Análise da reunião ministerial de Bolsonaro

Sportlight: os estranhos gastos de Bolsonaro com gasolina

Por Redação

08 de abril de 2020 : 11h07

A reportagem da Agência Sportlight traz informações muito difíceis de serem respondidas.

O então deputado Jair Bolsonaro pedia reembolso de valores estratosfericamente altos para pagar o combustível de seu carro.

Em apenas uma nota, Bolsonaro comprou mil litros de combustível!

Em 11 idas a dois postos de gasolina no Rio, Bolsonaro gastou R$ 45 mil!

Os valores são absolutamente incompatíveis, e sinalizam notas frias e desvio de recursos públicos para o bolso do capitão.

A reportagem traz outras coisas estranhas.

Uma: Bolsonaro abastecendo duas vezes o carro, no mesmo dia, no Rio de Janeiro, e postos diferentes.

Outra: abastecendo o carro no Rio enquanto estava em Brasília.

A denúncia é parecida àquela que se faz a seu filho Flavio Bolsonaro: desvio de verba do gabinete.

Parece que o filho aprendeu a lição em casa.

Abaixo, um trecho da matéria.

***

No Sportlight

EXCLUSIVO: Notas fiscais revelam superfaturamento do deputado Jair Bolsonaro em reembolsos da verba de combustível

POR LÚCIO DE CASTRO · PUBLICADO 07/04/2020 – 14:15

Jair Bolsonaro encheu o tanque do carro com mais de mil litros de gasolina comum.

Exatamente 1.003,46 litros.

Ao menos é o que está na nota fiscal de um posto na Barra da Tijuca (Auto Serviço Rocar), zona oeste do Rio de Janeiro. Emitida em 7 de janeiro de 2009, com valor de R$ 2.608,00 na ocasião, corrigidos para R$ 4.833,38 atuais (IGP-M do último mês de fevereiro). Embora não exista carro com tal capacidade no tanque, foram reembolsados sem objeção pela Câmara como parte da “cota parlamentar” do então deputado federal pelo PP, partido de Paulo Maluf. Dinheiro público.

REEMBOLSO DA CÂMARA:

Os altos valores em notas fiscais para reembolso de combustível do agora presidente não ficaram por aí.

A reportagem cruzou os dados entre a base de dados públicos do congresso, as notas fiscais de cada abastecimento apresentadas por Bolsonaro, obtidas via “Lei de Acesso à Informação” da Câmara dos Deputados (que funciona com independência da LAI do governo federal) e dos relatórios do serviço de reembolso da “Coordenação de Gestão Parlamentar”, subordinada ao “Departamento de Finanças, Orçamento e Contabilidade da Câmara”.

Em onze idas a dois postos de gasolina do Rio, o Rocar (Barra da Tijuca) e o Pombal (Tijuca), entre 7 de janeiro de 2009 e 11 de fevereiro de 2011, o então deputado usou o equivalente a R$ 45.329,48 (valor corrigido pelo IGP-M a partir da soma de cada nota. Ver tabela abaixo). Uma média de R$ 4.120,86 a cada ida nesses dois postos.

O cruzamento de dados entre notas fiscais, reembolsos e presença em plenário revela uma série de outros fatos: o abastecimento em dois diferentes postos do Rio no mesmo dia, apesar dos muito litros comprados. E mostra também datas em que abasteceu no Rio mas as votações do congresso revelam presença em Brasília.

(continue a ler a reportagem no Sportlight).

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Moises

08 de abril de 2020 às 18h09

Pega ladrãaaaaaoooooo!!!!!!!

Responder

    Marcelo silva

    09 de abril de 2020 às 03h37

    Nao penso assim.. Entre neste link do site Inicial desta matéria e verá que
    Quem preenche as notas é a mesma pessoa que assina. É como se bolsonaro fosse o funcionário do posto e ao mesmo tempo o cliente que assina. Link: de zoom e cosntate tal caso de estelionato.. http://agenciasportlight.com.br/index.php/2020/04/07/as-notas-fiscais-dos-reembolsos-superfaturados-de-jair-bolsonaro/

    Responder

      Hudson

      09 de abril de 2020 às 13h03

      Não é para pegar o ladrão?

      Quem assina a NF tem que ser alguém do posto, é óbvio. Não é o cliente que assina recibo, porque o cliente não recebe, paga.

      Mas quem apresentou as notas para “re”embolsonar o dinheiro?

      Responder

Reinaldo Gonçalves da Cruz

08 de abril de 2020 às 18h05

Bolsonaro enganou um monte de babacas, nessa família não salva um, o salvador da pátria. Honestidade a toda prova, miliciano nunca mereceu confiança, os lambe cocho, vão dizer que é manobra da oposição.
Esse mito é um verdadeiro mentiroso, será que vai sustenta essa..!

Responder

Gomes

08 de abril de 2020 às 17h05

É um mito! O homem anti-corrupção! O salvador da pátria.

Cadê o gado para justificar?

Responder

    Alan C

    08 de abril de 2020 às 17h39

    Vão falar pra vc “aceitar a democracia”

    kkkkk

    Responder

Antônio

08 de abril de 2020 às 12h55

O cara sempre foi um ladrãozinho de quinta categoria!
Até para roubar é preciso de um mínimo de inteligência, mas parece que na câmara dos deputados são todos da mesma laia. Ninguém está interessado em apurar nada.

Responder

    Paulo

    08 de abril de 2020 às 18h45

    Antônio, a maioria que estava por lá, em outras legislaturas, fazia o mesmo. Virou um vício e um não denuncia o outro. Esse é o nosso Parlamento! Mas o pior é a inação da PF e do MPF…

    Responder

      Alan C

      08 de abril de 2020 às 20h50

      É essa sua justificativa para um crime descoberto Paulo? A mula fazia mas outros tb faziam?? E vc pretende o que com essa reposta? Ficar tudo elas por elas???
      Só não entendi uma coisa, eles roubaram a si próprios? Ou roubaram o povo???

      hum….

      Responder

        Paulo

        09 de abril de 2020 às 10h26

        Alan, caso não tenha sido claro, eu fiz mais uma denúncia, a de auto-acobertamento do crime (peculato), entre aqueles que o praticaram (a esmagadora maioria), apenas para responder ao Antônio, sobre o porquê do desinteresse em apurar. Não justifiquei nada, ao contrário…

        Responder

          Frank castle

          11 de abril de 2020 às 19h29

          Independente do que vc fale ou pense
          É estelionato e ponto final. Estudei pra isso
          E ja prendi mais bem feitos que isso… Nem criança se convençe disso.. Só pra tua informação conheço os donos dos postos, e estamos resolvendo isso com o jornaleco LUCIO DE CASTRO.. nao se trata de politica
          Se trata de estelionato, calunia, difamação e danos morais… Va dormir que isso é pra quem ta acostumado a prender e bater na cara de vagabundo… Vai comer mortadela que teu problema é fome

Paulo

08 de abril de 2020 às 12h11

Eu já escrevi por aqui, o Capetão tem uns R$ 18 milhões, por baixo, a devolver aos cofres públicos (teria, né, porque parte já está prescrita), só por conta das “rachadinhas”. Esse é o que pagava de honesto e tungou a aposentadoria e os direitos trabalhistas, um homem que nunca trabalhou. No conceito dele e da família, esses “penduricalhos” são direito adquirido…

Responder

Deixe uma resposta