Live com Eduardo Moreira, Ciro Gomes, Mauro Benevides e Nelson Marconi

Crescimento de aprovação a Bolsonaro obriga oposição a repensar estratégias

Por Miguel do Rosário

22 de janeiro de 2020 : 13h40

Segundo pesquisa CNT/MDA divulgada hoje, a aprovação do desempenho pessoal do presidente Jair Bolsonaro registrou um salto significativo, de 41% para 48%; sua rejeição, por sua vez, caiu de 54% para 47%.

Para analisar esse número é preciso olhar o que aconteceu desde então. O fato político mais importante foi a soltura do ex-presidente Lula, no início de novembro. A economia também apresentou sinais modestos, mas firmes, de recuperação, o que deve ter ajudado o presidente

A avaliação do governo também melhorou. O percentual dos que acham o governo ótimo, passou de 8,0% para 9,5%; e os que acham o governo péssimo caíram de 27% para 21%. Somando as notas ótimo e bom, o governo registrou aprovação positiva de 34,5%, contra aprovação negativa (ruim e péssimo) de 31%. Na pesquisa anterior, de agosto, a aprovação positiva somava 29%, contra 39% de negativa.

Houve uma melhora expressiva, portanto, na avaliação do governo.

Bolsonaro ainda se beneficia da associação que boa parte da população faz entre as administrações anteriores e um período de profunda instabilidade política e crise econômica. Quando parte da oposição (especialmente, o PT), tenta romancear o passado e omitir o que aconteceu nos últimos anos de sua gestão (os quais, por serem os últimos, são os que estão mais guardados na memória), ela não consegue reestabelecer uma boa comunicação com a sociedade.

A eleição de Bolsonaro deixou bem claro que a responsabilidade pelo golpe de 2016 foi atribuída, pela população, à incompetência do governo Dilma, que já era, aliás, rejeitado por uma maioria social esmagadora.

Neste momento, a oposição, com todas as boas intenções do mundo, permanece focada na denúncia de um suposto fascismo emergente. Para a maioria da população, que aliás não é fascista (como também mostram todas as pesquisas), isso não é um risco, sequer um problema.

Falas como a do ex-secretário de Cultura, Roberto Alvim, geram impacto negativo muito forte, mas sua demissão imediata impediu que se tornasse, como a oposição pretendia, a prova definitiva do nazismo governamental.

O governo Bolsonaro é de extrema direita, e o nazismo era de extrema direita, então sempre haverá algumas semelhanças. Mas ainda são, felizmente, muito superficiais. Um pensamento absolutamente (e perigosamente) cínico poderia até dizer que, sob alguns aspectos, o nazismo foi bem melhor do que está sendo o governo Bolsonaro, visto que o nazismo investia pesadamente em pesquisa (visando a guerra), promoveu uma rápida e forte reindustrialização do país, modernizou o transporte público coletivo, e se preocupava efetivamente com o nível de emprego; mas a estabilidade e o crescimento sob o totalitarismo doentio de Hitler não tinham fundamentos sólidos; ou antes, se baseavam na mentira, na manipulação e, por fim, na expropriação criminosa dos direitos, liberdades, propriedades, e da própria vida, de milhões de cidadãos inocentes.

Entretanto, se o fascismo, embora seja um fantasma que sempre ronda governos autoritários e conservadores, não é algo que preocupe (ainda, pelo menos) a população, qual deve ser o foco da oposição?

Segundo todas as pesquisas, o que mais preocupa a população é a saúde pública. Então, pela lógica, a oposição deveria estar ocupada principalmente em: 1) examinar criticamente a política do governo federal para a saúde pública; 2) propor soluções e projetos para melhorá-la.

O medo de que uma oposição propositiva poderia, paradoxalmente, ajudar o governo Bolsonaro, em caso dele adotar as soluções propostas e as coisas, efetivamente, melhorarem, contraria a noção de política como arte de fazer o bem possível. Não é com esse tipo de receio que a oposição vencerá a rejeição que um parte importante da sociedade desenvolveu contra o próprio discurso progressista, que passou a ser visto apenas como um palavrório politiqueiro, ou seja, falso, insincero.

Continuemos nossa análise.

A melhora das expectativas da população ajuda a entender a recuperação da popularidade de Bolsonaro. Após a virada do ano, as pessoas precisam se agarrar a um pensamento positivo, a alguma esperança de que as coisas vão melhorar.

Isso representa uma faca de dois gumes para o governo. De um lado, isso o ajuda a galvanizar o apoio popular de que necessita para aprovar seus projetos; de outro, porém, aumenta o risco de uma grande decepção, caso os resultados entregues não sejam satisfatórios.

A oposição precisa ser inteligente para não ser apontada pelo governo como uma força interessada unicamente em “atrapalhar”. Ela tem de ser vista pela população como uma força positiva. Quando Lula ganhou as eleições em 2002, havia um certo consenso de que a coalização social formada em torno do PT tinha projetos consistentes.

As tabelas acima retratam a dura realidade política que a oposição terá de enfrentar. Metade da população confia em três grandes canais de mídia: Globo, Record e SBT.

As administrações petistas conseguiram a proeza de ficarem com a  pecha de interessadas em “regular” a grande mídia, e ao mesmo tempo terem sido magníficas contribuidoras para a concentração e fortalecimento da grande mídia, através de bilionários contratos de publicidade.

Ironia mais cruel é testemunhar o governo de extrema direita de Jair Bolsonaro inaugurar uma estratégia de comunicação que, com todos os seus imensos defeitos (autoritarismo, falta de educação, etc), ao menos se esforça para manter uma comunicação direta com o público. Se a então presidenta Dilma tivesse se disposto a fazer 10% do que Bolsonaro faz em termos de comunicação, talvez não tivesse visto seu capital político ruir tão dramaticamente, e poderia ter evitado o impeachment.

Finalizando, a pesquisa CNI/MDA trouxe uma sondagem de intenção de votos para 2022, mas usando apenas o voto “espontãneo”, que é aquele onde o pesquisador não oferece previamente nomes ao entrevistado.

O presidente Bolsonaro lidera de maneira isolada, com 29%, seguido de Lula, com 17%.

Ciro Gomes também não faz feio. Seus 3,5% é quase o que tinha nas primeiras pesquisas estimuladas de 2018. Além disso, está muito à frente de Moro, Haddad, Amoedo, Huck e Dória.

É interessante notar ainda a ausência de Flavio Dino. Apesar de ser um dos nomes mais queridos dos setores militantes da esquerda, o governador do Maranhão ainda não tem presença nacional expressiva entre o eleitorado em geral. Ou pelo menos ainda não é visto como uma alternativa própria, autônoma, para as próximas eleições presidenciais.

       

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

82 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Oscar

27 de janeiro de 2020 às 18h25

“Metade da população confia em três grandes canais de mídia: Globo, Record e SBT.”
E outros 15% não confiam em nenhuma mídia. E a jornalistada achando que o caminho é continuar insistindo que progresso é botar drag queen dentro das escolas para convencer os meninos de 5 anos que ser homem é um defeito de caráter incorrigível.

Responder

    Paulo Santos

    06 de fevereiro de 2020 às 12h37

    Como é fácil influenciar um evangélico. Bastava você se informar minimamente pra saber que essa paranoia de gay foi uma fake news tosca que o bozo lançou para vocês, gado acéfalo.

    Responder

Nobody

25 de janeiro de 2020 às 13h52

O milagre de Hitter não foi de Hitler. Foi desse cara aqui: https://pt.wikipedia.org/wiki/Hjalmar_Schacht

As Mefo Bills são o pilar central da “mágica” e elas resolveram a maior parte dos problemas da economia alemã em três anos, antes de começarem os investimentos pesados em indústria bélica. As Mefo Bills não são um instrumento totalitário em si mesmas – elas podem ser usadas tanto em ditaduras quanto em regimes democráticos – e se o Brasil as usasse, resolveria nosso desastre em 3 anos assim como os alemães fizeram no passado.

Responder

Paulo

23 de janeiro de 2020 às 20h47

E essa agora de desmembrar o Ministério da Justiça? Até onde o malfadado e mentiroso Capitão irá na sua tentativa de constranger Moro e forçá-lo a pedir demissão? E o Botafogo insuflando…

Responder

    Alan C

    23 de janeiro de 2020 às 21h23

    Ou seja, governo de amadores.

    Responder

      Paulo

      23 de janeiro de 2020 às 22h36

      Nem tão amadores assim, Alan! Bolsonaro não sabe como se livrar de Moro, porém que ele deseja isso está claro (trata-se de evitar eventual concorrência). Se exonerá-lo, vai fazê-lo de vítima, e ficará mal até com o seu público cativo, além de catapultar eventual candidatura do ex-juiz. Então, vai melindrando-o pouco a pouco…Instigando e açulando…O tempo todo, todo o tempo…

      Responder

    Wellington

    23 de janeiro de 2020 às 22h06

    É um pedido dos secretários de segurança dos estados, coisas que acontecem em regimes fascista, aliás nazistas…

    Responder

      Paulo

      23 de janeiro de 2020 às 22h48

      Num faz o tontolão!

      Responder

Psilocibes Cubensis

23 de janeiro de 2020 às 17h32

Miguel do Rosário se vivesse na Alemanha dos anos 30 diria que devemos apoiar a perseguição de judeus pois a maioria do povo alemão apóia isso.
Como diria o grande Mestre Ancião : não importa quanto poder tenha , o mal sempre será mal.
Foi o primeiro resultado positivo para o Bozo desde o início do mandato e o número dos que aprovam e desaprovam estão em empate técnico.
Me parece que o maior medo de Miguel é o PT ou o Dino derrotarem Bolsonaro impedindo Ciro de conseguir hegemonia na esquerda.
Miguel torce para Bolsonaro vencer até o PT desaparecer do mapa e Ciro ocupar o lugar.
Um misto de irresponsabilidade com ingenuidade.
Apoiar Bolsonaro é desvio de caráter , jamais mudarei o que acredito para agradar nazistas , milicianos ou fanáticos religiosos.
Devemos é ir mais para a esquerda , polarizar cada vez mais.
E não foi qualquer estratégia da oposição que vinha derruando a popularidade de Bolsonaro mas sim sua própria incompetência.
Miguel do Rosário e a realidade ficam mais distantes a cada dia , outro dia ele defendeu a existência de OVINIS aqui.

Responder

    Redação

    23 de janeiro de 2020 às 17h57

    Não tá exagerando um pouco, não? Eu apoiaria a perseguição aos judeus?

    Responder

LUPE

23 de janeiro de 2020 às 16h21

Caros leitores,

A Grande Mídia trabalha para nossos inimigos.
Que estão saqueando e pilhando o Brasil
como nunca.
Inimigos que querem ver o povo massacrado
e desesperado,
sem capacidade de reagir a isto.
Por isso a GM blinda os horrores de Bolsonaro,
e sutilmente
(mas muito eficazmente)
o promove, diz que seu governo está ótimo,
embora os desempregados que viraram mendigos
estão à vista.
E outras mazelas causadas
pelo (des)governo não tão à vista,
mas que estão destruindo o País.
Por causa da GM os brasileiros são enganados.
Por causa da GM o resultado da pesquisa.
É muito Poder contra o Brasil e os brasileiros….

Responder

    Wellington

    23 de janeiro de 2020 às 17h08

    É o Alan C com o quincagesimo nome….kkkkk

    Responder

      Alan C

      23 de janeiro de 2020 às 17h23

      O camundongo querendo puxar os outros pro seu buraco.

      Perdido, coitado….rs

      Responder

        Andressa

        23 de janeiro de 2020 às 18h01

        “Ta serto” !! Kkkkkkkk

        Responder

          Wellington

          23 de janeiro de 2020 às 18h13

          “Çei…”

Berto

23 de janeiro de 2020 às 11h07

“Se a então presidenta Dilma tivesse se disposto a fazer 10% do que Bolsonaro faz em termos de comunicação, talvez não tivesse visto seu capital político ruir tão dramaticamente, e poderia ter evitado o impeachment.”

Estocar o vento e transmitir ao vivo…?

Responder

    CezarR

    23 de janeiro de 2020 às 11h12

    Não, face coco dia sim, dia não!

    Responder

      Abdel Romenia

      23 de janeiro de 2020 às 11h26

      Passou da hora, o mundo tà aquecendo demais com isso e temos que comer menos carne pois o oceano està cheio de coco de gado….Kkkkkkkkkkkkk

      Responder

        Votin Rabah

        23 de janeiro de 2020 às 17h29

        #abdelminharola kkkkkkk

        Responder

    Alan C

    23 de janeiro de 2020 às 11h29

    A comunicação do PT, especialmente no governo Dilma, sempre foi horrível, não havia comunicação nem com os partidos da sua própria base.

    O PT não conversa com ninguém e se deu muito mal com isso.

    Responder

      Andressa

      23 de janeiro de 2020 às 11h32

      Comunicar que os pagamentos do petrolào estavam em dia…? Kkkkkkkk

      Responder

        Alan C

        23 de janeiro de 2020 às 11h49

        Ela não fazia parte camundongo, até a Farsa Jato do marreco disse, deixa de ser tapado! rs

        Responder

          Abdel Romenia

          23 de janeiro de 2020 às 12h33

          Ela não sabia de nada né…? Kkkkkk

          Alan C

          23 de janeiro de 2020 às 12h42

          Nem vc camundongo

putin

23 de janeiro de 2020 às 09h08

já estou acostumado com o gosto erotico do cafezinho por pesquisas claramente em conflito de interesse e distorcidas a favor do governo… esta pesquisa seria como encarregar dom vito corleone pesquisar o que o povo pensa da mafia.

Responder

    Abdel Romenia

    23 de janeiro de 2020 às 11h28

    Cafezinho,

    cadé aquela pesquisa com Lula a 70% de intençào de voto, vamos tirar ela da gaveta quando…? Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder

      Votin Rabah

      23 de janeiro de 2020 às 11h52

      Tava valendo, até a extrema direita cagona morrer de medo e mandar o juiz com voz de viado barrar pra não perder a eleição uhauhahuahuauh

      Responder

        Alan Carluxo

        23 de janeiro de 2020 às 13h15

        Cada um de nòs acredita no que quiser…kkkkkkk

        Responder

        Andressa

        23 de janeiro de 2020 às 13h28

        E’ obvio que foi isso…o pilantra maximo quando percebeu que os processos dele dariam em merda se candidatou pessoalmente para criar a narrativa da sentencia politica e outras asneiras para enganar mais uma vèz.

        Mesmo assim Lula é Huck e Huck é Maia e Maia é Lula e Huck é Maia, nào tem problema…Kkkkkkkkkkkk

        Responder

          AndressAsno

          23 de janeiro de 2020 às 13h31

          “Çei…”

Darcy Brasil

23 de janeiro de 2020 às 05h56

A que esquerda o “O Cafezinho” se refere? A esses bando formado por “tuiteiros” , burocratas sindicais e ex assesseros parlamentares que ficaram desempregados a partir do golpe de 2016? A essa multidão de militantes de poltrona que reduzem a atividade política à participacão com comentários nas redes sociais, supondo que tentam influir no curso das eleições promovidas pela democracia de fachada em um Estado (Poder Judiciário, MPs, Forças Armadas, Polícias Federal e Polícias Militares, Receita Federal,etc) sob absoluto controle da plutocracia financeira apátrida? A única força viva que pode renovar as energias da esquerda é a grande maioria de homens comuns, cotidianamente alienados pela azeitadíssima máquina de propaganda ideológica da plutocracia, integrada não apenas por poderosos meios de comunicação de massa, mas também pela ação política agressiva das instituições atuantes no meio do povo a serviço dos interesses das elites, com destaque para as Igrejas, em sua maioria neopentecostais, mas não apenas neopentecostais. Quem é de esquerda, de verdade, e não apenas da boca para fora, se esforça por combater essa alienação, tentando furar a bolha de preconceitos que produziram o controle ideológico da direita sobre as mentes do homem comum. Trata-se de trabalho de educação política paciente, cotidiano, que exige corpo a corpo, olho no olho, disposição, não apenas para falar, mas, sobretudo, para ouvir, o homen do povo, se aproximando dele, ajudando-o a se libertar de seu transe hipnótico e dos senhores de suas ideias invertidas, que representam os interesses de classe de seus opressores e exploradores. Esse papo furado nas redes sociais, essa masturbação analítica de baixa profundidade, essa legião de achistas digitais, não pode ser, na prática, considerada de qualquer valia para efeito de mobilização, conscientização e organização do povo, para derrotar a direita através de qualquer forma de luta e não somente nas eleições.

Responder

Flavio Luiz Sartori

23 de janeiro de 2020 às 00h47

Na minha opinião essa pesquisa é manipulada porque é uma pesquisa de uma entidade empresarial e o grosso desses empresários estão como o fascismo, aí está o Skaf que não me deixa mentir, então ficar fazendo análise em cima de uma pesquisa manipulada e falsa é perda de tempo.

Responder

    Tchutchuca do bozo

    23 de janeiro de 2020 às 08h03

    Nas entrelinhas dessa “pesquisa” conseguimos ler claramente NÃO QUEREMOS QUE O PT VOLTE, e pra passar essa mensagem pra população vale falar qualquer mentira, não importa.

    Responder

      Andressa

      23 de janeiro de 2020 às 11h35

      Que o PT e afiliados (PSOL; PDT; etc…) nao voltem os brasileiros jà “comunicaram” fàz anos.

      Responder

        Alan C

        23 de janeiro de 2020 às 11h59

        Que o digam os governadores do Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, 136 deputados e 10 senadores….. rsrsrs

        Até o final do ano vc dá uma dentro camundongo!

        Responder

          Andressa

          23 de janeiro de 2020 às 12h36

          Os brasileiros adoram o PT…kkkkkkkk

          Evandro Garcia

          23 de janeiro de 2020 às 12h38

          A culpa não é minha, eu não votei no Temer….kkkkkkk

          Batista

          23 de janeiro de 2020 às 15h47

          Nem todos, apenas os não adestráveis e adversários civilizados.

          Gilmar Tranquilão

          23 de janeiro de 2020 às 15h58

          kkkkkkk welingtonto nem sabia que a esquerda elegeu tudo isso, mas que burro dá zero pra ele kkkkkkkkk

Francisco

22 de janeiro de 2020 às 21h18

Segundo a mídia, de janeiro de 2003 até agosto de 2016 o Brasil vivia uma crise sem precedentes, era lugar comum nos noticiários, especialmente a globo, informar a população de que todas as medidas do governo Lula eram contra o FMI e o Brasil iria derrocar pra uma crise financeira intransponível
Hoje você liga a tv em pleno governo bolsonarista, com a gasólina, o gás, a energia, a carne, etc, nas alturas e parece estar tudo bem, com elogio do FMI e tudo
Assim é difícil

Responder

brasileiro

22 de janeiro de 2020 às 20h02

A base do bozo é a milicia, evangelicos e agronegócio e o resto que se exploda. E mais cedo ou mais tarde a ficha do povo vai cair.

Responder

Wellington

22 de janeiro de 2020 às 18h30

O Alanzinho tà sumido hoje, costuma ser mais alegre…rsrs

Responder

Paulo

22 de janeiro de 2020 às 16h49

Tá difícil pra esquerda (a não ser que a economia piore sensivelmente). É preciso buscar uma solução ao centro, mas que não sejam os tucanos!

Responder

    Alan C

    22 de janeiro de 2020 às 18h29

    Piorar mais?

    Responder

      Paulo

      22 de janeiro de 2020 às 19h03

      Sempre pode piorar, Alan…A economia está num espécie de equilíbrio sensível, em que tanto pode despencar quanto melhorar um pouco (melhorar muito não melhora porque o estrago dos últimos anos foi feio)…

      Responder

        Wellington

        22 de janeiro de 2020 às 19h21

        Apòs o desastre tragicomico dos ultimos 20 anos se o PIB chegar a 3% um ano qualquer nos proximos 80 anos serà um milagre.

        A unica soluçào seria entregar tudo, do Rio Grande do Sul ao Roraima para um fundo arabe mas ninguem quer nem pagando.

        Responder

          Paulo

          22 de janeiro de 2020 às 19h30

          Sempre aprendi que o Brasil é maior que todas as crises. Esta está durando mais do que as outras, mas vamos sair. Porém, não vendendo o patrimônio público, especialmente as estatais estratégicas…

        Alan C

        22 de janeiro de 2020 às 19h41

        Até quando vai se falar de PT??? A caneta está na mão de quem hoje? Esquece PT, o que o picadeiro do bozo tem feito para melhorar a economia?? É disso que estou falando, quais ações pra melhorar foram feitas? Saberia me dizer??

        A bozolândia já tem um recorde negativo de investimento, e não é falta de verba, a educação só pra citar um exemplo usou 6 a 7% do que poderia ter usado, o PT tem responsabilidade nisso? O PT tem responsabilidade no péssimo governo que a Dilma fez, mas já teve o #ForaTemer, já estamos na segunda gestão e já se passou mais de um ano, vai falar de PT até quando camarada??

        Responder

          Wellington

          22 de janeiro de 2020 às 20h05

          Até quando eu quiser se Vc gentilmente permite.

          Mesmo assim eu nào falei em PT mas 20 anos: 2020 – 20 = 2000 pra cà mais ou menos; o PT foi o apice maximo da desgraça e da vergonha internacional. Eu diria até 30 anos mas jà è muito tempo e nào vale mais a pena.

          Temer foi escolhido e convidado como vice por alguem e com motivos, nao pegaram o primeiro que passou em Brasilia o dia da posse da Dilma e estava là junto quando voce apertou 13.

          Alan C

          22 de janeiro de 2020 às 20h19

          Deixa alguém mais inteligente do que um camundongo responder andressa.

          Alan C

          22 de janeiro de 2020 às 20h21

          Peraí!!!! Vc é o Paulo tb????????

          kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

          Alan C

          22 de janeiro de 2020 às 20h22

          Peraí!!!! Vc é o Paulo tb????????

          kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

          Paulo

          22 de janeiro de 2020 às 20h39

          Eu não sou fã desse Governo, especialmente da equipe econômica, que patrocinou duas ações criminosas contra o povo brasileiro: as Reformas da Previdência e Trabalhista. Só apoio a pauta de costumes e cultural – e, mesmo assim, sem os “olavismos” e super-afetações de alguns membros da cúpula. Preferia um conservadorismo mais de vertente católica, sem deixar de se comprometer com a justiça social. Mas, convenhamos, um ano é pouco, ainda, perto de tudo que veio atrás! O Estado perdeu a capacidade de investimento e a iniciativa privada nunca pôde suprir o papel estatal na nossa história desenvolvimentista. De bom, mesmo, na área econômica, só um ligeiro recuo do desemprego, até aqui…Nem a liberação do FGTS e o 13º salário do Bolsa-Família, embora positivos para a população, geraram os resultados esperados…

    Wellington

    22 de janeiro de 2020 às 18h33

    A dupla de fascistellos trogloditas do Cirolipa e o outro barbudo (nao lembro o nome, è o presidente do partido acho) em vèz de cultivar em casa conseguiram queimar até a Tabata para nào perder visibilidade.

    Larguem esses velhos podres sem futuro.

    Responder

    Marcio

    22 de janeiro de 2020 às 19h07

    Paulo, poderia dizer qual área da economia teve crescimento SUBSTANCIAL??

    Responder

      Alan C

      22 de janeiro de 2020 às 20h36

      É o que todos não-bolsominions querem saber.

      Responder

      Wellington

      22 de janeiro de 2020 às 20h41

      Você investiu em qual…?

      Responder

      Paulo

      22 de janeiro de 2020 às 20h44

      Márcio, acho que não me fiz entender. Não afirmei, em nenhum momento, que estava bom. Só disse que pode piorar muito, e, nessa hipótese (e somente nessa hipótese), Bolsonaro não será reeleito. A população está tão farta do PT que mesmo uma piora ligeira não será suficiente para destronar o Capitão, se a disputa for entre petistas e bolsonaristas. Daí o meu libelo por uma terceira via…

      Responder

      Alan C

      22 de janeiro de 2020 às 20h45

      Continuamos aguardando alguma resposta que tenha a ver com a pergunta e de preferência com um QI superior a um camundongo.

      Responder

      Evandro Garcia

      22 de janeiro de 2020 às 20h52

      No coaching…kkkkk

      Responder

      Abdel Romenia

      22 de janeiro de 2020 às 20h53

      No turismo.

      Responder

      Votin Rabah

      22 de janeiro de 2020 às 21h01

      No minions kkkk

      Responder

      Justiceiro

      22 de janeiro de 2020 às 21h02

      No SOJA!!! kakuKAuakAUKkuaUKAKuakuA

      Responder

      Paulo Santos

      06 de fevereiro de 2020 às 12h40

      “Crescimento” de 0,6% é ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA. É tanto fanatismo e paranoia que o gado Nazijeguizado do Bozo não percebe a tramoia.

      Responder

Chap Col

22 de janeiro de 2020 às 16h35

Enquanto a esquerda estiver preocupada em pautas identitárias, lacração e fazer memes de resistência tipo “Impitimameuzovo”, “ele não”, e o mais infantil de todos: “perdemos a eleição mas ganhamos na história”, vai continuar levando bordoada. O povo quer emprego, segurança, educação e saúde de qualidades. A economia e a segurança estão melhorando, isso é fato. Está enraizado na sociedade que 1) o PT (Lula) é corrupto; 2) Dilma quebrou o País; e 3) Moro é herói nacional. Basta perguntar nos bares, nos onibus e locais públicos, com um dedo de prosa. Para quebrar essa corrente, a esquerda deveria unir-se em um nome de consenso fora do bloco hegemonista/autoritário petista. Caso contrário, em 2022 será Bolsonaro novamente, já em 2026 e 2030 será o Moro. Sou de direita e respeito a todos que pensam o contrário, pois mesmo com visão de mundo diferente, queremos um Brasil melhor. Parabéns Miguel, seu site é o único na esquerda capaz de ser lido com racionalidade. Sem idolatria e cegueira. Fora da bolha sectarista de esquerda e de direita que envenena mentes e corações.

Responder

    CezarR

    22 de janeiro de 2020 às 17h25

    Pois é…. há 5 anos atrás eu achava impossível um Bolsonaro ser eleito e olha aí o resultado! O Lula e o petismo estão mais preocupados em manter a esquerda sobre cabresto do que se preocupar com Bolsonaro.

    Responder

H7-25

22 de janeiro de 2020 às 15h00

Continuem com Queiroz, Mariele, Chapolin e Zé Bonitinho que vai dar certo.

Responder

Marcus Vinicius Machado Padilha

22 de janeiro de 2020 às 14h59

A torcida pró Ciro é constrangedora: “Ciro Gomes também não faz feio. Seus 3,5% é quase …”. Perder de lavada para um ex-presidiário, que sequer pode concorrer e que foi massacrado durante no mínimo 4 anos nos telejornais é não “fazer feio”.

Responder

    Evandro Garcia

    22 de janeiro de 2020 às 16h34

    São palavras para confortar o paciente em fim de vida, falar do Cirolipa é a mesma coisa que atirar em ambulância. Kkkkkkk

    Responder

    Pedro Accioli

    23 de janeiro de 2020 às 17h09

    Mas a verdade é petista fanático tem que entender que o PT mesmo com o Lula tem voto para ir ao segundo turno e rejeição suficiente para perder para qualquer adversário seu cabeçudo!!!!

    Responder

      Pedro Accioli

      23 de janeiro de 2020 às 17h18

      É preciso que outro nome seja apoiado, claro que não precisa ser o Ciro não, entendeu? Mas se o PT lançar cabeça de chapa em 2022 vai perder de forma ainda mais humilhante no segundo turno do que em 2018 porque são tudo arrogantes, cabeçudos e recusam totalmente a fazer autocrítica!!!

      Responder

        Evandro Garcia

        23 de janeiro de 2020 às 18h34

        Teoricamente è quem tem menos votos que procura e se afilia a quem tem mais, è assim desde sempre…até o pilantra maximo bater as botas vai ser dificil tirar da cabeça dos babuinos petistas raiz (que ainda sao um 20%-25% do eleitorado). Os menos fanaticos que o deixaram para tràs jà estào no colo de Bolsonaro, o Cirolipa ficou sòcom alguns metidinhos arrogantes e presunçosos que foram doutrinados nas faculdades nos anos.

        Zerem tudo e mudem nomes de partido, caras, etc…nào tem outra.

        Responder

          Alan C

          23 de janeiro de 2020 às 19h26

          Muda de nome mas continua falando merd….

          Prefiro vc com nome de muher, combina mais

Evandro Garcia

22 de janeiro de 2020 às 14h36

A opinião dos brasileiros é clara sobre quem levou o Brasil até esse estado de coma irreversível, foram eles que colocaram um pé na bunda de Dilma, Lula e da facção cancerígena petista.

É obvio que para quem não tem costume com a democracia isso é inaceitável.

Responder

Abdel Romenia

22 de janeiro de 2020 às 14h26

Pelo que a gente sabe a Globo e as outras emissoras já existiam quando o PT ganhou 4 eleições consecutivas (com bilhões de dinheiro de propinas) e as pessoas acreditavam nas mesmas até mais que agora.

Responder

Wellington

22 de janeiro de 2020 às 14h24

“Não é com esse tipo de receio que a oposição vencerá a rejeição que um parte importante da sociedade contra o próprio discurso progressista, que passou a ser visto apenas como um palavrório politiqueiro, ou seja, falso e insincero.”

Passou a ser visto pelo que é, não engana mais ninguém acima dos 20 anos de idade.

Responder

Wellington

22 de janeiro de 2020 às 14h10

Com essa oposição ridicula repleta de factóides e fanfarronices que a gente vê aqui esse governo vai até 2046 fácil.

Responder

Gilmar Tranquilão

22 de janeiro de 2020 às 14h01

Pesquisa bobageirada kkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

    Wellington

    22 de janeiro de 2020 às 14h10

    Sabe chorar melhor quando quer…Kkkkkkkkkkkk

    Responder

      Gilmar Tranquilão

      22 de janeiro de 2020 às 14h34

      Ui!!!! Soltou a frangaa…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder

Andressa

22 de janeiro de 2020 às 14h00

Os próximos 7 anos serão muito importantes para desenvolver a democracia brasileira, sugiro que essa esquerdalha podre até o miolo se livre desses elementos velhos, mofos, falidos, completamente incivilizados que levaram o Brasil ate esse abismo sem fim.

Para quem redigiu esse texto: nas democracias não existem extremas direitas ou extremas esquerda, parem com essas asneiras de terceiro mundo, saiam desse pântano ideológico sem futuro e desenvolvam uma oposição de verdade, baseadas em fatos e não em factóides ou viagens mentais bizarras. Se na democracia seu ponto de partida é achar que do outro lado tenha os fascistas você já perdeu antes de começar. Boa Sorte.

Responder

    Paulo Santos

    06 de fevereiro de 2020 às 12h43

    Democracia? Que democracia? Isso vai virar uma TEOCRACIA TALIBÃ nos piores padrões se continuar assim. E a culpa é de vcs, fanáticos babacas.

    Responder

Deixe uma resposta