Fórum Reforma Tributária BandNews

O discurso de Dilma na Sorbonne

Por Redação

18 de setembro de 2019 : 21h07

No canal dos Jornalistas Livres:

“Le Brésil est-il encore le pays du futur?”

Aconteceu ontem na Universide Paris-Sorbonne (Paris IV), a conferência “O Brasil é o país do futuro? Juventude, educação e democracia”, com a ex-presidenta Dilma Rousseff.

Esta é a primeira fala da presidenta após as confissões públicas de Michel Temer. Acompanhe!

Por Bruno Falci e Karina Morais / Jornalistas Livres

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

chichano goncalvez

23 de setembro de 2019 às 17h15

Urgente: o Bolsonaro foi convidado a discursar na latrina do Morro do cavalo sem dente.

Responder

Wellington

19 de setembro de 2019 às 19h24

….e tem coragem de falar dos outros essa mulher…?

Responder

Alan C

19 de setembro de 2019 às 18h48

Dilma podia aproveitar o espaço importante e explicar pq defendeu com unhas e dentes Eduardo Cunha contra um ministro do seu próprio governo, ou pq mentiu na campanha eleitoral (estelionato eleitoral), ou pq disse que não iria aumentar a conta de energia e aumentou, ou pq não iria mexer nos direitos trabalhistas “nem que a vaca tussa” e mexeu, ou pq colocou o Levy pra ministro da fazendo pra agradar o mercado financeiro e o Aécio, naquilo que foi, ao meu ver, a maior demonstração de fraqueza da história pós ditadura militar de um presidente da república.

Responder

Wellington

19 de setembro de 2019 às 15h41

País do futuro….Kkkk

Responder

    chichano goncalvez

    23 de setembro de 2019 às 17h17

    Com a quadrilha, tambem bando de traficantes de drogas ,afamilia Bolso Merda vai retirar o pouco de bom que se conseguiu nos anos do PT.

    Responder

Olaria

19 de setembro de 2019 às 07h51

Tô com Dilma (mais uma vez) e não abro

Dilma: fala de Macron sobre Amazônia é absurda e ajuda Bolsonaro

19 de setembro de 2019, 03:31 h

Brasília- DF. 04-09-2019- Seminário pela Soberania Nacional e Popular, com a presença de Dilma Roussef, Fernando Haddad e Guilherme Boullos.

247 – Saudada em Paris como vítima de um golpe de estado e representante de um saudoso Brasil democrático, a ex-presidente Dilma Rousseff, deposta por uma conspiração política em 2016, criticoou as falas do presidente francês Emmanuel Macron, sobre eventual internacionalização da Amazônia. “É uma proposta absurda”, disse ela, em discurso proferido em frente a um auditório lotado no Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas, em Paris, com o tema “A crise sistêmica global e perspectivas democráticas”.

“Quando [Emmanuel] Macron fala em intervir na Amazônia, ele cria um grande apoio a Bolsonaro, porque ninguém no Brasil pensa que isso seria uma boa ideia. O Brasil sem a Amazônia, sem os povos indígenas, não é o Brasil, pode ser outra coisa, mas não é o Brasil”, afirmou.

Entretanto, Dilma lembrou que “Bolsonaro quer que a Amazônia esteja aberta à exploração absurda” e disse que “quando ele rejeita o dinheiro internacional, ele mostra que não quer protegê-la”.

https://www.brasil247.com/poder/dilma-fala-de-macron-sobre-amazonia-e-absurda-e-ajuda-bolsonaro

A propósito, você sabe qual é o tamanho e as riquezas da Amazônia brasileira?

Veja: A floresta tropical amazônica, que cobre boa parte do noroeste do Brasil e se estende até a Colômbia, o Peru e outros países da América do Sul, é a maior floresta tropical do mundo, famosa por sua biodiversidade. Ela é atravessada por milhares de rios, entre eles o grandioso rio Amazonas. Entre as cidades ribeirinhas, com arquitetura do século XIX que data do início da exploração de borracha, destacam-se Manaus e Belém, no Brasil, e Iquitos e Puerto Maldonado, no Peru.

Alguns de seus ambientes geológicos — onde jazidas de classe mundial já foram dimensionadas — indicam que a Amazônia deverá ocupar (já ocupa) posição de destaque na produção de alguns bens minerais, tais como minério de ferro, alumínio, cobre, ouro, manganês, caulim, estanho e, eventualmente, gás.

A Serra dos Carajás (Estado do Pará), por exemplo, abriga a maior jazida de minério de ferro explorada do mundo. Além de ferro, ela concentra grande quantidade de manganês, cobre, ouro e níquel. Simplesmente Carajás é a mais rica reserva de minério de ferro do mundo com pelo menos 11 bilhões de toneladas de reserva estimada. A vida útil das reservas de ferro, estimada na década de 1980, era de cerca de 500 anos.

Área: 5.500.000 km²

O Brasil ocupa uma área territorial de aproximadamente 8,5 milhões de quilômetros quadrados. Subtraia 5,5 milhões e veja o que sobra.

Quer saber MUITO MAIS sobre os recursos minerais da Amazônia Brasileira? Lei a matéria do Geólogo BRENO AUGUSTO DOS SANTOS . A matéria é de agosto de 2002 mas no geral se encontra bastante atualizada, pelo menos em termos qualitativos. Além disso, você não precisa ser Geólogo para entendê-la, pelo menos no que diz respeito à diversidade dos recursos minerais. No final você encontra muitas referências bibliográficas.

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142002000200009

Responder

Netho

18 de setembro de 2019 às 21h47

O país deixou de ser o país do futuro desde a Era combinada de FHC com Collor de Mello.
Dilma contribuiu para desconstruir o futuro ao insistir em disputar um segundo mandato (quando o seu mandato apenas funcionava como um ‘mandato tampão’ porque Lula não poderia concorrer), em nomear Joaquim Levy para o ministério da fazenda, em empurrar a economia brasileira para a recessão e meter os pés pelas mãos na Casa Civil com o seu conselheiro Mercadante

Responder

    Clever Mendes de Oliveira

    21 de setembro de 2019 às 12h34

    Netho (quarta-feira, 18/092019 às 21h47),
    Talvez ela não devesse ser a candidata a reeleição, mas seria vergonhoso para Lula se ela não pudesse se reeleger. Não se pode esquecer que a ex-presidenta Dilma Rousseff tinha 70% de popularidade antes das manifestações de junho de 2013. Ela imaginou que se a economia recuperasse ela podia voltar a popularidade antiga.
    Ontem eu fiz um texto junto ao post “UTILIDADE PÚBLICA: LINKS DE ESTATÍSTICAS FISCAIS” de sexta-feira, 20/09/2019 às 15h 04, aqui no blog de O Cafezinho para mostrar que a análise econômica do governo da ex-presidenta não é criterioso. Lá eu explicava duas razões importantes para a escolha de Joaquim Levy. Infelizmente por ter muitos links ele não foi aceito.
    Abraços,
    Clever Mendes de Oliveira
    BH, 21/09/2019

    Responder

chichano goncalvez

18 de setembro de 2019 às 21h12

Engraçado, não convidaram o chefe da quadrilha que esta no comando do desgoverno do pais, estou falando da quadrilha Bolsonaro.

Responder

Deixe uma resposta