser ignorada!
Os caras são cegos, mudos e surdos quando se trata do pt e do lula. O brasil247 é o lixo da internet no campo político, fabrica de fake news, intelectuais que não pensam, “jornalistas” tendenciosos para não escrever: CANALHAS!!
Todos sem exceção estão na torcida para que o próximo governo seja um total desastre, mesmo sabendo que com isso quem sofrerá é o povo, não votei no bozo, mas não posso desejar ver o país num caos pq não é meu candidato ou partido que está no poder.
Escrevam: Vários pedidos de impedimento viram por parte do PT, quanto pior melhor para eles!

Responder

    Olavo

    07 de novembro de 2018 às 17h24

    Post sábio.
    Espero que o pessoal do PT, PSOL… leiam e apoiem incondicionalmente à família bolsonaro no poder pelo bem do Brasil.

    Responder

Justiceiro

07 de novembro de 2018 às 11h32

HUAHUAHUAHUAHUAHUAHUA

O Miguel vai deixar esse post aí por uma semana pra ver se os petistas aprendem alguma coisa com a realidade.

Não adianta, Miguel…tem gente que está culpando as urnas por o vidente não ter acertado a previsão.

Responder

    Olavo

    07 de novembro de 2018 às 17h27

    Espero que o pessoal do PT tenha humildade e venha aprender a realidade lendo suas postagens.

    Responder

Francisco

07 de novembro de 2018 às 11h19

Miguel, não deixe de ser inteligente, principalmente na hora em que os medíocres assumem o comando do ‘Saloon Brazil’, sabendo-se bem, como, porque e com quem apoiando e dando o norte.

Enquanto o sagaz ‘rolabosta’ tenta livrar-se da porção de cuervos por ele criados, tentando preservar a visão, a razão e assim sobreviver, tu, em sentido contrário, cego sem ainda sê-lo, ceva cuervos, muitos adestrados por ele, que aos poucos tomam o cafezinho, entregue a guarda do Forte Apache, numa boa, entusiasmados com a ‘Delenda PT’ do ‘Cirandeiro de Sobral’, aquele ‘egopolítico’ do: O Partido Soy Yo!

Se continuar cego nessa delenda furada, mais que tábua de pirulito, sei não, logo, logo, ‘do Rosário’ passa a ‘do Ciro’, com cão guia e tudo.

Responder

Bozo & Andrade Artigos para Festas Infantis

07 de novembro de 2018 às 10h53

Sr. Alberto Carlos Almeida é concorrente desleal de nossa firma. Pensamos em recorrer ao CADE.

Responder

    degas

    07 de novembro de 2018 às 12h48

    Também está fazendo concorrência desleal com o Vox Populi.

    Responder

manoel

07 de novembro de 2018 às 10h04

Miguel sai dessa síndrome de delação premiada. Você é melhor que isso, mas será cobrado por subir no muro num período tão importante pra nossa história. Ganhar e perder é parte do jogo, mas a omissão não.

Responder

    Miguel do Rosário

    07 de novembro de 2018 às 10h15

    Que muro, Manoel? E que omissão? Você não leu o início do post?

    Responder

    Rafael

    07 de novembro de 2018 às 10h20

    não vejo omissão dele.
    o que vi nos últimos anos foi o isolamento dele pelos demais blogs/militantes só por ter declarado apoio ao Cirão da massa.

    Responder

Luiz Antonio Maia de Araujo

07 de novembro de 2018 às 09h39

É o processo deleta PT continuando com toda força, agora incorporando setores que se dizem de esquerda…

Responder

    Alexandre Neres

    07 de novembro de 2018 às 09h46

    Quem encabeça o projeto “delenda PT” é este blogue. Se o cidadão é realmente se diz de esquerda ou de centro-esquerda, dado que aqui está infestado de bolsominions e conservadores, pergunto: o que sobra no lugar? Perderíamos o maior partido da América Latina e ficaríamos com um castelo de cartas, sujeitos a caudilhos personalistas e egoicos. Alô moderação, cadê meu comentário?

    Responder

Tobias

07 de novembro de 2018 às 09h25

O processo eleitoral foi uma fraude completa.
Com whatsapp e os cambal. Complemente dominado for fake news.

Responder

    João Ferreira Bastos

    07 de novembro de 2018 às 11h28

    Fazer essa critica, agora e não levar em conta a enxurrada de fake news, proximo de 1,8 bilhões praticamente nas duas ultimas semanas antes do 1 º turno é ridiculo

    Se analisarem a curva do Haddad, vinha subindo e a tendencia era realmente vencer, até que com as fake news a rejeição dele aumentou exponencialmente.

    Já falei anteriormente: quando o Miguel trabalhava com o FB, aprendia e fazia belas analises. Depois de se engajar no Ciro, perdeu o senso critico e passou a torcer

    Responder

      degas

      07 de novembro de 2018 às 12h27

      As pesquisas indicaram que o número de mensagens enviadas pelos dois candidatos foi igual. Mas, suponhamos que não fosse, que mágica haveria nessas mensagens para fazer alguém seu voto? Nos dê uns dois ou três exemplos delas. Eu só vi mensagens verdadeiras. E ofereço os exemplos que você não tem:

      – Adad fez o kit gay e queria distribuí-lo nas escolas.
      – Adad e o PT recebem ordens de um presidiário.
      – O PT criou o Mensalão e o Petrolão.

      Para que mentir contra o PT? Basta esfregar-lhe a verdade na cara.

      Responder

    marco

    07 de novembro de 2018 às 11h58

    Também acho que foi farsa, ainda mais legitimada pela candidatura do poste.

    Responder

Bernardo Antunes

07 de novembro de 2018 às 03h38

1. A estratégia de Lula não foi “fraude”. Fraude de fato é o da lava-jato que prendeu sem crime comprovado o único que seria capaz de derrotar a direita na eleição. Na verdade era a luta politica mais digna que o PT tinha no momento.
2. A estratégia deu certo até certo ponto. Haddad cresceu rapidamente chegando aos 30% , tudo isso devido a transferência dos votos Lula. Não fosse isso Haddad não teria nem 3%. A estratégia não funcionou por completo em parte porque o PT ficou isolado no segundo turno. Não recebendo apoio de nenhum outro partido, com excessão do psol.
3. Usar adjetivos moralistas para atacar a candidatura do PT , algo como “traição ao povo”, o PT “enganou o povo”. não vai levar a nada. O PT usou uma estratégia que não funcionou. Acontece. É da vida. Assim como o Ciro também usou e falhou. Marina Silva e etc.. Com o atenuante que o partido foi vitima de uma justiça que caçou o seu principal candidato e teve que improvisar.
4. Achar que o PT tinha obrigação de apoiar o Ciro é absurdo. Ciro não procurou Lula e a direção do PT em momento algum para acertar nada. Teve uma postura independente desde o inicio, de distanciamento do PT. O que é seu direito claro. Mas imaginar que PT tinha obrigação de apoiar Ciro como única alternativa é um delírio.
5. Ciro perderia essa eleição, mesmo que o PT não participasse dela.

Responder

Cláudio

07 de novembro de 2018 às 03h13

Triste ! Muito ruim ver que O Cafezinho chegou a esse nível de degradação de esculhambar a candidatura Lula mesmo depois dessa desgraceira toda, aí é que os caras se acham mesmo cheios da verdade… Coitados !! Eu já havia decidido parar de comentar aqui, passando só para ver se aparecia (muito dificilmente) alguma coisa digna de se ler e gastar alguns minutos nisso, embora continue até o presente momento mantendo a assinatura e contribuindo financeiramente mês após mês mas até isso estou vendo que não vai mais ser possível, tamanha a repulsa, o nojo que me causa atualmente a posição de renegado político-ideológico do Miguel e sua claque de “iluminados”, nada diferente do tal de “Duplo Expresso”. Aliás, ambos se merecem, com suas teorias mirabolantes e suas sandices cretinas posando agora de profetas do que não fizeram por (não) lutar. Assim, deverei economizar esse dinheirinho ou disponibilizá-lo para quem realmente bem o mereça dentre outros blogueiros progressistas, coisa que Miguel do Rosário, no meu conceito, não é mais nem merece agora ser assim chamado. Vade retro, SatanA! Que o finado Professor Hariovaldo o receba calorosamente em sua legião de homens de bens…

Responder

    João Ferreira Bastos

    07 de novembro de 2018 às 13h35

    O FB no Tijolaço tem uma história de 40 anos de total coerencia
    vale a pena apoia-lo

    Responder

      Cláudio

      08 de novembro de 2018 às 03h13

      Passei só para ver se tiveram a hombridade de publicar o comentário anterior…
      Já contribuo (há mais de um ano) para o Tijolaço e mais 16 outros blogs, revistas, jornais e sítios progressistas. Este vai ser o primeiro (e espero que único) a ter minhas doações descontinuadas, embora o Paulo Henrique Amorim, do ConversaAfiada, também esteja, de vez em quando, com um comportamento muito estranho mas nada tão escabroso quanto O Cafezinho, Miguel do Rosário & Cia.

      Responder

Alexandre Neres

07 de novembro de 2018 às 01h40

Lamentável a postura deste blogue de atacar por meio de um laranja um profissional sério, que como todos nós está sujeito a cometer erros. Vou me ater aos argumentos para retrucar mais essas catilinas do Miguel ao seu maior adversário, qual seja, o PT. Não por acaso exatamente neste blogue bolsominions e ciristas fizeram uma prolífica dobradinha em todo o desenrolar dessas infaustas eleições.

Parece que as eleições transcorreram como um céu de brigadeiro, não houve episódios significativos em seu decorrer. Ou seja, era previsível a facada no asno; era natural que o movimento #EleNão em 29/9 em diversas capitais geraria um revertério; a enxurrada de fake news, parte de uma guerra híbrida, se bem que isso não pesou para o brilhante analista político Miguel do Rosário, pois se baseou em pesquisas do Datafolha em que os próprios entrevistados disseram que não foram influenciados por fake news do zapzap. Ah, tá! A onda tenebrosa que varreu este país na véspera do primeiro turno, elegendo nulidades e fascistas como Zema, Witzel, Janaína, Mamãe Falei, Frotinha, Kinta Catiguria, Joyce Plágio etc. etc. etc.

Ora bolas, Haddad vinha em uma crescente no primeiro turno, até que houve um ponto da virada. Em pesquisas do Estadão/Ipsos, ao longo do ano, Lula estava em uma curva ascendente e o Ministro Moro na descendente, com a rejeição aumentando e a avaliação positiva diminuindo. No começo do segundo turno, talvez wishful thinking, Miguel do Rosário previa uma derrota acachapante de Haddad. Pra dizer”eu não avisei?” Quem poderia prever que num momento crucial em nossa trajetória, certos candidatos personalistas e egocêntricos colocariam suas questões pessoais acima dos interesses do País? De que valeu o ensinamento do saudoso Leonel Brizola, ao mostrar grandeza política e despejar votos no sapo barbudo em 1989?

Votei em Lula em 1989. Garoto, queria me identificar com o novo, não queria me vincular com o trabalhismo e com a velha esquerda. Com o tempo, percebi que aquelas eleições eram do Brizola. Tal qual o PT fazia à época, vejo os membros da famiglia Gomes quererem se distanciar do PT e da “velha política”, por mero oportunismo. Chegam até ao ponto de dizer que o PT é corrupto, deixa roubar, que com eles estão os decentes, quiçá os primos dos cidadãos de bem do nosso País que fecharam com o mito. Quem conhece a História, não se surpreende com este tipo de postura, parece a banda de música udenista que serviu pra nos trazer os anos de chumbo. O escritor Marcelo Rubens Paiva definiu perfeitamente em uma palavra a conduta de Ciro Gomes no segundo turno: “Covarde”. E olhe que é metido a valentão, nesse ponto, o da truculência e do tom autoritário, o caudilho chega até a lembrar um outro messias.

Ciro Gomes saiu grande do primeiro turno e um anão moral do segundo. Lembro de Ciro Gomes, pupilo de Tasso Jereissati, com matérias elogiosas nos jornalões falando que ele economizava até em clipes. Ciro Gomes em 3 anos de campanha, obteve 12% dos votos e olha que foi bem. Haddad em 3 semanas, obteve 29%. Ciro Gomes não é homem de partido, não faz parte de uma construção coletiva, não tem base social, troca de partido como quem troca de roupa. Ciro nunca conseguiu chegar em um segundo turno de eleições presidenciais, e olhe que não foi por falta de tentativa. Na realpolitik, não existe esta de um candidato melhor colocado, em um partido estruturado, ceder a vez para outro, quanto mais em um arremedo de partido como o PDT, que mais parece um balaio de gato. Ah, mas a rejeição do PT é muito alta. E daí? Ciro Gomes, eleição se ganha com voto, o que você não demonstrou ter. Diante de todo este cenário, se tivesse habilidade política, o que também não conseguiu comprovar, teria que arrumar um jeito de com muito tato se tornar o candidato do PT, considerando que muita gente graúda do partido se posicionou nesse sentido, como Jaques Wagner e o próprio Haddad. Mas o que fez o boquirroto? Queimou as pontes e os navios com o PT.

Não posso deixar de abordar a má-fé do Miguel do Rosário ao inverter a questão no que se refere a tratar que Lula candidato seria uma fraude. Primeiro, Lula foi vítima de lawfare, atacado sistematicamente pelos partidos da imprensa golpista e da justiça. Não abandonar um líder popular num momento como esse é uma questão de dignidade e de caráter, o que não se pode cobrar de quem não os tem. Querer levar Lula para uma embaixada é uma atitude infame e oportunista de quem quer herdar seu lugar. Uma candidatura só pode ser impugnada pela Justiça Eleitoral, isso não ocorre de antemão, exceto para o PIG e para Miguel do Rosário. O líder das pesquisas foi excluído do pleito de forma célere e inusual, os nomes dos judas ficarão para a História, taí em uníssono a imprensa mundial pra não nos deixar esquecer. Cabe aos algozes da democracia o ônus de impedir a candidatura do maior líder popular brasileiro de todos os tempos, só mesmo um analfabeto jurídico sugeriria chamar pra si a responsabilidade de não colocar este nome na disputa porque posteriormente seria impedido pela Justissa.

Por fim, mas não menos importante, Miguel e Merval, tal qual estivéssemos num monastério e não na política, irão cobrar eternamente uma autocrítica autoflagelante do PT. Único partido da nossa história do qual é cobrado tal procedimento, muito embora o problema seja do sistema político e não do partido “a” ou “b”.

Responder

    Marcos

    07 de novembro de 2018 às 15h33

    Concordo com você, Alexandre.
    Lamentável e muito estranho o comportamento do Miguel do Rosário.

    Responder

      Miguel do Rosário

      07 de novembro de 2018 às 15h35

      ~Lamentável e estranho~ por que? Sou blogueiro desde 2004, e continuo falando exatamente as mesmas coisa. Defendendo exatamente os mesmos princípios. Um deles é que se deve falar a verdade, e não iludir militantes com análises e previsões fajutas, tampouco com estratégias fraudulentas.

      Responder

Mauro

07 de novembro de 2018 às 01h26

Acho um completo absurdo chamar a candidatura Lula de fraude. Para qualquer pessoa informada a estratégia estava clara. O PT fez uma avaliação de que era necessário levar a candidatura Lula até seu limite, primeiro, para reafirmar o absurdo de seu processo e condenação e, segundo, para forçar o Judiciário a proferir decisões casuísticas, contrárias às decisões anteriores para casos semelhantes. Obrigar o Judiciário a vestir a carapuça do golpe, definitivamente.

Essa estratégia implicava a não aceitação dócil da condenação, mostrar as ilegalidades contra Lula, sem descambar para a maluquice defendida pelo Ciro de pedir asilo político e, aí sim, radicalizar irreversivelmente o País.

Era necessário em discurso dizer que Lula era o candidato porque a jurisprudência consolidada até então assim garantia, ainda que fosse de conhecimento público, notório, que seria quase impossível Lula ser candidato.

Mal disfarçado preconceito é acreditar que o chamado povão não sabia que, de fato, não deixariam Lula ser candidato. Que o chamado povão foi enganado. Isso sim é uma forçação hermenêutica, que beira o desonesto, para justificar o absurdo adjetivo (“fraude”) usado por Ciro Gomes, Merval Pereira, Noblat e outros para classificar a candidatura Lula. Melhor o Ciro repensar as companhias.

Responder

    JULIO FELIPE MONTEIRO DE BEM

    07 de novembro de 2018 às 02h48

    Mas desde quando campanha presidencial serve pra tirar lider político da cadeia? Denunciar o que pra quem? Campanha é eleger o governante do país por 4 anos, não pra alisar o saco do Lula. Preferiram ficar tentando fazer papel de coitado, que roubaram milhões, do que pensar no futuro do país.

    Responder

      jania

      07 de novembro de 2018 às 13h50

      Fico pensando nos milhões roubados pelo PT. Acho que foram tantos milhões,que o partido até deixou uma caixinha de 380 bilhões de dólares para o Paulo Guedes dar aos banqueiros agora. Este seu discurso é o da globo, desculpa para quem ouve Sardenberg, Miriam,Camaroti,Sérgio, Cantanhede e por aí vai…..É preciso estudar e ouvir analistas de verdade. Faça isso e aprenderá muito.

      Responder

        ronaldoxxx555

        07 de novembro de 2018 às 17h58

        O fato de o pt ter feito um bom governo nao lhes da o direito de ter criado corrupcao monstruosa…considerada a maior da historia do mundo!!.Claro que a corrupcao vem de antes do pt, porem o pt sempre defendeu a etica a honestidade e a defesa do povo brasileiro.Entao por isso que e o mais cobrado de todos os partidos, porque de um partido de esquerda esperavamos que fosse totalmente diferente da roubalheira que havia ate entao!!
        Se aliou ao que tinha de mais podre entre empresarios e politicos retrogrados do brasil!!

        Responder

    Paulo

    07 de novembro de 2018 às 07h54

    Perdoem-me, mas qual foi o resultado prático dessa estratégia do PT? O antipetismo reduziu seu tamanho? Por acaso agora menos pessoas passaram a entender justa a prisão de Lula? A resposta é clara: nenhum resultado, Lula vai ficar preso com o apoio da MAIORIA da população (e será condenado a mais uns 20 anos agora, aumentando sua permanência obrigatória na cela por mais 03 anos) De outro lado, e o resultado prático na eleição? Era isso então que o PT queria: garantir o segundo turno com certeza de derrota? Tudo isso pra não deixar a grama verde crescer no jardim dos outros partidos de esquerda?

    Responder

      Mauro

      07 de novembro de 2018 às 09h19

      O resultado prático, o acerto ou o erro da estratégia é um debate mais longo. Não acho que há uma resposta fácil.

      Mas reconheço a legitimidade de se discordar dela, por óbvio. O que escrevi, e mantenho, é que considero leviano chamar essa estratégia de fraude. E ofender quem está preso injustamente, que não pode sequer se defender.

      Responder

        Fabio Ayres

        07 de novembro de 2018 às 09h49

        Fraude é usar de cálculo político o tempo todo e depois tentar constranger todo mundo com o discurso de que o voto em Haddad é o voto que vai “salvar a democracia”. Nunca se preocuparam com a democracia. Se tivessem algum compromisso democrático não teriam lançado uma candidatura natimorta, o que sempre quiseram era limpar a barra do PT/Lula.

        Irresponsáveis. A História cobrará isso, na verdade já está cobrando… o Lula continua preso e continuará!

        Responder

        José Ricardo Romero

        07 de novembro de 2018 às 09h53

        O Paulo tem toda razão. O ponto principal é o fato que a maioria dos eleitores brasileiros não querem o pt e querem o Lula preso. A cabeça dos ptssauros enfiada no chão impediu-os de ver esta realidade e ficaram acreditando que “o povo” se lembraria daqueles bons tempos em que se amarrava cachorro com linguiça e que esta tresloucada “estratégia” (inteligentíssima do Lula, sendo dado os resultados) levariam todos a votar no preposto do caudilho. Falhou e é o que mostra a realidade das urnas.

        Responder

    Hairy Heart

    07 de novembro de 2018 às 09h41

    Mas o importante é tudo isso que o PT bolou ?????????????????
    .
    E o povo ficar sujeito a quatro anos ou mais de um governo miseravelmente anti-povo não é mais importante que os objetivos da petezada ?????????????????????
    .
    E o país ficar sujeito aos desmontes que virão em quatro anos ou mais não é mais importante que os objetivos da petezada ?????????????????????
    .
    E as leis trabalhistas sendo retiradas e todo seu aparato social sendo demolido não é mais importante que os objetivos da petezada ??????????????????????
    .
    Ah petezada… conta outra vá… Bando de FDP derrotistas… NUNCA vão ser humildes mesmo em reconhecer um FRACASSO e SEUS PRÓPRIOS ERROS, não é mesmo ?????????????
    .
    PT NUNCA MAIS…. FORA PT !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    #Ciro2022

    Responder

      marco

      07 de novembro de 2018 às 12h43

      Isso !

      Responder

HILARIO MUYLAERT DA SILVA LIMA

07 de novembro de 2018 às 00h41

Cafezinho: rancor e ressentimento só o tem levando a perder assinantes e audiência.
Cafezinho virou ‘Cirerte’…..

Responder

Dario lenci

06 de novembro de 2018 às 23h41

Quanto sera que o Marcos Coimbra cobrou do site 171 para soltar aquela pesquisa VOXFAKE um dia antes da eleição???
Tomara que tenha faturado uma bela grana, pois se os seu instituto já não era visto com bons olhos 👀 agora então perdeu toda a credibilidade que lhe restava

Responder

Guilherme Scalzilli

06 de novembro de 2018 às 23h03

Profecias desejosas e desejos proféticos

A esquerda superará a ressaca eleitoral quando expurgar os detritos ideológicos da campanha, entre eles a futurologia reversa que alguns comentaristas usam para legitimar suas narrativas falaciosas sobre a derrota. A onipresença do “eu avisei” em meio a tantas dúvidas ilustra a distância entre o chute e o prognóstico, os fatos e as verões que eles produzem.

Em primeiro lugar, nem todas as pessoas que dizem ter previsto a vitória de Jair Bolsonaro o fizeram realmente. E nem todas as previsões corretas possuíam argumentos sólidos para o cenário “normal” da época anterior à misteriosa facada. A esmagadora maioria dos anúncios catastróficos serviram a conveniências político-partidárias, especialmente de Ciro Gomes e Marina Silva, cobiçando o legado político de Lula.

Os setores auto-intitulados “progressistas” e antipáticos ao PT não adivinharam o fascismo antes, ou de maneira mais veemente, do que o próprio partido. Este vinha apontando a ascensão do monstro havia tempos, desde as vaias a Dilma Rousseff na Copa do Mundo até os ataques às caravanas de Lula, passando pelas simbologias raivosas do impeachment.

O antipetismo de esquerda gastou muito tempo minimizando ou desqualificando as denúncias sobre o caráter fascista da Cruzada Anticorrupção, do estelionato moral do golpe e da prisão política de Lula. O ataque frontal que unificou os democratas perplexos diante de Bolsonaro não apaga o desapreço comedido, cheio de meneios adversativos, que a maioria demonstrou quando o PT era vítima isolada do arbítrio.

A desonestidade intelectual de culpar o PT pela tragédia é tão evidente que resulta numa armadilha evasiva para dificultar a apreciação de certos dados constrangedores. Tragados por discussões inúteis sobre unidades que ninguém queria e planos hegemônicos dos quais ninguém abdicou, perdemos de vista, por exemplo, que parte dos pretensos adversários do fascismo abandonaram o país, simbólica e literalmente, apenas para negar uma vitória a Lula. Vêm dessas figuras e de seus círculos as mentiras mais evidentes sobre o processo eleitoral.

É irrelevante e leviano afirmar que, sozinho, Ciro Gomes teria mais chances na etapa final: ele nunca chegaria a disputá-la. Sem um petista para aglutinar o lulismo, Bolsonaro venceria no primeiro turno. Fernando Haddad teve ali 31 milhões de votos, 75% do total previsto para Lula. Com míseros 20% do grupo lulista indo para o capitão, mesmo na hipótese irreal de Ciro amealhar os restantes 80%, a disputa acabaria em 07 de outubro.

Especular sobre as possibilidades do segundo turno com base nos levantamentos do primeiro não passa de exercício tolo de adivinhação. Os institutos que antecipavam a vitória de Ciro contra Bolsonaro chegaram a apontar um empate técnico deste com Haddad. Estimativas que “erram” o destino de sete milhões de votos não servem para prognóstico algum.

Se o antipetismo inviabilizava a candidatura encabeçada pelo PT, isso ocorreria com um petista de vice, e talvez até numa simples aliança envolvendo o partido. Não seria possível mobilizar o lulismo sem citar Lula, mas tampouco escondê-los, pois só a imagem do ex-presidente represaria a ascensão imediata de Bolsonaro. E, no quesito “antipolítica”, Haddad é bem menos vulnerável do que Ciro.

Soa curioso que agora não encontremos quem diga ter vaticinado o triunfo do fascismo com base na incompetência estratégica daqueles que se diziam aptos a combatê-lo.

http://guilhermescalzilli.blogspot.com/2018/11/profecias-desejosas-e-desejos-profeticos.html

Responder

    Nostradamus ( Consultoria política e psiquiátrica )

    07 de novembro de 2018 às 15h38

    Um texto invejável, bem articulado, nada para tirar nem para acrescentar. Parabéns!

    Responder

Brasileiro da Silva

06 de novembro de 2018 às 22h54

Parabéns, Miguel. Vc tem o defeito de amar o PT, mas tem a qualidade de reconhecer que o PT se perdeu.

Responder

cid elias

06 de novembro de 2018 às 22h46

Eita que os sabidões do miguezin estão com a bola toda! Bando de hienas, ciristas de bosta!

Responder

Pedro

06 de novembro de 2018 às 22h28

Coloca aquela vergonhosa e amadora pesquisa do VoxPopuli no pacote

Responder

PETER PENDRAGON

06 de novembro de 2018 às 20h45

Esse é o tipo de canalha falastrão que usa seus títulos academicos para demonstrar autoridade intelectual sobre os que não conseguem pensar por sí proprios, sendo que para qualquer um com o mínimo de bom senso, revela-se um vaidoso, arrogante e idiota.

Responder

Marcos Videira

06 de novembro de 2018 às 20h21

No dia 7 de setembro (viva a Pátria mãe gentil), o site 247 dava a seguinte manchete: Alberto Carlos Almeida diz que BASTA UM DIA para transferir votos de Lula pra Haddad. Parecia aquela música do Chico: Pra mim basta um dia, não mais que um dia, um meio dia…”
Não foi bem assim e nem bem assado…
Mas ai de quem teve a ousadia de criticar a estratégia de Lula. Tratava-se de um canalha, coxinha, fascista, filhodaputa, imbecil, etc… Só elogios pela colaboração…
E o pior de tudo: continuam arrogantes, mesmo depois de fracassada. Humberto Costa acabou de afirmar que a estratégia estava certa.
Pensando bem, acho que o Humberto está certo. O problema foi o eleitor que não soube se ajustar à estratégia correta !!!

Responder

    Oblivion

    06 de novembro de 2018 às 22h54

    Exatamente Marcos, o cara teve a cara de pau de dizer que a estratégia estava certa. É uma brincadeira com a cara do povo e, principalmente, com aqueles que esperavam uma atitude republicana por parte do pt nos momentos decisivos. Ao invés de reconhecer a pior m que fizeram em todas suas vidas ainda vem a público dizer que a estratégia estava certa. Vão pra…. iu!

    Responder

ronaldoxxx

06 de novembro de 2018 às 18h22

Miguel ..nao querendo me gabar mas elogiando a todos…vc deve estar orgulhoso, pq aqui no seu blog os leitores sao um pouco mais inteligentes e de senso critico mais apurado, que em outros da esquerda.E isso tb e merito de sua forma de transmitir e de nao omitir , nem deturbar as noticias!!

Responder

ronaldoxxx

06 de novembro de 2018 às 18h18

O cientista político Alberto Carlos Almeida, um dos maiores estudiosos do eleitor no Brasil, avalia que a situação ruim deixada do Brasil após o impeachment é a principal razão para a liderança isolada de Lula nas pesquisas e afirma que “não há fake news” que altere a preferência pelo PT; em entrevista concedida ao programa Brasil Primeiro, apresentado pelo ex-ministro Aloizio Mercadante na TV 247, ele diz que um dia, a data da eleição, é suficiente para a transferência de votos do ex-presidente para seu vice, Fernando Haddad; assista

7 DE SETEMBRO DE 2018 ÀS 00:57 // INSCREVA-SE NA TV 247

Responder

ronaldoxxx

06 de novembro de 2018 às 18h01

Esse falastrao nao e aquele mesmo tonto que disse que bastava um dia para que o haddad conquistasse os supostos 42 % de votos que lula tinha?
Excelente materia Miguel…lavou minha alma…morria de do de ver os fanaptcos comentando felizes as materias desse encantador de asnos…!!!

Responder

    CezarR

    06 de novembro de 2018 às 19h52

    Acho que esse era o Marcos Coimbra do VOX. Mais um que lembrava ser um prestador de “serviços estatísticos” ao Maluf e se “ converteu ao petismo”

    Responder

Paulo

06 de novembro de 2018 às 17h53

Falei isso aqui. Carinha acreditando em “virar voto” de Bolsonaro pra Haddad! Hilário! Mais fácil fazer o time do Corinthians jogar de verde! Mas o pessoal quis acreditar, agora chupa que é de uva!

Responder

CezarR

06 de novembro de 2018 às 17h41

Não me impressiona o cientista político, me impressiona são os fanáticos que caíram nessa e até hoje são xiitas!

Responder

Paulo

06 de novembro de 2018 às 17h40

Mas essa “novela” de final imprevisto – pelo menos pelo autor, rs -, deveria ensinar uma lição à militância petista: o respeito da cúpula por vocês é inexistente. São feitos de idiotas o tempo todo por blogs engajados e pelo próprio Partido. Massa de manobra…

Responder

Paulo

06 de novembro de 2018 às 17h36

Espero que o tal “profexô” tenha ganho bem por suas profecias…mas, dado o fato de que é um desconhecido, fora do meio acadêmico – e talvez, até dentro deste -, acho que o prejuízo foi e será grande…

Responder

    ronaldoxxx

    06 de novembro de 2018 às 18h04

    Paulo, no pasquim 247 e no diario do centro do pt…os assiduos frequentadores fanaptcos adoram ouvir o que esse asno fala!!!
    Da uma tremenda pena de ver o que esse dois pasquim mais o tijolixo fazem com a mente dos coitados dos petistas…ta na cara a manipulacao grotesca!!!
    SO ELES NAO CONSEGUEM ENXERGAR E SAIR DESSA BOLHA!!!

    Responder

      Paulo

      06 de novembro de 2018 às 18h41

      O grau de fanatismo de alguns esquerdistas é maior do que eu imaginava. Da mesma forma que ocorre à direita, alguns líderes e manipuladores, pensadores ou demagogos, por vezes carismáticos, às vezes disfarçados de engajados da causa (muitas vezes até o são, exemplo típico o de Luís Carlos Prestes; outras vezes meros oportunistas, como Lula), recrutam uma militância fiel e canina, impenetrável ao contraditório. Eles imaginam, de boa fé, que são livres, mas se encontram a ferros…

      Responder

Justiceiro

06 de novembro de 2018 às 16h59

E até hoje, Miguel, tem petista que acredita nas previsões do cara. As urnas é que erraram.

Responder

JOÃO BATISTA

06 de novembro de 2018 às 15h45

É o me engana que eu gosto.
Esses intelectuais e especialistas de araque, além do DCM e Brasil247, hoje tentam impor haddad como liderança da oposição. Haddad não é liderança nem no pt!
Lula, o ególatra, e seus afins…

Responder

    Sandro

    06 de novembro de 2018 às 17h04

    Famoso engana trouxa!

    Responder

    Cláudio

    07 de novembro de 2018 às 04h13

    Pois me diz a verdade aí, que eu gozo, ô gente “boa” ilumiNADA…

    Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com