Live de Flavio Dino, Ciro Gomes, Martha Rocha e Brizola Neto

Mariscal/EFE/direitos reservados

Pedro Sánchez, do Partido Socialista, é eleito primeiro-ministro da Espanha

Por Redação

07 de janeiro de 2020 : 16h04

Publicado em 07/01/2020 – 14:49

Por Jonas Valente

Agência Brasil — Com uma margem apertada, Pedro Sánchez (PSOE) foi reeleito como primeiro-ministro da Espanha. Ele comandará uma inédita coalizão em que o seu partido será apoiado pela legenda emergente de esquerda Podemos. O acordo foi costurado com dificuldades após as últimas eleições, diante de resistência do Podemos.

Outro ponto que garantiu a vitória foi a abstenção de 13 deputados da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC). O grupo aceitou a medida diante da promessa de uma mesa de diálogo para discutir a situação do estado, que se digladiou nos últimos anos em torno de um movimento de separação reprimido pelo governo espanhol.

A margem foi apertada, com vitória da nova força política por 167 a 165, além de 18 abstenções. Na primeira votação, no domingo, o placar havia ficado em 166 a 165, o que inviabilizou a maioria absoluta da coalizão progressista. Uma deputada que se encontra doente compareceu à sessão na segunda votação e garantiu a vantagem necessária.

O desfecho pôs fim a um período de instabilidade na Espanha. O PSOE saiu vencedor das eleições em abril, mas não conseguiu formar um bloco que assegurasse sua maioria no Parlamento, governando de forma interina. Diante disso, convocou novas eleições para novembro, que terminaram com uma votação que permitiu ao PSOE e ao Podemos formar a nova coalizão.

O processo é resultado de um cenário de fragmentação. Desde 2011, nenhum país consegue a maioria absoluta sozinho. Agora, a Espanha tem 19 partidos. Além do Podemos, as eleições do ano passado marcaram também a ascensão da legenda de extrema-direita Vox, que obteve mais de 50 cadeiras no Parlamento espanhol.

Por meio de seu Twitter, Sánchez destacou a nova gestão. “Com o governo da Coalizão Progressistas, a Espanha abre um tempo para reivindicar o diálogo e a política útil. Um governo para todas e todos que amplie direitos, restaure a convivência e defenda a justiça social”.

Na sessão do Parlamento de eleição, o vice-presidente e líder do Podemos, Pablo Iglesias, reforçou o projeto do bloco. “Este governo vai defender as condições que fazem possível a liberdade de todos frente a essa direita autoritária e retrógrada. Porque não há liberdade se não se chega ao fim do mês”.

Também na sessão do Congresso, o líder do PP, Pablo Casado, disse que o partido fará uma “oposição firme e responsável” e que defenderá uma Espanha “que não aspire a sua fragmentação” e que “seja admirada em todo o mundo”. Ele exaltou a Constituição do país, em referência crítica à ação separatista dos catalães e à mesa de diálogo sinalizada pelo novo primeiro-ministro.

* Com informações da RTP – Agência pública de notícias de Portugal

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Wellington

08 de janeiro de 2020 às 15h30

No Brasil assistimos a 20 anos de desastres e no final da obra contaram pra nós que na verdade não era a “esquerda verdadeira” mas foi tudo uma brincadeirinha…Kkkkk

A seriedade da porcalha brasileira é essa.

Responder

Alan C

08 de janeiro de 2020 às 09h28

Espanha segue na social-democracia de esquerda e já pode receber idiotas bolsominions fugindo da “retomada” do posto ipiranga uhauhauhau.

Responder

Wellington

07 de janeiro de 2020 às 21h27

E os EUA deixaram acontecer isso, não é possível…

Responder

Paulo

07 de janeiro de 2020 às 20h15

Eu fico me perguntando até quando, dentro de uma democracia, se poderá conter um ímpeto separatista. Diferentemente, em países como a China comunista, por exemplo, temos as nações Uigur e Tibetana sendo violentadas pelo assentamento de chineses da etnia Han e discriminadas dentro de seu próprio território…

Responder

Deixe uma resposta