A entrevista de Haddad à Globonews

Mercado reduz projeção de PIB em 2019 para 1,45%

Por Redação

13 de maio de 2019 : 13h35

Instituições financeiras reduzem projeção de crescimento da economia
Expansão do PIB deve ficar em 1,45% em 2019, estimam economistas

Publicado em 13/05/2019 – 08:56
Por Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil Brasília

O mercado financeiro continua a reduzir a estimativa de crescimento da economia este ano. Pela 11ª vez seguida caiu a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Desta vez, a estimativa foi reduzida de 1,49% para 1,45% este ano. Para 2020, a projeção foi mantida em 2,50%, assim como para 2021 e 2022.

Os números são do boletim Focus, publicação semanal elaborada com base em perpectivas de instituições financeiras sobre os principais indicadores econômicos. O boletim é divulgado às segundas-feiras, pelo Banco Central (BC).

Inflação

A estimativa de inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) permaneceu em 4,04%, este ano. Para 2020, a previsão segue em 4%. Para 2021 e 2022, também não houve alteração: 3,75%.

A meta de inflação deste ano, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

A estimativa para 2020 está no centro da meta: 4%. Essa meta tem intervalo de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para 2021, o centro da meta é 3,75%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. O CMN ainda não definiu a meta de inflação para 2022.

Para controlar a inflação, o BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic. Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer no seu mínimo histórico de 6,5% ao ano até o fim de 2019.

Para o fim de 2020, a projeção segue em 7,50% ao ano. Para o fim de 2020 e 2021, a expectativa permanece em 8% ao ano.

A Selic, que serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada nas negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic).

A manutenção da Selic este ano, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação.

Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo.

Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação.

Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.
Dólar

A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar segue em R$ 3,75 no fim de 2019 e em R$ 3,80 no fim de 2020.
Edição: Lílian Beraldo

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Sergio Araujo

13 de maio de 2019 às 19h52

O vaca desceu pro brejo fàz tempo…agora è tarde.

Responder

Zé Maconha

13 de maio de 2019 às 15h28

O Bradesco já fala em 1,1.
Estou dizendo isso desde o começo do ano , se crescermos 0,5 será um milagre , o provável é que tenhamos PIB zero ou negativo.
Vão continuar diminuindo a cada semana , as previsões sempre são ultra-otimistas mas desde de que a direita voltou ao poder eles tem mentido na cara larga.
Como eu , leigo em econômia , sabia desde o ínicio do ano que crescer 2% era impossível e eles não?

Responder

Vieira

13 de maio de 2019 às 14h49

China reage. Impõe tarifa de 60bi sobre produtos americanos.
Mercado desaba.

Responder

NeoTupi

13 de maio de 2019 às 14h15

Mito! Mito! (fazendo arminha)
Tsumani Queiroz já aparece no horizonte: Agora a Bovespa cai 2,43% e dólar subindo 0,96%.

Responder

Jamil

13 de maio de 2019 às 14h00

Mercedes fecha fábrica em Minas Gerais, 900 trabalhadores diretos vão perder o emprego.

Responder

    Gilmar Tranquilão

    13 de maio de 2019 às 14h01

    Ah, agora a China é a salvação kkkkkk

    Responder

      lucio

      13 de maio de 2019 às 15h18

      eu nunca falei que era o perigo… os americanos falam isso.

      Responder

Alan C

13 de maio de 2019 às 13h49

Esse pibuxo vai ser negativo, todo mundo sabe, mas falem baixo pq a bozolândia tá dormindo, não acordem…

Responder

Deixe uma resposta

x