Live do Cafezinho (18h): o que acontecerá à Lava Jato?

Novo imposto atrapalha a economia, defende Maia

Por Gabriel Barbosa

31 de julho de 2020 : 18h23

Travando uma queda de braço com a equipe econômica liderada por Guedes, o Congresso Nacional resiste a ideia de aprovar a ‘nova CPMF’.

Na tarde desta sexta-feira, 31, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, falou sobre o assunto em almoço com empresários promovido pelo grupo LIDE em São Paulo.

Maia defendeu a tese de que a nova CPMF, embora aparentemente seja neutra por desonerar a folha, poderá causar um efeito negativo e travar a economia do país.

“Então, ele não é neutro. Ele pode ser neutro do ponto de vista do número, 100 aqui e 100 ali. Mas do ponto de vista do impacto na economia ele não vai ser neutro nunca, ele vai ter um impacto real em travar o desenvolvimento do nosso país”, disse.

Guedes propõe uma desoneração de até 25% na folha de pagamento como forma de estimular o investimento e como consequência diminuir os índices de desemprego.

Contudo, para compensar a perca de arrecadação, o governo quer criar um tributo que seja cobrado em operações financeiras. Resistente a ideia, Maia propõe que a equipe econômica corte subsídios em alguns setores.

“Nós temos R$ 450 bilhões em subsídios. Não é possível que daí não possa sair o financiamento da proposta de desoneração”, alfinetou Maia.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

31 de julho de 2020 às 22h14

Ué, Botafogo é contra subsídios? Onde estava ele até agora? É muita demagogia. Não dá pra levar esses senhores a sério nem quando têm razão…

Responder

Oscar

31 de julho de 2020 às 21h39

Nessa o Maia tá certíssimo!

Responder

Deixe uma resposta