Economistas discutem a desindustrialização no Brasil

Lava Jato apela para seus delatores de confiança

Por Redação

12 de julho de 2019 : 16h31

É importante ficar atento ao que acontece em Curitiba. A Lava Jato continua a todo vapor, construindo narrativas a partir de delações premiadas, as quais são tomadas como verdades absolutas, independente de provas que as confirmem.

Renato Duque, ex-diretor da Petrobras, prestou novo depoimento esta semana ao juiz Bonat, substituto de Sergio Moro em Curitiba, e o seu conteúdo foi imediatamente publicizado na grande imprensa.

A 56ª fase da Lava Jato tem uma quantidade enormes de réus, de maneira que a operação conseguirá produzir muito material para a mídia divulgar. O alvo dessa fase é o PT, porque a base da acusação seria o desvio de recursos usados para construção de uma sede da Petrobras, em Salvador, para o partido.

Com a Lava Jato constrangida e acuada pelas revelações do Intercept, não seria de se estranhar que ela procurasse reagir inundando a mídia com novos depoimentos de seus delatores de “confiança”.

Ao mesmo tempo, é importante que o PT tenha estratégia para responder a esses ataques. Parte da esquerda decidiu reagir aos ataques da mídia simplesmente parando de ler jornais, sites e canais da imprensa dita comercial, mas a maioria da população ainda assiste. Para o establishment que apoia as pautas econômicas de Bolsonaro, é importante manter a oposição acuada e enfraquecida, sem condições de mobilizar as ruas ou obter apoios no parlamento.

**

No blog do Fausto

Duque diz que pegou propina que iria para o PT

Ex-diretor de Serviços da Petrobrás preso desde fevereiro de 2015 na Operação Lava Jato foi interrogado na quarta, 10, pelo juiz Luiz Antonio Bonat, da 13ª Vara Federal de Curitiba, no processo sobre superfaturamento de R$ 1 bilhão nas obras da Torre de Pituba, sede da estatal em Salvador

Luiz Vassallo e Fausto Macedo

12 de julho de 2019 | 06h22

O ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque afirmou, em interrogatório nesta quarta-feira, 10, que pegou R$ 1,5 milhão em propinas que supostamente ‘iriam’ para o PT. Segundo ele, o montante foi oferecido por não ter emperrado contratos envolvendo a Torre de Pituba, sede da Petrobrás em Salvador.

Ele é um dos réus em ação penal referente à 56ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Sem Limites, que aponta fraudes e propinas de R$ 67,2 milhões na construção do edifício. Segundo a Procuradoria, os desvios teriam abastecido campanhas petistas. O fundo de Pensão Petros se comprometeu a realizar a obra, e a Petrobrás a alugar o prédio por 30 anos.

Em 2009, Duque diz ter sido avisado por Vaccari que a Petrobras iria alugar um prédio da Petros em Salvador.”Para minha surpresa, ele já sabia que isso seria feito e que quem iria construir esse prédio seria a Odebrecht”.

“Ele [Vaccari] me disse o seguinte: “Eu não estou satisfeito com essa solução de ser a Odebrecht a construtora. Eu quero incluir também a OAS, porque a OAS tem uma grande relação com o PT. O Leo Pinheiro é um grande amigo e não tem porque uma empresa baiana ficar de fora de um prédio em Salvador. Então, vou trabalhar para que isso ocorra”, afirmou.

Segundo o ex-diretor, a partir daquele momento, ele ‘já sabia que o prédio da Pituba tinha algum ilícito envolvido’. “Porque antes mesmo de qualquer licitação já se sabia quem iria construir o prédio, o que não é razoável, não é normal”.

De acordo com Duque, ‘a área financeira fez a avaliação e optou pelo prazo de trinta anos, o aluguel respectivo era R$ 3.003.000,00 (três milhões e três mil reais)’. “Mas paralelamente a isso, a área financeira pediu que a Petros informasse qual era a avaliação da obra, qual o valor da obra, e a Petros informou R$ 588.000.000,00 (quinhentos e oitenta e oito milhões de reais). A área Financeira ficou surpreendida porque, internamente, a avaliação interna da obra, variava em torno de R$ 100.000.000,00 (cem milhões de reais) a menos”.

“No parecer, ela sugeriu que esse assunto fosse abordado junto a Petros. Eu me recordo que eu não concordei com essa sugestão, porque eu disse, na época, que a Petrobras estava alugando o imóvel, eu tinha que me preocupar com o valor do aluguel e que a Petros, sim, como proprietária do imóvel, como quem iria gastar o dinheiro para construir o imóvel, ela tinha que questionar o valor, sim, mas não a Petrobras. Por isso eu submeti a diretoria, o parecer foi anexado ao documento, onde eu peço a solicitação para alugar e a diretoria aprovou o aluguel de R$ 3.003.000,00 (três milhões e três mil reais), bem abaixo do teto estabelecido pela avaliação”, afirmou.

O ex-diretor, então, narra a suposta oferta de Vaccari. “Quando a diretoria aprova a locação, conversando novamente com o Vaccari, ele me diz que não achava justo, razoável, que eu não levasse nenhuma vantagem no negócio. E por que eu não levaria nenhuma vantagem? Porque a questão ali era a Petros construindo um prédio e a Petrobras alugando”.

“Não tinha porque alguém da Petrobras, no caso, eu, levar vantagem, uma vantagem ilícita, uma propina que fosse. Aí ele falou: “Olha, eu não acho justo, porque você sempre ajudou o partido, você não fez com que o processo emperrasse””, relatou Duque.

O ex-dirigente da estatal afirmou que Vaccari perguntou ‘se estaria bom’, para ele, ‘receber R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais) do valor ilícito envolvido nessa obra’. “É claro que R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais) é muito dinheiro. Eu aceitei, falei: “Aceito, você está querendo me oferecer um milhão e meio, dinheiro que iria pro PT, eu aceito””.

“Ele, então, me perguntou se eu gostaria de receber esse dinheiro da Odebrecht ou da OAS, que eram os parceiros no consórcio. Aí eu disse para ele o seguinte: “Eu quero receber da Odebrecht, porque eu já tenho um outro dinheiro de um outro ilícito para receber da Odebrecht, combinado com Rogério Araújo” – que era o representante junto à Petrobras”, relatou.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Valdeci Elias

13 de julho de 2019 às 11h04

De acordo com a Teoria Domino de Fato, Bolsonaro é responsável por qualquer desvio de dinheiro público sob seu governo, e também pela cocaína transportada em bens do governo.

Responder

    Onofre Junqueira

    13 de julho de 2019 às 13h09

    Leve essa sua tese ao STF, militonto. Ficar de mimimi aqui na internet não vai adiantar nada !

    Responder

      Justiceiro

      13 de julho de 2019 às 14h43

      Vou levar tua m.ã.e pro STF pra fazer uma festinha lá kkkkkkkkk

      Responder

        Onofre Junqueira

        13 de julho de 2019 às 18h00

        Na última festinha no Suprema em que sua mãe , sua irmã e sua esposa foram as principais convidadas, os ministros pagaram direitinho o cachê cobrado por elas, militonto ? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder

      Valdeci Elias

      13 de julho de 2019 às 16h43

      Vai ser interessante , ver a ministra Rosa Weber, durante o julgamento de Bolsonaro dizer :”Não tenho prova cabal contra Bolsonaro – mas vou condená-lo porque a literatura jurídica me permite.”.

      Responder

cesar Alves de Souza

12 de julho de 2019 às 23h03

Engraçado, muita falácia, provas só temos das gravações feitas do juiz que veste camisa e de provas ficticias.

Responder

    Onofre junqueira

    13 de julho de 2019 às 10h59

    Ainda esse mimimi de que não há provas, militonto ? Essas viúvas da corrupção não mudam de assunto ! kkkkkkkkkkkkk

    Responder

      Justiceiro

      13 de julho de 2019 às 14h44

      H´provas que a tua m.ã.e é uma va.d.i.a kkkkkkkkkkk

      Responder

Odosvaldo

12 de julho de 2019 às 19h43

Que interessante o Vacari tinha esse controle todo do dinheiro da Odebrecht e da OAS e mesmo assim tinha que ir pedir dinheiro pro Yussef

Responder

Marcio

12 de julho de 2019 às 17h28

Kkkk,

coitado do Renato Duque, gente fina…

Tudo foi movido na base da propina nos últimos 20 anos pela facção criminosa.

De vomitar o que esquerdalha podre inventa para disfarçar e defender os bandidos plurisentenciados de estimação….chega a ser triste de tanto ridículo.

Responder

Onfre Junqueira

12 de julho de 2019 às 16h47

Delatores de confiança da Lava Jato ? Eu pensei que Renato Duque fosse homem de confiança do Petê; o “homem da mala” do Petê dentro da Petrobras. Acho que eu estava enganado. Daqui a pouco o Miguel dirá que Duque roubava para a força tarefa da Lava Jato ! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

    Marcio

    12 de julho de 2019 às 17h31

    Não possuem a mínima vergonha na cara, conseguem fingir e disfarçar até diante de fatos conclamados para defender a ideologia podre; é uma doença mental.

    Responder

      Onfre Junqueira

      12 de julho de 2019 às 18h19

      É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um esquerdista tomar vergonha na cara !

      Responder

Deixe uma resposta