Hangout com Miguel do Rosário 17 de abril de 2019

Twitter do deputado André Figueiredo

Esquerda se unifica para lutar contra reforma da previdência de Bolsonaro

Por Redação

21 de março de 2019 : 15h31

21/03/2019 – 14h54
Oposição cria frente contrária à reforma da Previdência

Seis partidos integram a frente, juntos têm 132 votos na Câmara, o que não é suficiente para barrar a reforma no Plenário. São necessários 308 votos para aprovar a proposta

Seis partidos de oposição ao governo decidiram nesta quinta-feira (21) lançar uma frente parlamentar contrária à reforma da Previdência (PEC 6/19) na próxima terça-feira (26). São eles: PDT, PT, PSOL, PSB e PCdoB.

Para o líder do PDT, deputado André Figueiredo (CE), a decisão marca uma reunificação dessas legendas que formaram blocos separados logo no início da legislatura, sendo que o PCB não tem representação na Câmara.

Juntos, eles têm 132 votos na Câmara e são necessários 308 para aprovar a reforma em Plenário.

Entenda como será a tramitação da proposta de reforma da Previdência

A líder da Minoria, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), afirma que os votos necessários para barrar a reforma virão de outros partidos. “Buscando outros parlamentares, independentemente de suas legendas, além de uma grande articulação com a sociedade brasileira para construção de um grande movimento cívico nacional.”

Para André Figueiredo, o saldo da reforma é bastante negativo para os trabalhadores em geral. “Da maneira como foi proposta, a reforma vai causar um grande malefício à base da pirâmide, às pessoas que não têm mais o que perder porque já perderam tudo. Então temos que fazer essa grande articulação e esses partidos estão extremamente unificados nessa ação.”

Conheça os principais pontos da proposta de reforma da Previdência

Deficit público

Mas o governo tem afirmado que a reforma previdenciária não seria uma opção. O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem destacado a situação das contas públicas e alertado para necessidade da reforma. “Para retomar o crescimento econômico, recuperar a estabilidade fiscal e, principalmente, evitar o colapso do regime previdenciário brasileiro”.

Guedes ressaltou ainda que todas as aposentadorias e até mesmo os salários dos servidores públicos estariam em risco. “Porque o Estado está em ritmo acelerado rumo à insolvência.” A reforma da Previdência pretende economizar R$ 1 trilhão nos próximos dez anos.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Sílvia Mugnatto
Edição – Geórgia Moraes

Publicado na Agência Câmara Notícias

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

21 de março de 2019 às 18h49

Uma coisa é certa: se aprovarem essa Reforma, na forma do projeto, os frutos serão amargos para toda a sociedade, e, possivelmente, irreversíveis, no futuro. Talvez implique, até, no fim da Previdência Pública, e, com ela, o fim das esperanças de uma vida segura e saudável na velhice…

Responder

Carlos Eduardo

21 de março de 2019 às 16h19

Esta coalizão precisa conquistar 74 deputados de outros partidos, não vai ser fácil.

Responder

Deixe uma resposta

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com