Câmara discute privatização da Eletrobras

Crédito: Marcelo Brandt/ G1

A pesquisa “retroativa” do Datafolha

Por Miguel do Rosário

02 de setembro de 2019 : 14h07

A notícia, naturalmente, é boa para a oposição. Mas deixemos os fogos de artifício para os ingênuos.

Em primeiro lugar, lembremos que pesquisa é pesquisa, e urna é urna. E as pesquisas mais recentes, no Brasil (nos EUA também), tem tido imensa dificuldade de captar a onda conservadora.

Se pretendemos, algum dia, oferecer uma análise cética diante de cenários negativos para o campo progressista, teremos que dedicar o mesmo ceticismo quando as pesquisas forem “boas”. Gramsci preconizava otimismo na ação, mas pessimismo na análise teórica. O que significa: quando o cenário parecer muito róseo, desconfie; mas quando houver sinais de tempestade, acredite.

Dito isso, analisemos com sangue frio os números divulgados pelo instituto.

O Datafolha afirma que se as eleições fossem hoje, Haddad venceria por 42% a 36%, ou seja, com 6 pontos de vantagem. Haveria ainda 18% de votos em branco e  4% de indecisos.

Esses são votos totais. Se computarmos apenas os votos válidos, Haddad teria hoje – segundo o Datafolha – 54% dos votos válidos, contra 46% de Bolsonaro.

Em números de eleitores, isso significaria que Bolsonaro, ao invés de registrar os 57,8 milhões de votos que recebeu em outubro de 2018, teria hoje 48 milhões de votos, quase 10 milhões de votos a menos.

Haddad, por sua vez, que recebeu 47 milhões de votos, teria hoje 56,7 milhões de votos, quase 10 milhões de votos a mais.

Entretanto, é no corte de classes que a gente vê a relativa convergência entre o resultado das urnas e a intenção de votos.

Entre os empresários, Bolsonaro venceria por 61% contra 26% de Haddad.

Bolsonaro venceria em todas as faixas de renda, com exceção daqueles que ganham até dois salários mínimos, entre os quais Haddad ganharia de 49% a 28%. O presidente tem sua principal vantagem entre os que ganham de cinco a dez salários mínimos, onde venceria por 53% contra 27%.

Essa vantagem na classe média (não confundir com “elite”) faz toda a diferença no processo político-eleitoral, porque ela tem poder de criar ondas de opinião extremamente eficientes em prazos curtos.

Ondas de opinião são, frequentemente, o que esquerda e direita tem chamado de “fake news’, mas que não passam da velha e tradicional guerra de narrativas, que existe desde tempos imemoriais, e que consiste em falar mal do inimigo e bem dos amigos.

Bolsonaro voltaria a ganhar, segundo o Datafolha, em todas as regiões do país, com exceção do Nordeste, onde o Haddad ganharia por 57% a 23%. No Sul, Bolsonaro ganharia por 43% a 32%.

É particularmente positivo para Haddad que, nessa pesquisa, ele ganharia também entre os eleitores com ensino médio, de 42% a 37%, e empataria tecnicamente entre os com ensino superior a 38% a 40% Bolsonaro.

Entre os desempregados que buscam emprego, 52% votariam em Haddad, o que também mostra uma dinâmica importante sobre para onde irão os votos dos eleitores afetados pela crise.

O fator raça também merece ser considerado. Haddad ganharia de 53% a 26% entre pretos, de 43% X 36% entre pardos, mas perderia de 36% a 43% entre brancos. Os números mostram que a questão identitária, se encaminhada com estratégia e inteligência, pode beneficiar muito a oposição.

Entre mulheres, Haddad ganharia de Bolsonaro por 44% a 32%. Como são maioria da população, e compõem hoje os segmentos mais instruídos da população, o voto feminino também fará uma diferença fundamental em 2022.

Entre os evangélicos, 47% votariam em Bolsonaro e 32% em Haddad. O petista tem maioria entre os católicos, 46% a 33%.

A Folha informa que ouviu 2.878 pessoas entre 29 e 30 de agosto. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, e o intervalo de confiança é de 95%.

Vamos aguardar a publicação da íntegra da pesquisa, para continuarmos nossas avaliações, mas à guisa de conclusão prefiro, seguindo a lição do velho Gramsci, manter o ceticismo.

Os números mostram que a principal dinâmica continua a mesma, com Haddad sofrendo ainda forte rejeição na classe média, de maneira que acho mais provável que o resultado, se fosse hoje, não seria tão diferente do apresentado nas urnas.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

NeoTupi

02 de setembro de 2019 às 19h42

Não é bem assim. De acordo com a pesquisa, Haddad teria os mesmos 47 milhões de votos que teve aproximadamente (48,7 milhões na proporção mais exata). Bolsonaro é que teria cerca de 42 milhões, perdendo 15 milhões de votos que teve para nulo/branco/nenhum/não sei.

Fato: pelo menos até agora, Haddad praticamente não cresceu com a queda de Bolsonaro. Teve 47 milhões de votos em 116 milhões de votos totais do 2o. turno, portanto teve 40,5% dos votos e continua estável com 42% (oscilação dentro da margem de erro).
Bolsonaro caiu muito: Teve 49,8% dos votos totais e caiu para 36%.
Haddad ganha hoje na pesquisa não porque subiu, nem porque capturou votos do adversário em massa, mas porque manteve o voto fidelizado enquanto Bolsonaro perdeu 15 milhões de eleitores para nulos/brancos/nenhum. Bolsonaro tornou-se mais rejeitado do que Haddad, sem que Haddad tenha saído do lugar.

Ou seja, se a anti-politica atingiu o petista e outros políticos e partidos mais tradicionais nas eleições de 2018, em 9 meses Bolsonaro perdeu o bônus de beneficiário desse voto e caiu no mesmo valão dos demais.

O maior desafio da esquerda (e agora da direita também) continua sendo reconquistar votos da anti-política. Ou, como plano B, pelo menos continuar majoritária no que sobra de votos úteis.

Responder

Paulo

02 de setembro de 2019 às 19h42

O advento de Bolsonaro fez os conservadores se darem conta de que, finalmente, tinham um representante que não se envergonhava de condenar a pauta cultural da esquerda. Isso é mais decisivo de que a economia, na percepção de muitos eleitores. Eu creio que a situação não mudará radicalmente para 2022, haja o que “hajar”!

Responder

Justiceiro

02 de setembro de 2019 às 17h10

Miguel, sua análise é muito boa. Mas, veja, nos blogs lulo-petistas esses números não renderam manchetes garrafais e nem comentários.

Nem eles, fanáticos por Lula, não deram muita bola para essa pesquisa.

A única coisa que o Data folha conseguiu com isso, de fazer esse tipo de pergunta há apenas oito meses após a posse do novo presidente, foi se desmoralizar ainda mais.

O Data Folha vai se igualar ao Vox.

Responder

LUPE

02 de setembro de 2019 às 16h38

Caros leitores

Pelo que eu depreendi,
o bolsonarismo e o anti petismo estão firme e forte
nas classes média e alta…

Fazer o quê????

Responder

Alan C

02 de setembro de 2019 às 14h28

Discordo totalmente (não do Cafezinho, mas do Datafolha).

A avaliação é subjetiva demais e não leva em conta questões que obviamente são muito difíceis de avaliar, seria como dizer que, se o jogador que fez o gol da vitória de um time não tivesse jogado, a partida com certeza terminaria 0x0 devido a ausência do jogador que decidiu o jogo. Ora, simplesmente não há como prever tal coisa.

Os eleitores arrependidos não votariam no bozo mas votariam em alguém, provavelmente um Alckmin ou Amoedo ou qualquer outra porcaria da direita oportunista e portanto o cenário seria outro, enfim, o que decidiu a eleição foi a enorme massa de eleitores que não quis se envolver na disputa fascismo x petismo e não compareceu às urnas ou anulou o voto.

Responder

Deixe uma resposta