Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Iedi: mais uma década perdida para a indústria brasileira

Por Redação

04 de fevereiro de 2020 : 18h11

No IEDI

Mais um ano de declínio

Se tem algo com que a indústria brasileira tem se habituado nos últimos anos é com a frustração de expectativas e no final de 2019 não foi diferente. O segundo semestre do ano não entregou o reforço do dinamismo industrial que se previa, com as perdas de novembro e dezembro anulando o crescimento obtido entre agosto e outubro.

Com a queda de -0,7% em dez/19 ante o mês anterior, já descontados os efeitos sazonais, o nível de produção da indústria regrediu para o mesmo patamar do mês de julho. Ou seja, mais um semestre e nenhuma contribuição para a recuperação do setor. Em comparação com o mesmo período de 2018, o desempenho da segunda metade de 2019 chegou a ser negativo, em -0,9%, com dez/19 recuando ainda mais (-1,2%) a despeito de um dia útil a mais do que dez/18.

Embora com forte contribuição do ramo extrativo, a inflexão do final do ano passado foi bastante generalizada, atingindo também a indústria de transformação. Em dezembro último, dos 26 ramos acompanhados pelo IBGE, 17 ficaram no vermelho na série com ajuste sazonal e 14 deles na comparação com dez/18.

Ou seja, os problemas estão longe de serem localizados e 2020 se inicia sem a mesma perspectiva que foi se formando nos últimos meses de que a indústria, enfim, daria início a uma recuperação mais consistente.

O desempenho do ano passado foi resultado da interação entre obstáculos de diferentes naturezas. O mercado doméstico contou com travas importantes, como o elevado desemprego. Já o mercado externo cresceu muito pouco em 2019 e fomos atingidos pela crise da economia argentina, deprimindo nossas exportações de manufaturados. A isso, somam-se os já muito conhecidos fatores estruturais da economia brasileira que de longa data vão retirando competitividade da nossa indústria em um mundo cada vez mais concorrencial e em progressiva modernização tecnológica.

Embora seu pior momento tenha sido a crise entre 2014 e 2016, o ano passado não foge em nada do padrão de desempenho que a indústria vem apresentando há muito tempo. Esta década a ser encerrada agora em 2020, por exemplo, vem se firmando como bastante adversa para o setor.

Entre 2011 e 2019, toda vez que a indústria cresceu, cresceu muito pouco. O melhor resultado foi o de 2017, ano de saída de uma das crises mais agudas da indústria, que ainda assim registrou apenas +2,5%. Em contrapartida, os anos no vermelho foram preponderantes, resultando em uma perda acumulada de -15% nestes nove anos.

Para 2019, as variações anuais a seguir mostram que metade dos macrossetores industriais não conseguiram crescer. O caso mais grave foi o de bens intermediários, que compreendem o núcleo duro do sistema industrial. Sua queda reflete a amplitude das dificuldades no ano passado. Intermediários de metalurgia e celulose foram os que mais puxaram para baixo esta parcela da indústria.

• Industria geral: +2,5% em 2017; +1,0% em 2018 e -1,1% em 2019;

• Bens de capital: 6,2%; 7,1%; -0,4%, respectivamente.

• Bens intermediários: 1,7%; 0,1%; -2,2%;

• Bens de consumo duráveis: 13,2%; 7,9%; 2,0%;

• Bens de consumo semi e não duráveis: 0,9%; -0,3% e 0,9%, respectivamente.

Bens de capital, que chegaram a crescer +7,2% em 2018, recuaram para -0,4% em 2019. Em dez/19, caíram de forma ainda mais intensa: -5,9% ante dez/18 e -8,8% frente a nov/19, já com ajuste sazonal.

É um sinal de que ou o investimento está pior do que se imagina, ou a atuação do BNDES e outras fontes oficiais de financiamento do investimento estão fazendo falta, ou então que a demanda por bens de capital está sendo suprimida mais pela importação de máquina e equipamentos do que pela produção doméstica. Segundo o IPEA, o consumo aparente de máquinas e equipamentos importados cresceu a uma taxa duas vezes maior do que aquele de bens produzidos nacionalmente.

Bens de consumo, por sua vez, compreendem a parcela da indústria que conseguiu registrar aumento de produção em 2019, refletindo a recomposição do consumo das famílias, ensejada pela liberação dos recursos do FGTS, pela ampliação do crédito às pessoas físicas, mas também pela geração de empregos que tem ocorrido, a despeito de sua baixa qualidade. Vale notar também a contribuição positiva, sobretudo no final do ano, do aumento de exportações de alguns produtos, como carnes para o mercado chinês.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alan C

05 de fevereiro de 2020 às 09h57

Eu me divirto muito assistindo os noticiários da Globo News, rs.

Agora pela manhã a pauta era a queda da produção industrial em mais de 1% e o comentarista disse, acreditem, que isso é bom pro Brasil kkkk

Aí mudaram a pauta pra queda em 10% nas exportações pra China só no mês de janeiro, e adivinhem?? O comentarista disse que isso tb é bom pro Brasil… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Aí tiveram que mudar pra uma entrevista com um economista, que disse que o cenário tá ruim apesar da “retomada”, kkkkkkk

A Globo tá num beco sem saída, não gosta do bozo, queria alguém mais inteligente e espertalhão como o Alckmin, mas não pode bater forte pq senão, no entendimento doente d Globo o PT volta.

kkkkkkkk…. DEMAISSSSS!!!!!

Responder

    Redação

    05 de fevereiro de 2020 às 10h31

    Caramba, Alan. Se algum dia lembrar de fazer isso, e tiver disposição, anota o horário e o nome do programa, que eu cato no gloplay, gravo o trecho e publico aqui para internautas testemunharem essas bizarrices.

    Responder

    Paulo

    05 de fevereiro de 2020 às 19h33

    A Globo nunca foi tão patética como de 2019 pra cá…Antes era só louvação dos dirigentes prediletos e que se deixavam pautar por ela (como o Botafogo atualmente, por exemplo). Agora, tem que se dividir com Bolsonaro. Jornalismo esquizofrênico…

    Responder

chichano goncalvez

04 de fevereiro de 2020 às 21h03

Ué ! Não ia melhorar ? Era só tirar A Roussev e todo mundo, teria educação de qualidade, medicos atendendo 24 horas por dia, remedios gratuitos, farmacia popular, empregos garantidos, salarios jamais vistos na historia ( é verdade este item, nunca os salarios estiveram tão baixos), não teria mais corrupção no Brazil, o que foi que aconteceu ?

Responder

    Renato

    04 de fevereiro de 2020 às 22h24

    Melhorou. Se Dilma ainda estivesse por aí, a coisa estaria muito pior !

    Responder

Paulo

04 de fevereiro de 2020 às 20h08

De década perdida em década perdida vamos acabar com o século perdido…e pensar que fomos um dos países que mais cresceram no século XX. Triste!

Responder

Deixe um comentário