Live do Cafezinho (21 h): análise das eleições, pós-segundo turno

Dória estende quarentena até dia 22, e diz que vai endurecer contra quem a violar

Por Redação

06 de abril de 2020 : 13h39

Na coletiva à imprensa, o governador de São Paulo, João Dória, afirmou que estendeu as medidas de isolamento social até o dia 22 de abril, e disse que haveŕá endurecimento no combate às aglomerações, inclusive com uso de ações coercitivas, até mesmo prisão, “se houver necessidade”.

O governador e o prefeito da capital admitiram que houve um aumento na circulação das pessoas no estado.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, explicou que a orientação da administração não é “multar” estabelecimentos de função não-essencial, mas de lacrar e, em caso de reincidência, cassar o alvará.

“Não queremos ser acusados de querer arrecadar com esse problema”, disse.

Covas explicou que, em função do tamanho da cidade, a melhor maneira de combater a doença será a parceria da própria população, que deve se manter em casa, evitando que o vírus se espalhe.

Covas disse ainda que já sente uma pressão no sistema de saúde no município, com aumento de casos, e que se for mantida a quarentena, o estado de São Paulo poderá dar conta do aumento na incidência do Covid-19.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alfredo Stanley

06 de abril de 2020 às 15h17

Partiram para as ameaças esse dois palhaços ?

Responder

Alan C

06 de abril de 2020 às 14h47

As palavras do governador de SP deveriam estar sendo ditas pelo chefe do executivo federal.

Que vergonha…

Responder

Deixe uma resposta