A entrevista de Lula a Bob Fernandes

Lava Jato exporta delações premiadas por vídeo-conferência

Por Miguel do Rosário

15 de janeiro de 2019 : 16h09

Isso aí me assusta um bocado. Brasil exportando “delações premiadas” via vídeo conferência

No portal do MPF

SCI viabiliza depoimento de ex-diretores da Odebrecht à Justiça da Colômbia

14 DE JANEIRO DE 2019 ÀS 13H50

Em videoconferência, réus se comprometeram a colaborar com investigações que envolvem a Odebrecht

Os ex-diretores da Odebrecht Luiz Antonio Bueno Junior, Luiz Antonio Mameri e Luiz Eduardo da Rocha Soares participaram na última sexta-feira (11) de videoconferência com a Justiça da Colômbia e se comprometeram a colaborar com informações relacionadas aos casos de suborno envolvendo a Odebrecht para a execução de obras no país. O depoimento foi possível graças a acordo de cooperação firmado na terça-feira (8) entre a Secretaria de Cooperação Internacional da PGR e a Justiça colombiana, menos de 24h após esta ter realizado o pedido de colaboração.

Para dar celeridade ao depoimento dos ex-diretores, a SCI disponibilizou sua estrutura para que fosse realizado o contato. Durante a videoconferência, os ex-diretores pediram perdão pelos crimes de corrupção cometidos na Colômbia, entre eles o que envolve o ex-vice-ministro de Transportes do país, Gabriel García Morales, acusado de receber US$ 6,5 milhões da Odebrecht para a concessão de obras da Seção II da Ruta del Sol.

O acordo com a Justiça colombiana prevê, ainda, que os ex-diretores deverão testemunhar em outros processos envolvendo a multinacional, não somente penais, mas também fiscais e disciplinares. Os réus também se comprometeram a pagar indenização de mais de 18 bilhões de pesos colombianos, equivalente a US$ 6,5 milhões, a título de reparação pelo pagamento de propina a García Morales, a ser dividida em três pagamentos, até 2020. O primeiro deles será efetuado dentro de oito dias, o segundo em 31 de agosto de 2019 e o último em 31 de janeiro de 2020.

O termo de cooperação firmado representa um marco para a Justiça colombiana, pois é a primeira vez que é posto em prática o princípio da oportunidade, previsto na legislação do país, em um caso de grande expressão. A medida se assemelha aos acordos de colaboração premiada celebrados no Brasil. Desse modo, todos os processos criminais contra os ex-diretores que tramitam nas Cortes da Colômbia ficam suspensos pelo prazo de dois anos, período em que estarão à disposição da Justiça daquele país.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Brasileiro da Silva

15 de janeiro de 2019 às 22h58

Não entendi, Miguel. O PT não quis fazer isso com o Tacla Duran na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados?

Responder

Justiceiro

15 de janeiro de 2019 às 20h44

Por que o medo Miguel? você não é corrupto.

Ora, a Odebrecht comprou muitos governantes na América Latina, é justo que a delação seja aproveitada pela justiça desses países.

Responder

Paulo

15 de janeiro de 2019 às 17h57

Não vejo problemas. A delação premiada se tornou praticamente o único meio de se investigar crimes de corrupção, no mundo todo…e se a Justiça da Colômbia aceita as provas, por que não?

Responder

Deixe uma resposta